As origens do inconsciente: arcabouços da mente futura

Autores

  • Arnaldo Chuster Associação Psicanalítica do Estado do Rio de Janeiro (Rio‑4).

DOI:

https://doi.org/10.5281/sppa%20revista.v14i2.786

Palavras-chave:

Bion, Pré-concepção, Inconsciente, Teoria do pensar, Objeto psicanalítico, Função alfa, Aplicação de mitos

Resumo

O trabalho é um ensaio sobre a metodologia analítica na investigação de estados mentais mais primitivos, principalmente à luz das idéias de Freud e W. R. Bion. O ponto de partida é a investigação da diferença entre as origens das coisas que estão no inconsciente e as origens do inconsciente em si mesmo, através da tentativa de compreensão dos movimentos psíquicos respectivos, descritos como de expansão e repetição. Ressalta-se a questão de um estado mental inacessível relacionado ao primeiro movimento e sua implicação em uma mudança de paradigma na compreensão psicanalítica, pois propõe um inconsciente que vai além do inconsciente freudiano. Utilizando a mesma metodologia de Freud em Totem e tabu, o autor cria uma ficção na qual coloca as principais idéias que considera relevantes ao tema. O objeto psicanalítico, o campo das funções psíquicas, a pré-concepção edípica são elementos teóricos articulados pela linguagem da ficção, que contribui para manter a perspectiva do pensar no inacessível em primeiro plano. O autor ilustra as idéias com trechos de relatos clínicos e discute o uso de sua metodologia, que agrega também questões relativas à diferença do uso da fantasia e da imaginação, ressaltando a imaginação criativa, sua origem no que denomina de imaginação radical e as relações da idéia de expansão do inconsciente com a intuição analítica e os diversos ritmos interpretativos do trabalho analítico (AU)

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Arnaldo Chuster, Associação Psicanalítica do Estado do Rio de Janeiro (Rio‑4).

Psicanalista, membro efetivo e didata da Associação Psicanalítica do Estado do Rio de Janeiro (Rio‑4).

Referências

BION, W. (1960). A theory of thinking. In: . Second thoughts. London: Heinemann, 1967, p. 110-119.

. (1962). Learning from experience. London: Heinemann.

. (1963). Elements of psychoanalysis. London: Heinemann.

. (1965). Transformations: change from learning to growth. London: Heinemann.

. (1970). Attention and interpretation. London: Tavistock.

. (1973) Bion’s Brazilian lectures. Imago: Rio de Janeiro.

. (1976). Sobre uma citação de Freud. Revista de Psicanálise da SPPA. v. 7, n. 2, p. 291-296.

. (1977). Cesura. Revista Brasileira de Psicanálise. v. 15, n. 2, p. 123-136.

. (1979a). Making the best of a bad job. In: . Clinical Seminars in Brasília and São Paulo and four papers. Oxon: Fleetwood, 1987, p. 247-257.

. (1979b). A memoir of the future, book 3: the dawn of oblivion. Rio de Janeiro: Imago.

(1981). A key to A memoir of the future. Perthshire: Clunie.

. (1987). Clinical Seminars: Brasília and São Paulo and four papers. Oxon: Fleetwood.

. (1997). Taming wild thoughts. London: Karnac.

CASTORIADIS, C. (1997). As encruzilhadas do labirinto. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

CHUSTER, A. (1989). Um resgate da originalidade. Rio de Janeiro: Degrau.

. (1996). Diálogos psicanalíticos sobre W. R. Bion. Rio de Janeiro: Tipo e Grafia.

. (1998). Bion cria de fato uma nova psicanálise? Revista de Psicanálise da SPPA. v. 5, n. 3, p. 311-337.

. (org.). (1999). W. R. Bion: novas leituras. v. 1. Rio de Janeiro: Companhia de Freud.

. (2002). An oedipal grid. Paper presented at the International Conference on the work of W. R. Bion, Los Angeles, fev. 2002.

. (org.). (2003). W. R. Bion: novas leituras. v. 2. Rio de Janeiro: Companhia de Freud.

. (2004). Os princípios ético-estéticos de observação. Trabalho apresentado na Conferência Internacional sobre a Obra de Bion em São Paulo, São Paulo, jul. 2004.

. (2005a). A brief survey in the difference between fantasy and imagination in the light of Bion’s ideas. Paper presented to Minnesota Institute of Psychoanalysis, Minneapolis, fev. 2005.

. (2005b). Interpretações analíticas e princípios ético-estéticos de observação. Trabalho apresentado no 44º Congresso da Associação Psicanalítica Internacional, Rio de janeiro, jul. 2005.

CHUSTER, A; TRACHTENBERG, R. (2004). Inveja. Trabalho apresentado na Conferência Internacional sobre a Obra de Bion em São Paulo, São Paulo, jul. 2004.

FREUD, S. (1900). Interpretação dos sonhos. In: Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud. v. 4-5. Rio de Janeiro: Imago, 1972.

. (1917). Conferências introdutórias sobre psicanálise: conferência 23: os caminhos da formação dos sintomas. In: Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud. v.16. Rio de Janeiro: Imago, 1976.

. (1926) Inibição, sintoma e angústia. In: Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud. v. 20. Rio de Janeiro: Imago, 1996, p. 95-201.

IMBASCIATI, A. (2001). The unconscious as symbolopoiesis. Psychoanalytic Review. v. 88, n. 6, p. 837-873.

LAPLANCHE, J.; PONTALIS, J-B. (1967). Vocabulário da psicanálise. São Paulo: Martins Fontes.

. (1983). Vocabulário da psicanálise. São Paulo: Martins Fontes.

MELTZER, D. (1997a). Meltzer in São Paulo. São Paulo: Casa do Psicólogo.

. (1997b). Sincerity and other works: collected papers of Donald Meltzer. London: Karnac.

. (2004). A relação da psicanálise com as ciências e áreas afins. Revista de Psicanálise da SPPA. v. 11, n. 3, p. 437-448.

WALDROP, M. (1992). Complexity. New York: Simon and Schuster.

ZELENY, M. (org.). (1981). Autopoiesis: a theory of living organization. New York: North Holland.

Publicado

27-03-2021

Como Citar

Chuster, A. (2021). As origens do inconsciente: arcabouços da mente futura. Revista De Psicanálise Da SPPA, 14(2). https://doi.org/10.5281/sppa revista.v14i2.786

Edição

Seção

Artigos