O papel da imaginação na construção de espaços de existir

Autores

  • Bruno Cardoso Lages PUC-Rio
  • Carlos Augusto Peixoto Junior PUC-Rio

Palavras-chave:

imaginação, clínica psicanalítica, espaço existencial

Resumo

Este artigo é uma investigação do conceito de imaginação de um ponto de vista psicanalítico. Propõe-se definir imaginação, na clínica, como o manejo conjunto de virtualidades na ampliação e/ou construção de espaços de existir. Para isso, articulam-se conceitos advindos da psicanálise e da filosofia. No campo psicanalítico, procura-se resgatar o conceito freudiano de construção (Freud, 1937), retirando-o de uma dimensão meramente metapsicológica e inseri-lo em um campo intersubjetivo. Para isso, serão essenciais as noções de autoplastia e aloplastia, como descritas por Sándor Ferenczi (Ferenczi, 1924). Recorre-se, ainda, às ideias de Donald Winniccott sobre a criatividade e o brincar para situar a imaginação como fenômeno intersubjetivo marcado por instabilidade e abertura. No campo filosófico, o conceito de imaginação proposto por Kant, sobretudo a imaginação produtiva, será usado como modelo para entendimento da imaginação na clínica psicanalítica. Ainda pela via filosófica, serão empregadas as ideias de Étienne Souriau, Gilles Deleuze, Félix Guattari e David Lapoujade acerca dos fenômenos ligados ao virtual e à multiplicidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Abram, J. (2007). The Language of Winnicott: A Dictionary of Winnicott’s Use of Words. London:

Routledge.

Aleksiévitch, S. (2016). Vozes de Tchernóbil: Crônica Do Futuro. São Paulo: Companhia das

Letras.

Artemidoro (2009). Sobre A Interpretação Dos Sonhos. Coleção Transmissão da Psicanálise. Rio

de Janeiro: Zahar.

Baudrillard, J. (1991). Simulacros e simulação. Lisboa: Relógio d´Agua.

Benjamin, W. (1996). Walter Benjamin: Selected Writings: volume 1: 1913-1926. Cambridge:

Belknap Press.

Binswanger, L. (2013). Sonho e Existência. Escritos Sobre Fenomenologia e Psicanálise. Rio de

Janeiro: Via Verita.

Caygill, H. (2000). Dicionário Kant. Rio de Janeiro: Zahar.

Deleuze, G. (2018). Diferença e repetição (4. ed.). São Paulo: Paz & Terra.

Deleuze, G. & Guattari, F. (2011a). O anti-Édipo (2 . ed.). São Paulo: Editora 34.

Deleuze, G. & Guattari, F. (2011b). Mil platôs: volume 1: Capitalismo e esquizofrenia 2 (2 ed.).

São Paulo: Editora 34.

Deleuze, G. & Guattari, F. (2012). Mil platôs: Volume 3 (2 . ed.). São Paulo: Editora 34.

Einstein, A. (2009). Einstein on Cosmic Religion and Other Opinions and Aphorisms. Mineola,

N.Y: Dover Publications.

Ferenczi, S. (1924). Thalassa: ensaio sobre a teoria da genitalidade. In Obras completas -

Psicanálise III. (2 . ed.). São Paulo: WMF Martins Fontes.

Ferenczi, S. (1955). Final Contributions to the Problems and Methods of Psycho-analysis.

London: Karnac.

Ferenczi, S. (2011a). Sonhos orientáveis. In Obras completas - Psicanálise I (2 . ed.), (pp. 179-

. São Paulo: WMF Martins Fontes.

Ferenczi, S. (2011b). A atenção durante o relato de sonhos. In Obras completas - Psicanálise III.

(2 . ed.), (pp. 197-198). São Paulo: WMF Martins Fontes.

Ferenczi, S. (2011c). Transferência e introjeção. In Obras completas - Psicanálise I (2. . ed.), (pp.

-108). São Paulo: WMF Martins Fontes.

Foucault, M. (2019). História da loucura (11. ed.) São Paulo: Perspectiva.

Freud, S. (1900). A interpretação dos sonhos. São Paulo: Editora Companhia das Letras.

Freud, S. (1911a). Formulações Sobre os Dois Princípios do Funcionamento Psíquico. In

Observações psicanalíticas sobre um caso de paranoia relatado em autobiografia: (“O caso

Schreber”), artigos sobre técnica e outros textos, (pp. 108-121). São Paulo: Companhia das

Letras.

