Acesso Livre Acesso Livre  Acesso restrito Acesso Restrito

Uma metáfora musical para a psicanálise

Ivan Sérgio Cunha Fetter

Resumo


O trabalho tem como objetivo descrever a íntima interação que existe entre a música e a psicanálise: a psicanálise entendendo o fenômeno musical em suas origens e significados e a música aprimorando o aparelho de escuta do psicanalista, voltado para os processos primitivos de comunicação. Relaciona a música com a função psicanalítica, especialmente com a rêverie materna, que contribui diretamente para a transformação dos ruídos (elementos brutos) em elementos musicais. O ponto central na história da música, para o autor, é a construção do sistema tonal, com o trítono destruindo a primazia do acorde perfeito, abrindo um amplo espaço para modulações, o que leva ao desenvolvimento de formas mentais altamente simbólicas. Essa metáfora pode ser aplicada diretamente ao modelo analítico, quando o analista, através do ato interpretativo (trítono), gera um espaço triangular, rompendo com a fantasia de consonância com a mãe. Por outro lado, a possibilidade de apreciar música, ou aproveitar um tratamento psicanalítico, tem a ver com o que Meltzer chama de conflito estético. O autor utiliza o exemplo do mito de Orfeu para mostrar como o crescimento mental define-se pelo uso da imaginação, levando ao processo de simbolização.

 

A musical metaphor for psychoanalysis

This article aims to describe the intimate interaction between music and psychoanalysis: psychoanalysis understanding the musical phenomenon in its origins and meanings and the music improving the psychoanalyst’s listening device, turned to the primitive communication processes. It relates music with the psychoanalytical function, especially with maternal rêverie, which contributes directly to the transformation of noises (brute elements) in “musical elements”. For the author, the central issue in the history of music is the construction of the tonal system, with the tritone destroying the primacy of the perfect chord and opening a wide space for modulations, which leads to the development of highly symbolic mental forms. That metaphor can be applied directly to the analytic model, when the analyst, through the interpretative act (tritone), generates a triangular space, breaking up with the fantasy of consonance with the mother. On the other hand, the possibility to appreciate music, or to benefit from a psychoanalytical treatment, is connected to what Meltzer calls aesthetic conflict. The author makes use of the Orpheus’ myth as an example to show how the mental growth is defined by the use of imagination, leading to the symbolization process.


Palavras-chave


música, psicanálise, função, rêverie, conflito estético.

Texto completo:

PDF

Referências


Andrade, M. (1942). Pequena história da música (6a ed.). São Paulo: Martins, 1967.

Anzieu, D. (1988). O envelope sonoro. In: O eu-pele. São Paulo: Casa do Psicólogo, 1989, pp. 181-199.

Assis Brasil, L.A. (2007, 27 de agosto). [Coluna publicada no Segundo Caderno do jornal ZH], Zero Hora, Porto Alegre, segundo caderno, pp. 6.

Bion, W. R. (1959). Trabalho onírico á. In: Cogitações. Rio de Janeiro: Imago, 2000, pp. 76-81.

(1967). Uma teoria sobre o processo de pensar. In: Estudos psicanalíticos revisados. Rio de Janeiro: Imago, 1988, pp. 101-109.

Bornstein, M. (1977). Analysis of a congenitally blind musician. Psychoanalytic Quarterly, 46 (1), pp. 23-37.

Boyer, L. B. (1992). Roles played by music as revealed during countertransference facilitated transference regression. International Journal of Psycho-Analysis, 73 (1), pp. 55-70.

Ferenczi, S. (1913). O desenvolvimento do sentido de realidade e seus estágios. In Obras completas. (Vol. 2, pp. 39-53), São Paulo: Martins Fontes, 1992.

Ferro, A. (1999). A psicanálise como literatura e terapia. Rio de Janeiro: Imago, 2000.

Freeman, W. (2000). A neurobiological role of music in social bonding. In N. L. Wallin, B. Merker, & S. Brown (Eds.). The origins of music. Massachusetts: MIT, pp. 411-424.

Freud, S. (1904). Sobre a psicoterapia. In Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud. (Vol. 7, pp. 265-278), Rio de Janeiro: Imago, 1972.

González, A. (1954). Aportación clínica al estudio psicoanalítico de la música. Revista de Psicoanálisis, 11 (4), pp. 446-467.

Greenson, R. R. (1954). A respeito do “Mm...”. In Investigações em psicanálise. Rio de Janeiro: Imago, 1982, pp. 111-116.

Grosskurth, P. (1986). Melanie Klein: su mundo y su obra. Buenos Aires: Paidós, 1990.

