Édipo a contraponto

Autores

  • Luiz Meyer

Palavras-chave:

Complexo de Édipo, Conflito estético, Sedução generalizada, Vínculos emocionais L, H, K, Filicídio, Violência primária

Resumo

O autor examina a trajetória de Édipo segundo a tragédia de Sófocles, centrando-se no sofrimento que lhe foi infringido originalmente, prévio ao seu retorno a Tebas. A partir de um poema de sua autoria intitulado “A contrapelo”, ele dá voz ao Édipo sofrente e injustiçado, que volta para mostrar ostensivamente à população da Polis, através de seus tornozelos inchados, a tortura que sofreu nas mãos de Laio e Jocasta já por ocasião do seu nascimento. Em paralelo a essa voz, escuta-se outra que comenta o comportamento de Édipo segundo a ótica de várias teorias psicanalíticas, apoiada em Freud, Bion, Melanie Klein, Laplanche, Meltzer e Ferenczi. O artigo enfatiza o quanto Édipo foi carente de experiências amorosas primárias e como esta privação deixou marcas profundas tanto no seu caráter quanto na sua conduta. No texto, o assassinato de Laio é apresentado como uma vingança merecida justamente, com a acusação ao povo de Tebas de conluio com os pais criminosos. Isto empresta ao trabalho um caráter de denúncia político-social ausente no original. Este Édipo encontra-se a contrapelo na medida em que propõe abordar o Édipo sujeito e não o Édipo rei e, consequentemente, o Édipo vítima ao invés do herói arrogante e triunfante, culpado de incesto e patricídio.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luiz Meyer

Membro Efetivo da Sociedade Brasileira de Psicanálise de São Paulo (SBPSP).

Referências

Bion, W. R. (1961). Experiences in groups and other papers. London: Tavistock.

Bion, W. R. (1962). Learing from experience. London: William Heinemann.

Ferenczi, S. (1992). Confusão de língua entre os adultos e a criança: 1933 - a linguagem da ternura e da paixão. In S. Ferenczi. Psicanálise 4 (Vol. 4, pp. 97-106). São Paulo: Martins Fontes.

Homero (1981). Odisseia. (Tradução de A. P. de Carvalho). São Paulo: Abril Cultural.

Homero (1992). Odisseia. (Tradução de M. O. Mendes). São Paulo: Edusp.

Homero (2014). Odisseia. (Tradução de C. Werner). São Paulo: Cosac Naify.

Klein, M. (1957). Envy and gratitude: a study of unconscious sources. London: Tavistock.

Klein, M. (1991). Inveja e gratidão e outros trabalhos: 1946-1963 (Vol. 3). Rio de Janeiro: Imago.

Laplanche, J. (1968). Da teoria da sedução restrita à teoria da sedução generalizada. In J. Laplanche. Teoria da sedução generalizada e outros ensaios (pp. 108-25). Porto Alegre: Artes Médicas.

Laplanche, J. (2008). A partir da situação antropológica fundamental. In Laplanche, J. Sexual: a sexualidade ampliada no sentido freudiano. Porto Alegre: Dublinense.

Meltzer, D. (1967). The psycho-analytical process. London: William Heinemann Medical Books.

Meltzer, D., & Williams, M. H. (1988). The apprehension of beauty: the role of aesthetic conflict in development, violence and art. Pertshire: Clunie Press.

Meyer, L. (2010). Réu confesso- poemas reunidos (1968-2010). São Paulo: Ateliê Editorial.

Meyer, L. (2022). Sujando o ninho e outros poemas. São Paulo: Editora Iluminas.

Sófocles (1990). Édipo rei. (Tradução de M. G. Kury). Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Sófocles (2009). Édipo rei. (Tradução de T. Vieira). São Paulo: Perspectiva.

Sófocles (2018). Édipo tirano. (Tradução de L. Antunes). São Paulo: Todavia.

Steiner, J. (2018). The trauma and disillusionment of Oedipus. Int. J. Psycho-Anal, 99(3), 555-568.

Tarelho, L. C. (2012). A teoria da sedução generalizada de Jean Laplanche e o descentramento do ser humano. Jornal de Psicanálise, 45(83), 97-108.

Publicado

10-06-2024

Como Citar

Meyer, L. (2024). Édipo a contraponto. Revista De Psicanálise Da SPPA, 31(2). Recuperado de https://revista.sppa.org.br/RPdaSPPA/article/view/1202