Dependência, elaboração, liberdade

Autores

  • Ingeborg Magda Bornholdt Sociedade Psicanalítica de Porto Alegre (SPPA)

Palavras-chave:

Dependência humana, Relação inicial mãe/bebê, Período puerperal, Mentes assimétricas, Simetrias para identificações, Transformação, Elaboração

Resumo

A autora aborda a elaboração da dependência em sua época inicial, a neonatal. Destaca o período das primeiras semanas após o nascimento como fundamental e fundante da incipiente mente do bebê. Neste tempo relativamente breve do período puerperal materno, ocorre um importante trabalho elaborativo entre as mentes assimétricas da mãe e do bebê. Em condições normais, de suficiente saúde constitucional e mental, a mãe entra em estado de preocupação materna primária, conforme descrita por Winnicott. São abordados os movimentos maternos de imersão no inconsciente primitivo do bebê, bem como o regresso à sua própria capacidade de funcionamento também secundário, para atribuir-lhe significado e transformação antes de devolvê-los ao bebê através de seu atendimento. Estes trabalhos de mergulhos maternos são igualmente de encontros da mãe com sua própria mãe interna. Há identificações e elaborações importantes para ambos os membros da dupla mãe/bebê. Através de identificações, contenções e transformações, desenvolvem-se as primeiras e rudimentares noções do dentro e fora, do self e do objeto, da exterioridade, da existência do terceiro e de certo grau do senso de continuar a ser. Mãe e bebê elaboram questões em importantes fluxos de identificações projetivas e introjetivas, sendo sujeito e objeto um para o outro. Vinculam-se profundamente e, aos poucos, se discriminam em duas unidades, incrementando sentimentos de maior liberdade do self e do objeto.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ingeborg Magda Bornholdt, Sociedade Psicanalítica de Porto Alegre (SPPA)

Psicanalista. Analista de criança e adolescente, membro efetivo e analista didata da Sociedade Psicanalítica de Porto Alegre (SPPA).

Referências

Alvarez, A. (1994). Companhia viva: psicoterapia psicanalítica com crianças autistas, borderline, desamparadas e que sofreram abuso. Porto Alegre: Artes Médicas.

Baranger, W., & Baranger, M. (2010). A situação analítica como campo dinâmico. Livro Anual de Psicanálise, 24, 187-214.

Bick, E. (1991). A experiência da pele em relação de objeto arcaicos. In E.B. Spillius (Ed.). Melanie Klein hoje (Vol. 1, pp. 194-198). Rio de Janeiro: Imago. (Original publicado em 1967)

Bion, W.R. (1988). Uma teoria sobre o processo do pensar. In Estudos psicanalíticos revisados Second thoughts (pp. 101-109). Rio de Janeiro: Imago. (Original publicado em 1962a)

Bion, W.R. (2006). Atenção e interpretação. Rio de Janeiro: Imago. (Original publicado em 1966)

Bion, W.R. (2015). Aprendiendo de la experiência. Buenos Aires: Paidós. (Original publicado em 1962b)

Bornholdt, I.M. (2001). Construções da temporalidade no desenolvimento normal: sobre a difícil construção da noção de futuro. Porto Alegre: Sociedade Psicanalítica de Porto Alegre (SPPA). Monografia.

Bornholdt, I.M. & Pires, A.P., & Wolf, A.L.S. (2018, setembro). Passos, Compassos e (des)compassos: relato de duas experiências na observação de bebês. In Congreso Latinoamericano de Psicoanálisis – Fepal, Lima, Peru, 32. Apresentado na Sociedade Psicanalítica de Porto Alegre (SPPA).

Ferenczi, S. (1993). Thalassa ensaio sobre a teoria da genitalidade. In Psicanálise III (pp. 255-326). São Paulo: Martins Fontes. (Original publicado em 1926)

Freud, S. (1976). Inibições, Sintomas e Angústia. In Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud, (Vol. 20). Rio de Janeiro: Imago. (Original publicado em 1926[1925])

Freud, S. (1976). O eu e o id. In Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud, (Vol. 19, pp.13-83). Rio de Janeiro: Imago. (Original publicado em 1923)

Freud, S. (1996). O mal-estar na civilização In Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud, (Vol. 21). Rio de Janeiro: Imago. (Original publicado em 1930[1929])

Freud,. S. (1996). Totem e tabu e outros trabalhos. In Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud, (Vol. 13). Rio de Janeiro: Imago. (Original publicado em 1913)

Hartung, T. & Steinbrecher, M. (2018). From somatic pain to psychic pain: The body in the psychoanalytic field. International Journal of Psychoanalysis, 99, 159-180.

Kancyper, L. (2004). El burrito cargueiro: el complejo fraterno em el processo analítico com adolescentes. In El complejo fraterno:estúdio psicoanalítico, (pp.173-206). Buenos Aires: Lumen.

Meltzer, D. & Willimas, M.H. (1994). Conflito estético seu lugar no processo de desenvolvimento. In A apreensão do belo: o papel do conflito estético no desenvolvimento, na violência e nas artes (pp. 26-57). Rio de Janeiro: Imago.

Meltzer, D. (1975). Explorations in autism: a psycho-analytical study. London: Clunie Press.

Meltzer, D. (1987). Vida onírica: una revisión de la teoria y de la técnica psicoanalítica. Madrid: Tecnipublicaciones.

Meltzer, D. (1990). Qué es una experiência emocional? In Metapsicología ampliada: aplicaciones clínicas de las ideas de Bion, (pp. 16-30). Buenos Aires: Spatia.

Winnicott, D. W. (1971). O brincar e a realidade. Rio de Janeiro: Imago, 1975.

Winnicott, D. W. (1978). Textos selecionados: da pediatria à psicanálise. Rio de Janeiro: Francisco Alves. (Original publicado em 1953[1951])

Winnicott, D.W. (1982). O ambiente e os processos de maturação: estudos sobre a teoria do desenvolvimento emocional (I. C. S. Ortiz, Trans.). Porto Alegre: Artmed. (Original publicado em 1965)

Winnicott, D. W. (1988). Natureza humana. Rio de Janeiro: Imago, 1990.

Publicado

2021-12-04

Como Citar

Bornholdt, I. M. (2021). Dependência, elaboração, liberdade. Revista De Psicanálise Da SPPA, 28(3), 653–667. Recuperado de https://revista.sppa.org.br/RPdaSPPA/article/view/bornholdt