Novas formas de psicopatologia em um mundo em mudança: um desafio para a psicanálise no século XXI

Autores

  • Stefano Bolognini Sociedade Psicanalítica Italiana (SPI)

Palavras-chave:

Vínculo, Dependência, Triagem, Narcisismo, Estilos parentais, Autonomia relacional

Resumo

Este artigo descreve alguns macrofenômenos psicopatológicos que caracterizam a mudança nos pacientes ao longo desses últimos trinta anos e, por conseguinte, as mudanças no trabalho de analistas contemporâneos, que cada vez mais lidam com a dificuldade e com a relutância dos pacientes em aceitar a sua dependência básica dentro da relação de objeto. O comprometimento, o ritmo das sessões, as obrigações contratuais e a percepção da complexidade e da profundidade da relação analítica hoje – muito mais do que no passado – suscitam a desconfiança em relação ao próprio engajamento com a psicanálise. São examinados os fatores que
encorajam e reforçam as novas resistências nos tempos atuais: as formas de crescer na primeira infância, a precariedade e a liquidez dos laços familiares, as ilusões de onipotência e de não-separação inspiradas pela internet, o abuso de substâncias e a valorização de ideais autonomistas narcisistas, entre outros. Por conseguinte, a psicanálise também está mudando.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Stefano Bolognini, Sociedade Psicanalítica Italiana (SPI)

Psicanalista. Membro didata da Sociedade Psicanalítica Italiana (SPI).

Referências

Bolognini, S. (2013). Die institutionelle und die innere Familie des Analytikers. Forum der Psychoanalyse, 29(3), 357-372.

Bolognini, S. (2015). Psychoanalysis in a changing world. President’s Opening Speech at the 2015 IPA Congress, Boston.

Freud, S. (1953). Some reflections on schoolboy psychology. In The standard edition of the complete psychological works of Sigmund Freud, (Vol. 13, pp. 239-244). London: The Hogarth Press. (Original works published in 1914)

Gabbard, O.G., & Crisp, H. (2019). Narcissism and its discontents. Diagnostic dilemmas and treatment strategies with narcissistic patients. Washington, DC: American Psychiatric Association Publishing, 2018.

Gaddini, E. (1984). Se e come sono cambiati i nostri pazienti fino ai nostri giorni. Rivista di Psicoanalisi, 30(4), 560-580.

Ogden, T.H. (1994). The analytic third. Working with intersubjective clinical facts. The International Journal of Psychoanalysis, 75, 3-19.

Romano, R. (2019). Etica della psicoanalisi. Presented at the SPI Scientific Study Day on Training, 12/10/2019, Rome.

Sacerdoti, G. (1987). Ebraismo e psicoanalisi davanti all’assimilazione. In Scritti psicoanalitici. Rome: Borla, 2008.

Twenge, J.M., & Campbell, W.K. (2009). The narcissism epidemic: living in the age of entitlement. New York: Free Press.

Weintrobe, S. (2012). Engaging with climate change: psychoanalytic and interdisciplinary perspectives. The New Library of Psychoanalysis. London: Routledge.

Publicado

2021-08-08

Como Citar

Bolognini, S. (2021). Novas formas de psicopatologia em um mundo em mudança: um desafio para a psicanálise no século XXI. Revista De Psicanálise Da SPPA, 28(2). Recuperado de https://revista.sppa.org.br/RPdaSPPA/article/view/926