Acesso Livre Acesso Livre  Acesso restrito Acesso Restrito

Dor psíquica insuportável e campo analítico

Ruggero Levy

Resumo


Resumo

O trabalho estuda as vicissitudes da constituição do campo analítico na análise de adolescentes, abordando o quanto este se encontra estendido, ampliado, no início do tratamento, para posteriormente concentrar-se na dupla analítica. Discute-se também a técnica, alternando as intervenções entre o que é descrito como o trabalho no transicional e no interpretativo propriamente dito. Discute-se também a metaforização dos personagens do campo, inicialmente vividos em sua concretude.

Palavras-chave: campo analítico, análise de adolescentes, técnica interpretativa em análise de adolescentes.


Palavras-chave


campo analítico; análise de adolescentes; técnica interpretativa em análise de adolescentes

Texto completo:

PDF

Referências


Baranger, W. & M. (1969). La situación analítica como campo dinámico. In Problemas del campo psicoanalítico. Buenos Aires: Kargieman.

Bleger, J. (1968). Psicanálise do enquadramento analítico. In Simbiose e ambiguidade. Rio de Janeiro: Francisco Aves, 1985.

Bolognini, S. (2004). Um bar no deserto. Rev. Bras. Psicanál., 38 (2): 259-269.

Cassorla, M. S. R. (2010). Função-alfa implícita do analista, trauma e enactment na análise de pacientes borderlines. Livro Anual de Psicanálise, 24: 61-78.

Ferro, A. (1995). A técnica na psicanálise infantil. Rio de Janeiro: Imago.

Ferro, A. (1997). Na sala de análise. Rio de Janeiro: Imago, 1998.

Laplanche, J. (1992). Novos fundamentos para a psicanálise. São Paulo: Martim Fontes.

Levy, R. (2012). From symbolyzing to non-symbolyzing within the scope of a link: from dreams to shouts of terror caused by an absent presence. International Journal of Psychoanalysis, 93 (4): 837-862.

Levy, R. (2014). A polifonia da psicanálise contemporânea: as múltiplas linguagens do homem. Trabalho apresentado no evento Diálogos Psicanalíticos contemporâneos: o representável e o irrepresentável na vida psíquica, São Paulo, agosto de 2014.

Meltzer, D. (1967). O processo psicanalítico. Da criança ao adulto. Rio de Janeiro: Imago, 1971.

Richard, F. (2001). Le processus de subjectivation à l’adolescence. Paris: Dunod.

Winnicott, D. (1963). El desarrollo para la capacidad de inquietud. In El proceso de maduración en el niño. Estudios para una teoría del desarrollo emocional. Barcelona: Laia, 1979.

Winnicott, D. W. (1967). O papel de espelho da mãe e da família no desenvolvimento infantil. In O brincar e a realidade. Rio de Janeiro: Imago, 1975.




DOI: https://doi.org/10.5281/sppa%20revista.v23i3.260

Direitos autorais

Revista de Psicanálise da SPPA | Publicada desde 1993 (1988-93 com o nome de Arquivos de Psicanálise da SPPA)

Publicação Quadrimestral | ISSN 1413-4438 (versão impressa) | ISSNe 2674-919X (versão eletrônica) | Qualis: B2 Psicologia
 
INDEXADORAS:
LILACS | Biblioteca Virtual da Saúde (OPAS - BIREME)
CLASE | Citas Latinoamericanas en Ciencias Sociales y Humanidades (Universidad Nacional Autónoma de México - UNAM)
Scholar | Google Acadêmico

Sociedade Psicanalítica de Porto Alegre

Rua General Andrade Neves, 14/402 | 90010-210 | Porto Alegre, RS, Brasil | Fone +55 (51) 3224-3340 | WhatsApp (51) 9 8487-0158 | E-mail: revista@sppa.org.br