Acesso Livre Acesso Livre  Acesso restrito Acesso Restrito

Verdade e a dimensão estética da psicanálise

Ruggero Levy

Resumo


O autor inicia com uma vinheta clínica em que ele e a paciente se emocionaram intensamente, e ele teve uma sensação de verdade e beleza. Pergunta-se, então, o que o belo tem a ver com a sensação de verdade e com a necessidade de aferi-la no método analítico. A partir deste questionamento, o autor inicia uma exposição dos vários métodos de aferição da verdade utilizados na psicanálise desde Freud, procurando entendê-los dentro de seus contextos epistemológicos e suas repercussões sobre a prática psicanalítica. Finalmente chega ao cerne de seu trabalho no item A dimensão estética da psicanálise, em que expõe o seu ponto de vista de que, embora siga se utilizando de metodologias anteriormente empregadas na busca da “verdade” possível no trabalho com nossos pacientes, as mudanças na teoria e na técnica psicanalítica colocaram a emoção no centro do vínculo e da compreensão da experiência emocional em curso, criando uma experiência estética associada à sensação de verdade. Detalha também que a sensação de verdade associou-se muito mais à verdade psíquica do que à verdade factual.

Palavras-chave: Verdade; Experiência estética; Relação analítica; Relação intersubjetiva; Intimidade

 

Abstract

Truth and esthetic dimension of psychoanalysis

The author begins with a clinical vignette in which the patient and he got deeply moved and he felt a taste of truth and beauty. The question then is, what does beautiful has to do with the perception of truth and with the need to measure it in the analytical method? With this question as starting point, the author dwells on the various methods of measuring the truth used in psychoanalysis since Freud, attempting to understand them within their epistemological contexts and their repercussions on psychoanalytic practice. Finally, he comes to the core of his work in the item A dimensão estética da psicanálise (The esthetic dimension of psychoanalysis), in which he exposes his opinion that, although methodologies previously used to search for possible "truth" in working with our patients are still being used, changes in psychoanalytic theory and technique have placed emotion at the heart of bonding and understanding of the ongoing emotional experience, creating an esthetic experience associated with the perception of truth. He also points out that the perception of truth was much more associated with psychic truth than with factual truth.

Keywords: Truth; Esthetic experience; Analytic relation; Intersubjective relation; Intimacy

 

Resumen

Verdad y la dimensión estética del psicoanálisis

El autor empieza con una viñeta clínica en la que él y la paciente se emocionaron intensamente, y él tuvo una sensación de verdad y belleza. Se pregunta, entonces, qué el bello tiene que ver con la sensación de verdad y con la necesidad de medirla en el método analítico. A partir de este cuestionamiento, el autor inicia una exposición de los diversos métodos de medición de la verdad utilizados en el psicoanálisis desde Freud, buscando entenderlos dentro de sus contextos epistemológicos y sus repercusiones sobre la práctica psicoanalítica. Por fin llega al núcleo de su trabajo en el ítem La dimensión estética del psicoanálisis, en el cual expone su punto de vista de que, aunque siga utilizando metodologías anteriormente usadas en la búsqueda de la verdad posible en el trabajo con nuestros pacientes, los cambios en la teoría y en la técnica psicoanalítica han ubicado la emoción en el centro del vínculo y de la comprensión de la experiencia emocional en curso, creando una experiencia estética asociada a la sensación de verdad. También señala que la sensación de verdad se asoció mucho más a la verdad psíquica que a la verdad factual.

Palabras clave: Verdad; Experiencia estética; Relación analítica; Relación intersubjetiva; Intimidad


Palavras-chave


Verdade; Experiência estética; Relação analítica; Relação intersubjetiva; Intimidade

Texto completo:

PDF

Referências


Aisenstein, M. (2004). O doloroso enigma, enigma da dor. Revista de Psicanálise da SPPA, 11 (1): 35-49.

Aisenstein, M. (2009). Les exigences de la représentation. Rapport du XXX Congrès de Langue Française.

Andreu, P. (2016). L’espace, poétiques et perspectives. Conferência no 76º Congresso de Psicanalistas de Língua Francesa, em Bruxelas, maio.

Baranger, W. & Baranger, M. (1969). La situación analítica como campo dinámico. In Problemas del campo psicoanalítico. Buenos Aires: Kargieman.

