Disrupções na cultura: as violências visíveis e invisíveis

Autores

  • Ruggero Levy Sociedade Psicanalítica de Porto Alegre (SPPA)

Palavras-chave:

Mal-estar na cultura, Pós-modernidade, Psicanálise e cultura, Narcisismo, Cultura e verdade

Resumo

O autor, articulando conceitos da psicanálise e da filosofia, em especial a partir das ideias de Byung-Chul Han, discorre sobre mal-estares da cultura atual, procurando também levar em conta o contexto inevitavelmente disruptivo da pandemia do Covid-19. Em um momento inicial, considera que, em todas as culturas, há mal-estares inevitáveis da vida em sociedade, porém detém-se em alguns dissabores da cultura atual, quais sejam, as exigências de um desempenho que esgotam o sujeito contemporâneo, levando-o ao isolamento narcisista e à alta prevalência de quadros de depressão na atualidade. Estuda também o impacto sobre a subjetividade do homem contemporâneo daquilo que o filósofo denomina de cultura do “excesso de positividade” e o seu efeito potencialmente traumático. Finaliza o trabalho discorrendo a respeito das possíveis consequências sobre a mente do sujeito contemporâneo do fenômeno da pós-verdade e das fake news (AU)

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ruggero Levy, Sociedade Psicanalítica de Porto Alegre (SPPA)

Psicanalista, membro efetivo e analista didata da Sociedade Psicanalítica de Porto Alegre (SPPA).

Referências

Bauman, Z. (1997). O mal-estar na pós-modernidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998.

Bauman, Z. (2000). Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

Bion, W. (1991). Aprendiendo de la experiencia. México: Paidós. (Trabalho original publicado em 1962)

Bion, W. (2004). Transformações. Do aprendizado ao crescimento. Trad. de P. C. Sandler. 2. ed. Rio de Janeiro: Imago. (Trabalho original publicado em 1965)

Civitarese, G. (2018). Truth as immediacy and unison: a new common ground in psychoanalysis? – Commentary on essays addressing ‘Is truth relevant?’ In Sublime subjects. Aesthetic Experience and Intersubjectivity in Psychoanalysis. London: Routledge.

Freud, S. (2010a). Formulação sobre os dois princípios do funcionamento psíquico.In Sigmund Freud - Obras completas - Observações psicanalíticas sobre um caso de paranoia relatado em autobiografia (“O caso Schreber”), artigos sobre técnica e outros textos (1911-1913), (Trad. de Paulo César de Souza, Vol. 10, pp. 81-91). São Paulo: Companhia das Letras. (Trabalho original publicado em 1911)

Freud, S. (2010b). O Eu e o Id. In Sigmund Freud - Obras completas - O Eu e o Id, “Autobiografia” e outros textos (1923-1925), (Trad. de Paulo César de Souza, Vol. 16, pp. 22-32). São Paulo: Companhia das Letras. (Trabalho original publicado em 1923)

Freud, S. (2010c). O mal-estar na civilização. In Sigmund Freud - Obras Completas – O mal-estar na civilização, novas conferências introdutórias à psicanálise e outros textos (1930-1936), (Trad. de Paulo César de Souza, Vol. 18, pp. 09-89). São Paulo: Companhia das Letras. (Trabalho original publicado em 1930)

Han, B.-C. (2017). Topologia da violência. Trad. de Enio Paulo Giachini. Petrópolis: Vozes, 2019 (e-Pub).

Hanly, C. (1992). O problema da verdade na psicanálise aplicada. Rio de Janeiro: Imago, 1995.

Levy, R. (2009). Desejo e prazer: a construção do sujeito pós-moderno. Trabalho apresentado no painel Desejo e prazer: a construção do sujeito pós-moderno na Jornada do Cinquentenário da Sociedade de Psicologia do RS, em 27 de junho de 2009.

Levy, R. (2013). O tempo da incerteza: elogio ao pudor - em defesa de um certo mistério necessário à simbolização. Revista de Psicanálise da SPPA, 20(2), 265-276. Recuperado de <http://revista.sppa.org.br/index.php/RPdaSPPA/article/view/28>

Levy, R. (2017). Intimidade: o dramático e o belo no encontro e desencontro com o outro. Keynote paper para o 50º Congresso da IPA, em Buenos Aires, julho de 2017.

Levy, R. (2019a). Verdade e a dimensão estética da psicanálise. Revista de Psicanálise da SPPA, 26(1), 61-83. Recuperado de <http://revista.sppa.org.br/index.php/RPdaSPPA/article/view/407>

Levy, R. (2019b). The polyphony of the contemporary psychoanalysis: the multiple languages of man. The International Journal of Psychoanalysis, 100(4), 656-673.

Levy, R. (2020). Subjetividades, a mente em movimento. Trabalho apresentado na mesa de abertura do Eixo Subjetividades do 33. Congresso da FEPAL, 2020.

Meltzer, D. (1973). Os estados sexuais da mente. Rio de Janeiro: Imago, 1979.

Meltzer, D. (1988). A apreensão do belo. Rio de Janeiro: Imago, 1995.

Meltzer, D. (1992). The Claustrum.An Investigation of Clautrophobic Phenomena. Perthshire, The Clunie Press.

Prigogine, I. (1996). O fim da ciência? In Novos paradigmas, cultura e subjetividade. Org. Dora Fried Schnitman. Porto Alegre: Artmed.

Rezende, A. M. (1999). A questão da verdade na investigação psicanalítica. Campinas: Papirus.

Siebert, S., & Pereira, I.V. (2020). A pós-verdade como acontecimento discursivo. Linguagem em (Dis)curso - LemD, 20(2), 239-249.

Winnicott, D.W. (1975a). Objetos transicionais e fenômenos transicionais. In O brincar e a realidade. Rio de Janeiro: Imago. (Trabalho original publicado em 1951)

Winnicott, D.W. (1975b). O papel da mãe e da família no desenvolvimento emocional infantil. In O brincar e a realidade. Rio de Janeiro: Imago. (Trabalho original publicado em 1967)

Winnicott, D.W. (1982). Distorção do ego em termos de verdadeiro e falso self. In O ambiente e os processos de maturação. Porto Alegre: Artes Médicas. (Trabalho original publicado em 1960)

Publicado

2021-04-04

Como Citar

Levy, R. (2021). Disrupções na cultura: as violências visíveis e invisíveis. Revista De Psicanálise Da SPPA, 28(1), 43–60. Recuperado de https://revista.sppa.org.br/RPdaSPPA/article/view/855

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)