Editorial

Autores

  • Lúcia Thaler Sociedade Psicanalítica de Porto Alegre (SPPA)

Resumo

Caro leitor,

Antes de apresentar este novo número, peço licença para uma breve introdução e alguns agradecimentos. Desde maio, estou ocupando a função de editora de nossa Revista de Psicanálise, encargo que muito me honra e pelo qual sinto profundo orgulho. Agradeço a toda Diretoria da SPPA, representada por sua presidente Anette Blaya Luz, pelo aval e confiança. Sou também muito grata a Tula Bisol Brum, que me convidou para substituí-la, tendo sido um modelo enquanto coordenadora comprometida, competente e democrática. Da mesma forma, quero agradecer a Zelig Libermann pelo estímulo para aceitar este desafio e que, assim como a Tula, foi editor e é um parceiro a quem sempre posso recorrer para a troca de alguma experiência ou algum aconselhamento. Comecei a trabalhar como membro da equipe da Revista há muitos anos, a convite de José Carlos Calich, a quem devo o privilégio por uma gratificante trajetória, que continuou ao longo dos anos, conduzida também pelos editores César Luis de Souza Brito e Anette Blaya Luz. Atualmente, conto com a parceria e o trabalho incansável das editoras associadas e dos membros do conselho editorial, sem os quais não seria possível cumprir nossa exaustiva agenda de atividades. Compõem nosso grupo: Denise do Prado Bystronski, editora de redação; Rosane Schermann Poziomczyk, editora executiva; Suzana Iankilevich Golbert, editora de eventos e entrevistas; bem como Cristiano Freitas Frank, Karem Cainelli, Kátia Ramil Magalhães, Renato Moraes Lucas e Vânia Elizabete Dalcin, membros do Conselho.

Preciso também salientar o competente trabalho da secretária da Revista, Karine Diniz Herte, e também de Greison Jacobi, que substitui a ela quando necessário, bem como a criteriosa revisão de português elaborada por nossa colaboradora Clotilde Favalli.

Como equipe editorial, sabemos o quanto uma revista de psicanálise reflete o valor e a consistência da sociedade psicanalítica a que pertence. Também por isso temos consciência da importância e responsabilidade de nossa tarefa. A Revistade Psicanálise da SPPA adquiriu, ao longo de seus vinte e dois anos de existência, reconhecimento de alcance nacional e inclusive internacional, apesar dos limites inerentes ao fato de ser publicada apenas em português. Não só convidamos psicanalistas de outras latitudes para essa troca científica, como muitos destes solicitam espontaneamente a publicação de seus artigos em nosso periódico, o que demonstra sua dimensão e alcance. Esperamos dar continuidade ao padrão de excelência científica de nossa Revista, publicando artigos com uma visão atual, ética, pluralista e profunda da psicanálise.

Este número especial – Casos de Freud revisitados – é um convite para a releitura sempre instigante dos escritos de Freud. Fazê-lo a partir de seus casos mais famosos é ainda mais estimulante, não só por permitir-nos discutir a clínica psicanalítica, mas pela possibilidade de multiplicar os vértices de compreensão, dispondo agora de uma bagagem de conhecimentos que se alarga há mais de cem anos. Para isso, contamos com o olhar de autores de diversas origens e com distintos referenciais teóricos, o que também nos parece enriquecedor.

Os artigos seguem a ordem cronológica de publicação dos casos por Freude são apresentadas duas visões de cada um deles. Começamos pelo caso Dora, sob a perspectiva de Giuseppe Civitarese. Ele salienta a atualidade do caso e a possibilidade de encontrar nas entrelinhas o que considera pré-concepções de futuros desenvolvimentos na psicanálise. A seguir, Luiz Carlos Mabilde discute questões de sigilo, da teoria e da técnica, questionando-se a respeito da origem sexual da hostilidade e dos sintomas em Dora, e salientando a descoberta da transferência como instrumento terapêutico.

Continuamos com o pequeno Hans, pelos olhares de Ingeborg Bornholdt e de Leilane Gabriela de Souza Bonfim e Rogério da Silva Paes Henriques. A primeira costura hipóteses e entendimentos desse que foi o primeiro caso de psicanálise de crianças, utilizando-se do relato feito por Freud e de entrevista que o próprio paciente concedeu quando já adulto e consagrado diretor de óperas. O segundo artigo estuda teoricamente o caso, trabalhando temas como ansiedade e angústia e compreendendo o sintoma fóbico de Hans como o caminho possível encontrado por ele para inserir-se na ordem simbólica.

Passamos ao homem dos ratos, caso discutido por Jacques André e que, segundo ele, inaugura os estudos de Freud sobre a neurose obsessiva, esta neurose infernal. Também salienta a atualidade e riqueza permanentes da escrita freudiana. Seguimos com a perspectiva de Maria Elisabeth Cimenti, que elabora suas compreensões sobre a neurose obsessiva a partir do referencial lacaniano e busca relacionar os conceitos estudados ao caso em questão.

Prosseguindo, Ignácio A. Paim Filho e Viviane Sprinz Mondrzak discorrem sobre o caso do homem dos lobos. O primeiro aborda questões metapsicológicasdo caso, tais como memória, construções, reconstruções, cena primária, inconsciente recalcado e não recalcado. Mondrzak, como o próprio título de seu artigo revela, busca fazer um exercício de livre pensar sobre o relato do caso. Destaca questões de técnica e do conflito Freud-Jung para debater sobre movimentos que caracterizam o desenvolvimento do pensamento psicanalítico.

Em continuação, oferecemos a leitura de dois artigos fora dessa temática. No primeiro deles, Camila Junqueira discute teoricamente o conceito de enactment e, através de um caso clínico, busca ilustrar a presença desse fenômeno e suas consequências no setting analítico. No outro artigo, Bárbara Taveira Fleury Curado e Eliana Rigotto Lazzarini, respaldando-se no estudo da estética do desejo, procuram mostrar como a literatura pode exercer uma função analítica, auxiliando o sujeito no encontro de sua verdade.

Por fim, apresentamos a seção especial do XVI Simpósio do Núcleo de Infância e Adolescência da SPPA – Novos dilemas em psicanálise de infância e adolescência, que aconteceu de 22 a 24 de maio de 2014. Publicamos dois textos do simpósio. No primeiro deles, Letícia Glocer Fiorini questiona se a função paterna constitui elemento essencial para que criança possa se separar de sua mãe e ter garantida sua inserção no universo simbólico. No segundo, Rafael Cavalheiro, apoiado na teoria bioniana e nos desenvolvimentos de Korbivcher, discute – em artigo que recebeu o prêmio Zaira de Bittencourt Martins – a possibilidade de expansão das transformações autísticas em pacientes não neuróticos. Encerramos com a entrevista que Letícia Fiorini concedeu ao Conselho Editorial por ocasião desse simpósio.

Desejamos a todos uma boa leitura!

Lúcia Thaler

Editora da Revista de Psicanálise da SPPA

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lúcia Thaler, Sociedade Psicanalítica de Porto Alegre (SPPA)

Membro da Sociedade Psicanalítica de Porto Alegre (SPPA)

Downloads

Publicado

2015-08-28

Como Citar

Thaler, L. (2015). Editorial. Revista De Psicanálise Da SPPA, 22(2), 297–299. Recuperado de https://revista.sppa.org.br/RPdaSPPA/article/view/193