Bion, W. (1959). Ataques ao elo de ligação. In Estudos psicanalíticos revisados. Rio de Janeiro: Imago, 1988.

Bion, W. (1962). Aprendiendo de la experiencia. México: Paidós, 1991.

Bion, W. (1963). Elementos de psicoanálisis. Buenos Aires: Hormé, 1988.

Bion, W. (1965). Transformações: do aprendizado ao crescimento. Trad. de P. C. Sandler. 2. ed. Rio de Janeiro: Imago, 2004.

Bion, W. (1970). Attention and interpretation. Londres: Karnac, 1993.

Bion, W. (1976). Evidencia. Revista de Psicanálise da SPPA, 7 (2): 269-278.

Bion, W. (1997). Taming wild thoughts. Londres: Karnac.

Bolognini, S. (2008). A empatia psicanalítica. São Paulo: Companhia de Freud.

Bolognini, S. (2015). Vínculos y intimidad. Revista Peruana de Psicoanálisis, 16: 11-20.

Bolognini, S. (2016). The humanizing function of contemporary psychoanalytical empathy. Palestra no Sigmund Freud Museum, Billrothaus, Viena, 21 de maio. Recuperado de .

Botella, C. & Botella, S. (2002). Irrepresentável: mais além da representação. Porto Alegre: Sociedade de Psicologia do Rio Grande do Sul, Criação Humana.

Cassirer, E. (1944). Ensaio sobre o homem. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

Civitarese, G. (2014). I sensi e l’inconscio. Roma: Borla.

Civitarese, G. (2015). O inconsciente inacessível e a rêverie como um caminho para a figurabilidade. Conferência Bion por Giuseppe Civitarese na SPPA, 21 de agosto.

Civitarese, G. (2018). Truth as immediacy and unison: a new common ground in psychoanalysis? – Commentary on essays addressing ‘Is truth relevant?’ In Sublime subjects – Aesthetic Experience and Intersubjectivity in Psychoanalysis. Londeon: Routledge.

Ferro, A. (1995). A técnica na psicanálise infantil: a criança e o analista da relação ao campo emocional. Rio de Janeiro: Imago, 1997.

Ferro, A. (1998). Na sala de análise: emoções, relatos, transformações. Rio de Janeiro: Imago.

Ferro, A. (2011). Viver as emoções, evitar as emoções. Porto Alegre: Artmed.

Freud S. (1918). História de uma neurose infantil. In Edição stantard das obras completas de Sigmund Freud, Rio de Janeiro, Imago, 1976.

Goldstein, G. (2005). A experiência estética. Buenos Aires: Del Estante Editorial.

Grimberg, L. (1991). Nuevas introducción a las ideas de Bion. Tecnipublicaciones. Madrid: Espanha, 1991.

Grotstein, J. S. (2005). Transidentificação projetiva: uma extensão do conceito de identificação projetiva. In Um facho de intensa escuridão: o legado de Wilfred Bion à psicanálise/James Grotstein. Trad. de M. C. Monteiro. Porto Alegre: Artmed, 2010.

Hanly, C. (1992). O problema da verdade na psicanálise aplicada. Rio de Janeiro: Imago, 1995.

Heidegger, M. (1986). O ser e o tempo (Parte I). Petrópolis: Vozes, 2001.

Heisemberg, W. (1930) – The physical principles of the Quantum Theory. Dover Publications, London 2013.

Ithier, B. & Levy, R. (2013). La fonction paternelle dans la scène primitive interpretative. Revue Française de Psychanalyse, 77 (5): 1571-60.

Ithier, B. (2016). Contemporary conversations. The Arms of the Chimeras. The International Journal of Psychoanalysis, 97: 451-478.

Laplanche, J. (1992). Novos fundamentos para a psicanálise. São Paulo: Martins Fontes.

Levy, R. (2000). Do símbolo à simbolização: uma revisão da evolução teórica e suas repercussões sobre a técnica psicanalítica. Porto Alegre: SPPA. Monografia.

Levy, R. (2012a). Dando “pensabilidade” ao impensável: criando “andaimes” ao pensar em adolescentes com transtornos severos. Revista Brasileira de Psicanálise, 46(3): 78-89.