Freud, S. (1911b). Observações psicanalíticas sobre um caso de paranoia relatado em

autobiografia (“O caso Schreber”), artigos sobre técnica e outros textos. São Paulo: Companhia

das Letras.

Freud, S. (1912). Recomendações ao Médico que Pratica a Psicanálise. In Observações

psicanalíticas sobre um caso de paranoia relatado em autobiografia (“O caso Schreber”),

artigos sobre técnica e outros textos, (pp. 147-162). São Paulo: Companhia das Letras.

Freud, S. (1924a). A perda da realidade na neurose e na psicose. In O Eu e o Id, “Autobiografia”

e outros textos, (pp. 214-221). São Paulo: Companhia das Letras.

Freud, S. (1924b). Neurose e Psicose. In O Eu e o Id, “Autobiografia” e outros textos, (pp. 176-

. São Paulo: Companhia das Letras.

Freud, S. (1937). Construções na Análise. In Moisés e o monoteísmo, Compêndio de psicanálise

e outros textos (1937-1939), (pp. 327-344). São Paulo: Companhia das Letras.

Freud, S. (1938). A Cisão do Eu no Processo de Defesa. In Moisés e o monoteísmo, Compêndio

de psicanálise e outros textos (1937-1939), (pp. 345-350). São Paulo: Companhia das Letras.

Freud, S. (1969). Lembranças Encobridoras. In Edição Standard Brasileira das Obras

Psicológicas Completas de Sigmund Freud Volume III: Primeiras Publicações Psicanalíticas

(1893-1899), (pp.327-354). Rio de Janeiro: Imago.

Freud, S. (2010). Um distúrbio de memória na Acrópole. In O mal-estar na civilização e outros

textos, (pp. 436-451). São Paulo: Companhia das Letras.

Freud, S. (2016). As pulsões e seus destinos. São Paulo: Autêntica.

Freud, S. (2021). Psicopatologia da vida cotidiana. In Psicopatologia da vida cotidiana e Sobre

os sonhos, (pp. 13-376). São Paulo: Companhia das Letras.

Gondar, J. (2014). Um paradoxo nos sofrimentos narcísicos. In De Édipo A Narciso: A Clínica E

Seus Dispositivos. Rio de Janeiro: Cia de Freud.

Gondar, J. (2017). O analista como testemunha. In: Reis, E. S.; Gondar, J. (Ed.). Com Ferenczi:

Clínica, Subjetivação, Política. Rio de Janeiro: 7 Letras.

Houaiss, A. (2001). Dicionário Houaiss Da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva.

Jameson, F. (1985). Pós-modernidade e sociedade de consumo. Novos estudos CEBRAP, 12, 16-

Kant, I. (2015). Crítica da razão pura (4 . ed.). Petrópolis: Editora Vozes.

Kant, I. (2016). Crítica da faculdade de julgar. Petrópolis: Editora Vozes.

Laplanche, J. & Pontalis, J. B. (1988). Fantasia Originária, Fantasias das Origens, Origens da

Fantasia. Rio de Janeiro: Zahar.

Lapoujade, D. (2017). As Existências Mínimas. São Paulo: N-1 Edições.

Lévy, P. (2011). O que é o virtual? (2 . ed.). São Paulo: Editora 34.

Pontalis, J. B. (2005). Entre o sonho e a dor. São Paulo: Ideias & Letras.

Rezende, P. D. (2020). Simulacro e repetição como contrainformação na era da sociedade de

controle. InterFACES, 30 (2), p. 103–119.

Souriau, É. (2021). Diferentes modos de existência. São Paulo: N-1 Edições.

Winnicott, D. W. (1975a). O Brincar e a Realidade. Rio de Janeiro: Imago.

Winnicott, D. W. (1975b). Aggression in relation to emotional development. In Through

Paediatrics to Psychoanalysis: Collected Papers. London: Routledge.

Winnicott, D. W. (2005). Playing: a theoretical statement (2. ed.). London: Routledge.

Winnicott, D. W. (2019a). O brincar e a realidade. São Paulo: Ubu Editora.

Winnicott, D. W. (2019b). A criatividade e suas origens. In O brincar e a realidade, (pp. 95-120).

São Paulo: Ubu Editora.

Zenith, R. (2022). Pessoa: uma biografia. São Paulo: Companhia das Letras.

Publicado

10-06-2024

Como Citar

Cardoso Lages, B., & Peixoto Junior, C. A. (2024). O papel da imaginação na construção de espaços de existir. Revista De Psicanálise Da SPPA, 31(2). Recuperado de https://revista.sppa.org.br/RPdaSPPA/article/view/1184