O pulsional, a destrutividade e a cultura

Autores

  • Luciane Falcão Sociedade Psicanalítica de Porto Alegre (SPPA)

DOI:

https://doi.org/10.5281/sppa%20revista.v18i3.712

Palavras-chave:

Pulsão de morte, Psicanálise e cultura, Destrutividade

Resumo

O autor propõe uma retomada da ideia de que nenhum progresso psíquico é possível se não for admitida a hipótese de uma destrutividade primária que se apresenta aliada e antagônica às formas organizacionais de vida, tanto para o indivíduo quanto para a sociedade e a cultura. Discute a questão pulsional e como o coeficiente não elaborável de destruição permanece presente também na cultura. Apresenta algumas ideias freudianas que colaboram na compreensão da ação da pulsão de morte, entendo-a como uma força destrutiva que age tanto no interior do sujeito quanto no exterior, no campo social e cultural. Também articula alguns aspectos da psicanálise contemporânea a respeito do assunto utilizando autores como André Green e Jean Luc Donnet, autores esses que têm colaborado com essas reflexões aprofundando o entendimento da intrincação pulsional e cultura (AU)

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luciane Falcão, Sociedade Psicanalítica de Porto Alegre (SPPA)

Psicanalista. Membro efetivo, analista de crianças e adolescentes e analista didata da Sociedade Psicanalítica de Porto Alegre (SPPA).

Referências

CIRNE-LIMA, C. R. (1996). Dialética para principiantes. São Leopoldo: Unisinos, 2002.

DONNET, J. L. (2003). Le travail psychanalytique. Paris: PUF.

FREUD, S. (1905). Três ensaios sobre a teoria da sexualidade. In: Edição Standard Brasileira das

obras psicológicas completas de Sigmund Freud. v.7. Rio de Janeiro: Imago, 1972.

. (1913). Totem e tabu. In: Edição Standard Brasileira. v. 13. Rio de Janeiro: Imago, 1977.

. (1914). À guisa de introdução ao narcisismo. In: Escritos sobre a psicologia do

inconsciente, trad. L.A. Hans. v. 1. Rio de Janeiro: Imago, 2004.

. (1915a). Pulsão e destino das pulsões. In: Escritos sobre a psicologia do inconsciente,

trad. L. A. Hans. v. 1. Rio de Janeiro: Imago, 2004.

. (1915b). O inconsciente. In: Escritos sobre a Psicologia do Inconsciente, trad. L. A. Hans.

v. 2. Rio de Janeiro: Imago, 2006.

. (1915c). Considerações sobre a guerra e a morte. In: Ed. Standard Brasileira. v. 14. Rio

de Janeiro: Imago, 1977.

. (1917). Luto e melancolia. In: Ed. Standard Brasileira. v. 14. Rio de Janeiro: Imago,

. (1918). História de uma neurose infantil. In: Ed. Standard Brasileira. v. 14. Rio de Janeiro:

Imago, 1977.

. (1920). Além do princípio do prazer. In: Escritos sobre a psicologia inconsciente. v. 2.

Rio de Janeiro: Imago, 2006.

. (1921). Psicologia das massas e análise do eu. In: Ed. Standard Brasileira. v. 18. Rio de

Janeiro: Imago, 1977.

. (1923). O eu e o id. In: Escritos sobre a Psicologia Inconsciente. v. 3. Rio de Janeiro:

Imago, 2007.

. (1924). O problema econômico do masoquismo. In: Escritos sobre a psicologia

inconsciente. v. 3. Rio de Janeiro: Imago, 2007.

. (1925). A negativa. In: Escritos sobre a psicologia inconsciente. v. 3. Rio de Janeiro:

Imago, 2007.

. (1927). Futuro de uma ilusão. Ed. Standard Brasileira. v. 21. Rio de Janeiro: Imago,

. (1928). Dostoievski e o parricídio. In: Ed. Standard Brasileira. v. 21. Rio de Janeiro:

Imago, 1977.

. (1930). O mal estar na civilização. In: Ed. Standard Brasileira. v. 21. Rio de Janeiro:

Imago, 1977.

. (1933). Ansiedade e vida pulsional. XXXIIª das Novas Conferências Introdutórias sobre

Psicanalise. Ed. Standard Brasileira. v. 21. Rio de Janeiro: Imago, 1977.

. (1938). Esboço de psicanálise. In: Ed. Standard Brasileira. v. 23. Rio de Janeiro: Imago,

. (1939-[1934-1938]). O Moisés e o monoteísmo. In: Ed. Standard Brasileira. v. 23. Rio de

Janeiro: Imago, 1977.

GREEN, A. (1988). Pulsion, psyché, langage, pensée. In: Propédeutique. La métapsychologie

revisitée. Seyssel: Ed. Champ Vallon, 1995, p.71.

. (1990a). La folie privée. Paris: Gallimard.

. (1990b). Conferências Brasileiras de André Green. Rio de Janeiro: Imago.

. (1993). Le travail du négatif. Paris: Les Éditions de Minuit.

. (1995). La causalité psychique: entre nature et culture. Paris: Odile Jacobs.

. (2000). La diachronie en psychanalyse. Les Éditions de Minuit. Paris.

. (2007). Porquoi les pulsions de destruction ou de mort? Paris: Ed. Du Panamá.

. (2010). Illusions et désillusions du travail psychanalytique. Paris: Odile Jacob.

KAHN, L. (2005). Faire parler le destin. Paris: Klincksieck.

. (2007). A decomposição. In: Revista de Psicanálise da SPPA. v. 14, n. 1, 2007, p. 93-102.

MACHADO, R. (2004). A questão do masoquismo originário. In: Revista de Psicanálise da SPPA.

v. 11, n. 1, 2004, p. 51-66.

MORIN, E. (2008). 1968-2008: o mundo que eu vi e vivi. Conferência proferida no Ciclo Fronteiras

do Pensamento. Porto Alegre.

ROSEMBERG, B. (1989). Pulsion de mort et intrincation pulsionalle ou la pulsion de mort dans la

construction de l’objet et l’appareil psychique ou la pulsion de mort et la dimension masochique

de l’existence. In: Revue Française de Psychanalyse. t. 53. Paris: PUF, p. 558-576.

ROUANET, S. (2003). Psicanálise e cultura. Conferência proferida no Segundo Encontro Mundial

- Estados Gerais da Psicanálise: Rio de Janeiro.

O PLANETA dos macacos. Dirigido por Franklin J. Schaffner. Los Angeles: 20th Century Fox,

, 112 min. Filme de ficção científica baseado no romance de Pierre Boulle, “La planète des

singes”, 1963.

WINNICOTT, D. W. (1969). L’usage de l’objet et le mode de relation à l’objet au travers des

identifications. In: La crainte de l’effondrement et autres situations cliniques. Paris: Gallimard,

coll. “Connaissance de l’inconscient”, 2000.

. (1971). O brincar e a realidade. Rio de Janeiro: Imago, 1975.

. (1979). O ambiente e os processos de maturação. Porto Alegre: Artes Médicas, 1982.

. (1988). La nature humaine. Paris: Gallimard, 1990.

Publicado

07-11-2020

Como Citar

Falcão, L. (2020). O pulsional, a destrutividade e a cultura. Revista De Psicanálise Da SPPA, 18(3), 623–645. https://doi.org/10.5281/sppa revista.v18i3.712

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)