O psicanalista e o desamparo

Autores

  • Ivan Sérgio Cunha Fetter Sociedade Psicanalítica de Porto Alegre (SPPA)

Palavras-chave:

Desamparo, Identidade, Formação analítica, Autoanálise

Resumo

O autor tem como objetivo fazer uma reflexão sobre o sentimento de desamparo que ocorre no psicanalista no exercício de sua prática. Apesar da importância do sentimento de desamparo já estar presente em toda a história da psicanálise, as mudanças de paradigma e a cultura atual podem acentuá-lo, caso o psicanalista não desenvolva uma adequada identidade analítica centralizada em cinco qualidades principais: capacidade de estar só, capacidade de tolerar o não saber, capacidade de sonhar, capacidade de usar os modelos psicanalíticos e capacidade de praticar a autoanálise (AU)

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ivan Sérgio Cunha Fetter, Sociedade Psicanalítica de Porto Alegre (SPPA)

Psicanalista membro efetivo da Sociedade Psicanalítica de Porto Alegre.

Referências

BAUMAN, Z. (2000). Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Zahar, 2001.

BION, W. R. (1976). Evidência. Revista de Psicanálise da SPPA, v. 7, n. 2, p. 269-278.

CODERCH, J. (2001). La relación paciente-terapeuta – El campo del psicoanálisis y la psicoterapia

psicoanalítica. Barcelona: Paidós.

FERNÁNDEZ ORDÓÑEZ, S. (2008). O olhar de Borges: uma biografia sentimental. Belo

Horizonte: Autêntica.

FERRO, A. (2005). Fatores de doença, fatores de cura: gênese do sofrimento e da cura psicanalítica.

Rio de Janeiro: Imago.

FREUD, S. (1926). Inibições, sintomas e ansiedade. In: Edição standard brasileira das obras

psicológicas completas de Sigmund Freud. v. 20. Rio de Janeiro: Imago, 1972, p. 95-201.

. (1927). O futuro de uma ilusão. In: Edição standard brasileira das obras psicológicas

completas de Sigmund Freud. v. 21. Rio de Janeiro: Imago, 1972, p. 13-71.

. ([1929]1930). Le malaise dans la culture. In: Oeuvres complètes de Freud (tradução direta

do alemão por Paulo César de Souza). São Paulo: Companhia das Letras, 2010, p. 14-122.

. (1933). Novas conferências introdutórias à psicanálise. In: Obras completas (tradução

direta do alemão por Paulo César de Souza). São Paulo: Companhia das Letras, 2010, p. 226.

GABBARD, G. O.; OGDEN T. H. (2011). Tornar-se psicanalista. In: Livro anual de psicanálise.

v. 25, 2011, p. 117-131.

HUSTON, N. (2008). A espécie fabuladora. Porto Alegre: L&PM, 2010.

KLAUBER, J. (1994). Elementos do relacionamento psicanalítico e suas implicações terapêuticas.

In: GREGORIO KOHON (Org.).

A escola britânica de psicanálise. Porto Alegre: Artes Médicas.

MELTZER, D. (1986). Que és una experiência emocional? In: Metapsicología ampliada. Buenos

Aires: Spatia, 1990.

MELTZER, D.; WILLIAMS, M. H. (1988). Conflito estético: seu lugar no processo de

desenvolvimento. In: A apreensão do belo. Rio de Janeiro: Imago, 1995.

WINNICOTT, D. (1958). A capacidade para estar só. In: O ambiente e os processos de maturação.

Porto Alegre: Artes Médicas, 1990.

Publicado

2012-08-01

Como Citar

Fetter, I. S. C. (2012). O psicanalista e o desamparo. Revista De Psicanálise Da SPPA, 19(2), 351–366. Recuperado de https://revista.sppa.org.br/RPdaSPPA/article/view/556

Edição

Seção

Artigos