Viver à intempérie: a vida em transitoriedades

Autores

  • Rafael Werner Lopes Centro de Estudos Psicanalíticos de Porto Alegre (CEPdePA)
  • Keylla Tempel Jung Estudos Integrados de Psicoterapia Psicanalítica (ESIPP)

Palavras-chave:

Tempo, Finitude, Crise, Transitoriedade

Resumo

O presente texto propõe uma reflexão que parte da compreensão freudiana sobre a transitoriedade e se amplia nos referenciais da antropologia filosófica contemporânea. Toma de empréstimo, do pensamento de Martin Buber, as noções de de “mansão cósmica” e a experiência da intempérie para apresentar os postulados que teriam precipitado o ser humano numa crise sobre si mesmo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rafael Werner Lopes, Centro de Estudos Psicanalíticos de Porto Alegre (CEPdePA)

Doutor em filosofia, membro do Centro de Estudos Psicanalíticos de Porto Alegre (CEPdePA).

Keylla Tempel Jung, Estudos Integrados de Psicoterapia Psicanalítica (ESIPP)

Graduada em psicologia, especialista em psicoterapia psicanalítica pelo Estudos Integrados de Psicoterapia Psicanalítica (ESIPP), especialista em supervisão clínica pelo ESIPP, graduada em filosofia.

Referências

Adorno, T. (2009). Dialética negativa. Rio de Janeiro: Zahar.

Adorno, T.; & Horkheimer, M. (1985). Dialética do esclarecimento. Rio de Janeiro: Zahar. (Original publicado em 1947)

Agamben, G. (2009). O que é o contemporâneo? E outros ensaios. Chapecó: Argos, 2013.

Agostinho de Hipona. (c2001). Diálogo sobre o Livre Arbítrio. Lisboa: Imprensa Nacional Casa da Moeda.

Agostinho de Hipona. (c2004). Confissões. Lisboa: Imprensa Nacional Casa da Moeda.

Aristóteles. (c1998). Política. Lisboa: Veja.

Aristóteles. (c2006). De anima. São Paulo: Ed. 34.

Buber, M. (1940). Qué es el hombre? México: FCE, 1949.

Buber, M. (2017). Das problem des Menschen. In Werkausgabe. Bd. 12. Schriften zu Philsophie und Religion. (pp. 221-312). München: Gütersloher Verlaghaus. (Original publicado em 1943)

Freud, S. (1974). Sobre a transitoriedade. In Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud, (Vol. 14, pp. 345-348). Rio de janeiro: Imago. (Original publicado em 1916)

Gagnebin, J.M. (1999). História e narração em Walter Benjamin. São Paulo: Perspectiva.

Hegel, G.W.F. (c2001). A razão na história. Uma introdução geral à filosofia da história. São Paulo: Centauro.

Kant, I. (2001). Crítica da razão pura. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian. (Original publicado em 1781)

Kundera, M. (2011). A lentidão. São Paulo: Companhia das Letras. (Original publicado em 1995)

Marx, K.; & Engels, F. (2007). A ideologia alemã. Crítica da mais recente filosofia alemã em seus representantes Feuerbach, B. Bauer e Stirner, e do socialismo alemão em seus diferentes profetas. São Paulo: Boitempo. (Original publicado em 1845-1846)

Nietzsche, F. (1998). Genealogia da moral. Uma polêmica. São Paulo: Companhia das Letras. (Original publicado em 1887)

Pandolfo, A.C. (2019). Traduzir a crítica à ontologia: transitoriedade, transcriação e história natural. Revista Linguagem & Ensino. Pelotas, 22(2), 461-473.

Platão. (c1991). Diálogos. Coleção os pensadores. São Paulo: Nova Cultural.

Publicado

2022-04-07

Como Citar

Werner Lopes, R., & Tempel Jung, K. (2022). Viver à intempérie: a vida em transitoriedades. Revista De Psicanálise Da SPPA, 29(1), 1–11. Recuperado de https://revista.sppa.org.br/RPdaSPPA/article/view/1015