Levy, R. (2012b). From symbolizing to non-symbolizing within the scope of a link: from dreams to shouts of terror caused by an absent presence. International Journal of Psychoanalysis, 93: 837-862.

Levy, R. (2015). A polifonia da psicanálise contemporânea: as múltiplas linguagens do homem. In Diálogos psicanalíticos contemporâneos – O representável e o irrepresentável em André Green e Thomas Ogden. Talya Candi (Org.); Coll. dirigida por Alberto M. da Rocha Barros e Elias Mallet da Rocha Barros. – São Paulo: Escuta, 2015.

Levy, R. (2017). Intimidade: o dramático e o belo no encontro e no desencontro com o outro. Conferência principal (keynote paper) no Congresso da IPA, Buenos Aires, 2017.

Meltzer, D. (1971). Sincerity: a study in the atmosphere of the human relations. In A. Hahn (Ed.). Sincerity and other works: collected papers of Donald Meltzer. Londres: Karnac, 1994.

Meltzer, D. (1988). A apreensão do belo. Rio de Janeiro: Imago, 1995.

Morin. E. (1996). Epistemologia da complexidade. In D. F. Schnitman (Org.). Novos paradigmas, cultura e subjetividade. Porto Alegre: Artmed.

Ogden, B. (2014). O risco da confissão verdadeira: sobre literatura e mistério. In Diálogos psicanalíticos contemporâneos – O representável e o irrepresentável em André Green e Thomas Ogden. Talya Candi (Organizadora); coleção dirigida por Alberto M. da Rocha Barros e Elias Mallet da Rocha Barros. – São Paulo: Escuta, 2015.

Ogden, T. H. (1994). Os sujeitos da psicanálise. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2003.

Ogden, T. H. (2005). Esta arte da psicanálise: sonhando sonhos não sonhados e gritos interrompidos. Porto Alegre: Artmed, 2010.

Prigogine, I. (1996). O fim da ciência? In D. F. Schnitman (Org.). Novos paradigmas, cultura e subjetividade. Porto Alegre: Artmed.

Rezende, A. M. (1997). Investigação em psicanálise: uma procura da verdade. Encontro de Ribeirão Preto – Centenário de Bion, 1997. Comunicação verbal não publicada.

Rezende, A. M. (1999). A questão da verdade na investigação psicanalítica. Campinas/ São Paulo: Papirus, 1999.

Rocha Barros, E. M. (2002). An essay on dreaming psychical working out and working through. The International Journal of Psychoanalysis, 83: 1083-1093.

Rocha Barros, E. M. e Rocha Barros, E. L. (2008). Reflexões sobre as implicações clínicas do conceito de simbolismo na vida onírica e sua relação com a perlaboração. Apresentado no Encontro sobre Meltzer promovido pela SBPSP, agosto.

Ruggiero, I. (2007). Autodestrutividade na adolescência: entre a repetição e a elaboração. Revista de Psicanálise da SPPA, 14(2): 245-255.

Sandler, P. C. (2000). A apreensão da realidade psíquica: as origens da psicanálise na obra de Kant. Rio de Janeiro: Imago.

Ungar, V. (2000). Transferência e modelo estético. Psicanálise, Revista da SBPdePA, 2(1).

Winnicott, D. W. (1951). Objetos transicionais e fenômenos transicionais. In O brincar e a realidade. Rio de Janeiro: Imago, 1975.

Winnicott, D. W. (1967). O papel da mãe e da família no desenvolvimento emocional infantil. In O brincar e a realidade. Rio de Janeiro: Imago, 1975.

Winnicott, D. W. (1968). O jogo do rabisco. In C. Winnicott, et al. (Org.), Explorações psicanalíticas. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 1994.




Revista de Psicanálise da SPPA  |  ISSN 1413-4438  |  ISSNe 2674-919X  | RPdaSPPA no Google Scholar

Classificação Qualis: B2 Psicologia

Sociedade Psicanalítica de Porto Alegre

Rua General Andrade Neves, 14/802 | 90010-210 | Porto Alegre, RS, Brasil | Fone +55 (51) 3224-3340 | WhatsApp (51) 9 8487-0158 | E-mail: revista@sppa.org.br