Psicanálise e história: um olhar sobre a desigualdade no Brasil

Autores

  • Bárbara de Souza Conte Sigmund Freud Associação Psicanalítica

Palavras-chave:

Psicanálise, Intervenções, Grupos, Desigualdade, Ética

Resumo

O trabalho aborda a experiência desenvolvida há 9 anos na Sigmund Freud Associação Psicanalítica, denominada SIG Intervenções Psicanalíticas, que promove intervenções clínico-políticas nos locais onde pessoas em sofrimento solicitam escuta. Os grupos de escuta e de testemunho constituem modalidades grupais do trabalho, agindo junto a sujeitos que sofrem violência com efeitos traumáticos e que vivem em situações de exclusão e vulnerabilidade. Tais grupos oferecem espaços de fala, onde a circulação da palavra transforma o sofrimento individualizado em coletivo, assim como o encontro com o outro promove a ressignificação da experiência e reinscrição social. Discute a maneira através da qual os mecanismos de silenciamento e desmentido que mantem o não dito levam à repetição que obstaculiza a ação ética e a mudança. O racismo é discutido como pano de fundo da desigualdade no Brasil e como fator determinante para a reprodução de políticas de violência de Estado (AU)

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bárbara de Souza Conte, Sigmund Freud Associação Psicanalítica

Psicanalista. Doutora em Psicologia pela Universidade Autônoma de Madri. Membro pleno da Sigmund Freud Associação Psicanalítica. Coordenadora do SIG Intervenções Psicanalíticas.

Referências

Filhos é um documentário realizado por Maria Oliveira e Marta Nehring

Índice de Vulnerabilidade Juvenil à Violência 2015

Anuário Brasileiro de Segurança Pública

Almeida, S. L. (2018). Estado e direito: a construção da raça. In M. L. Silva; M. Farias; M. C. Ocariz; A. Stiel Neto (Orgs.), Violência e sociedade. O racismo como estruturante da sociedade e da subjetividade do povo brasileiro (pp. 81-96). São Paulo: Escuta.

Bleichmar, S. (2015). Do motivo de consulta à razão de análise e outros ensaios psicanalíticos1. São Paulo: Zagodoni.

Brecht, B. (2017). Conversas de refugiados. São Paulo: Editora 34.

Butler, J. (2018). Corpos em aliança e a política das ruas. Rio de janeiro: Civilização Brasileira.

Conte, B. (2014). A clínica do testemunho. A experiência de reparação psíquica. SIG Revista de Psicanálise, 4 (1): 69-83.

Conte, B., Perrone, C. & Braga, E. (2016). Psicanálise e Intervenção no Social. In Intervenções psicanalíticas: a trama social (pp.14-27). Porto Alegre: Criação Humana.

Ferenczi, S. (1932). Confusão de língua entre os adultos e a criança. In Obras completas. Psicanálise IV. São Paulo: Marins Fontes,1992.

Ferenczi, S. (1934) Reflexões sobre o trauma. In Obras completas. Psicanálise IV. São Paulo: Marins Fontes. 1992.

Freud, S. (1919). Más allá del principio de placer. In Sigmund Freud. Obras completas. (vol.18, pp.1–68). Buenos Aires: Amorrortu.1990.

Freud, S. (1936). Um distúrbio de memória na Acrópole. In Sigmund Freud. Obras completas (vol. 22, pp. 209-222). Buenos Aires: Amorrortu.1990.

Freud, S. (1940 [1937]). La escisión del yo en el proceso defensivo. In Sigmund Freud. Obras completas. (vol. 23, pp. 271-278). Buenos Aires: Amorrortu.1990.

Gagnebin, J. M. (1999). História e narração em Walter Benjamin. São Paulo: Perspectiva. 2011.

Lacan, J. (1993). Os quatro conceitos fundamentais da psicanálise. In O seminário. Livro 11 (pp.55-65). Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor.

Laplanche, J. (1989). Nuevos fundamentos para el psicoanálisis. La seducción originaria. Buenos Aires: Amorrortu.

Lopes, M. C. (2007). Inclusão escolar: currículo, diferença e identidade. In Lopes, M. C.; Dal'Lgna, M. C. (Org.). In/exclusão: nas tramas da escola (p.11-33). Canoas: Ed. ULBRA.

Todorov, T. (1993). Memorias do mal, tentação do bem. São Paulo: Arx, 2002.

Downloads

Publicado

2020-02-20

Como Citar

Conte, B. de S. (2020). Psicanálise e história: um olhar sobre a desigualdade no Brasil. Revista De Psicanálise Da SPPA, 26(3), 473–483. Recuperado de https://revista.sppa.org.br/RPdaSPPA/article/view/466