Hartke, R. (2005). O silêncio e o ruído, o fundo e a figura no espaço analítico: variações sobre temas de Bion, Cage e Malevich. In: Simpósio: O espaço e o vazio na arte e na psicanálise, 5. Porto Alegre: Bienal do Mercosul.

Herzog, J. M. (2005). Los degradados, pra fora, pra baixo, morte, o trauma transmitido e infligido, conforme foi encontrado na análise de uma menina de 6 anos. Revista Brasileira de Psicanálise, 39 (1), pp. 75-93.

Holanda, C. B. (2003). Budapeste: Romance. São Paulo: Companhia das Letras.

Houaiss, A. (2001). Dicionário Houaiss da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva.

Ivancich, P. (1954). Aspectos del significado del canto através de una sesión psicoanalítica. Revista de Psicoanálisis, 11 (4), pp. 463-467.

Kohut, H., & Levarie, S. (1950). On the enjoyment of listening to music. Psychoanalytic Quarterly, 19 (1), pp. 64-87.

Langer, S. K. (1941). Filosofia em nova chave. São Paulo: Perspectiva, 1989.

Lecourt, E. (1987). La envoltura musical. In: D. Anzieu. Las envolturas psíquicas. Buenos Aires: Amorrortu, 2004, pp. 209-232.

Lopes-Graça, F. (1930). As variedades da experiência musical. In: Páginas escolhidas de crítica e estética musical. Lisboa: (no prelo), pp. 1-5.

Meltzer, D. (1986). O que é uma experiência emocional? In: Metapsicologia ampliada. Buenos Aires: Spatia, 1990, pp. 16-30.

Meltzer, D., & Williams, M. H. (1988). La aprehensión de la beleza. Buenos Aires: Spatia, 1990.

Messias, S. D. (2006). Do desejo ao gozo: ensaio psicanalítico sobre a fruição da música (Fantasia em Si bemol maior). Revista de Psicanálise da SBPdePA, 8 (2), pp. 391-406.

Modell, A. H. (2003). Imagination and the meaningful brain. Cambridge: MIT.

Nachmanovitch, S. (1990). Free play: la improvisación en la vida y en el arte. Buenos Aires: Paidós, 2004.

Nass, M. L. (1971). Some considerations of a psychoanalytic interpretation of music. Psychoanalytic Quarterly, 40 (2), pp. 303-316.

Neri, C. (1995). Grupo: manual de psicanálise de grupo. Rio de Janeiro: Imago, 1999.

Pahlen, K. (1949). Introdução à música. São Paulo: Melhoramentos.

Pichon-Riviere, A. A., & Alvarez de Toledo, L. G. (1955). La música y los instrumentos musicales. Revista de Psicoanálisis, 12 (2), pp. 183-200.

Racker, H. (1952). Aportación al psicoanálisis de la música. Revista de Psicoanálisis, 9 (1), pp. 3-29.

Rechardt, E. (1987). Experiencing music. Psychoanalytic Study Child, 42, pp. 511-530.

Resnik, S. (1954). Actividad musical y reparación. Revista de Psicoanálisis, 11 (4), pp. 468-478.

Sacchetti, A. (2004). El párpado del oído: entre la música y el psicoanálisis. Buenos Aires: Letra Viva.

Salis, V. D. (2003). Mitologia viva. São Paulo: Nova Alexandria.

Strachey, J. (1934). The nature of the therapeutic action of psychoanalysis. International Journal of Psycho-Analysis, 15 (2-3), pp. 127-59, 1969.

Wisnik, J. M. (1989). O som e o sentido. São Paulo: Companhia das Letras.

Zimerman, D. E. (1995). Bion: da teoria à prática, uma leitura didática. Porto Alegre: Artes Médicas.




DOI: https://doi.org/10.5281/sppa%20revista.v20i2.67

Direitos autorais

Revista de Psicanálise da SPPA | Publicada desde 1993 (1988-93 com o nome de Arquivos de Psicanálise da SPPA)

Publicação Quadrimestral | ISSN 1413-4438 (versão impressa) | ISSNe 2674-919X (versão eletrônica) | Qualis: B2 Psicologia
 
INDEXADORAS:
LILACS | Biblioteca Virtual da Saúde (OPAS - BIREME)
CLASE | Citas Latinoamericanas en Ciencias Sociales y Humanidades (Universidad Nacional Autónoma de México - UNAM)
Scholar | Google Acadêmico

Sociedade Psicanalítica de Porto Alegre

Rua General Andrade Neves, 14/402 | 90010-210 | Porto Alegre, RS, Brasil | Fone +55 (51) 3224-3340 | WhatsApp (51) 9 8487-0158 | E-mail: revista@sppa.org.br