Acesso Livre Acesso Livre  Acesso restrito Acesso Restrito

A experiência de mutualidade no processo terapêutico de uma dupla mãe-bebê

Milena da Rosa Silva, Paula Gruman Martins, Renata Lisbôa

Resumo


Neste artigo, as autoras discutem o processo terapêutico de uma dupla mãe-bebê marcada por desencontros e descompassos em sua relação e comunicação. A partir de um caso, buscam discutir a comunicação silenciosa e não-verbal, as identificações cruzadas entre mãe e bebê e, principalmente, a experiência de mutualidade e sua importância na constituição do self do bebê. No processo terapêutico em questão, acreditam que foi possível à dupla encontrar uma sintonia e passar a desfrutar de uma relação de trocas mútuas pela colocação, no setting, do tema da dependência. As autoras discutem, a partir da perspectiva winnicottiana e da leitura de psicanalistas que se dedicam à clínica com bebês, as dinâmicas da dupla e os movimentos no setting que permitiram a construção da experiência de mutualidade.

Palavras-chave


mutualidade; clínica psicanalítica pais-bebê; comunicação; dependência

Texto completo:

PDF

Referências


Abram, J. (2000). A linguagem de Winnicott. Rio de Janeiro: Revinter.

Boukobza, C. (2002). O desamparo parental perante a chegada do bebê. In L. M. F. Bernardino, & C. Robenkohl (Orgs.). O bebê e a modernidade: abordagens teórico-clínicas. São Paulo: Casa do Psicólogo, pp. 15-25.

Costa, I. T., & Leone, C. R. (2009). Influência do crescimento intrauterino restrito sobre a evolução nutricional e crescimento de recém-nascidos pré-termo até a alta hospitalar. Revista Paulista de Pediatria, 27(1), 15-20. Recuperado de http://www.scielo.br/scielo.

php?script=sci_arttext&pid=S0103-05822009000100003&lng=en&tlng=pt. 10.1590/S0103-05822009000100003.

Dias, E. O. A. (2011). Da interpretação ao manejo. In R. Reis (Org.). O pensamento de Winnicott: a clínica e a técnica. São Paulo: D.W. Editorial.

Ferrari, A., Silva, M. & Cardoso, J. (2013). Projeto de pesquisa: O impacto da metodologia IRDI na prevenção de risco psíquico em crianças que frequentam creche no seu primeiro ano e meio de vida. Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Figueiredo, L. C. (2012). As diversas faces do cuidar: novos ensaios de psicanálise contemporânea. São Paulo: Escuta.

Golse, B. (2001). Préface. In S. Lebovici, Le bebé, le psychanalyste et la métaphore. Paris: Odile Jacob, 2002.

Golse, B. (2003). Préface. In S. Missonnier. La consultation thérapeutique périnatale – Un psychologue à la maternité. Toulouse: Érès.

Golse, B. (2008). Las psicoterápias conjuntas padre-madre-(padres)-bebé: ¿ conquista o viaje a la deriva? Revista Colombiana de Psiquiatría, 31 (1): 63-77.

Guerra, V. (2013). Palavra, ritmo e jogo: fios que dançam no processo de simbolização. Revista de Psicanálise (SPPA). 20 (3): 575-582.

Kupfer, M. C. M. et al. (2010). Valor preditivo de indicadores clínicos de risco para o desenvolvimento infantil: um estudo a partir da teoria psicanalítica. Revista Latino-americana de Psicopatologia Fundamental (São Paulo), 13 (1): 31-52.

Recuperado de:

&lng=en&nrm=iso>.

Lebovici, S. (2002). Le bebé, le psychanalyste et la métaphore. Paris: Odile Jacob.

Lescovar, G. Z. (2004). As consultas terapêuticas e a psicanálise de D. W. Winnicott. Revista Estudos em Psicologia. 21, (2), 43-61.

Loparic, Z. (2000). O “animal humano”. Natureza humana. 2(2), 351-397.

Missonnier, S. (2003). La consultation thérapeutique périnatale – Un psychologue à la maternité. Toulouse: Érès.

Norman, J. (2003). O psicanalista e o bebê: uma nova visão do trabalho com os bebês. Livro Anual de Psicanálise. XVII. 267-283.

Vilete, E. (2013a). O psicanalista: um artista em seu trabalho? In E. Vilete, Sobre a arte da psicanálise. São Paulo: Ideias & Letras.

Vilete, E. (2013b). Comunicação no setting: do silêncio à interpretação. In E. Vilete, Sobre a arte da psicanálise. São Paulo: Ideias & Letras.

Watillon, A. (1993). La dinámica de las terápias psicoanalíticas de las relaciones paterno-filiales tempranas. Libro Anual de Psicoanálisis IX, 253-263. São Paulo: Escuta.

Winnicott, D. W. (1956). A preocupação materna primária. In Da pediatria à psicanálise. Rio de Janeiro: Imago, 2000.

Winnicott, D. W. (1958). O primeiro ano de vida. In A família e o desenvolvimento individual. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

Winnicott, D. W. (1960). A teoria do relacionamento paterno-infantil. In O ambiente e os processos de maturação. Porto Alegre: Artmed, 1983.

Winnicott, D. W. (1963a). O medo do colapso. In Explorações psicanalíticas. Porto Alegre: Artmed, 1994.

Winnicott, D. W. (1963b). Comunicação e falta de comunicação levando ao estudo de certos opostos. In O ambiente e os processos de maturação. Porto Alegre: Artmed, 1983.

Winnicott, D. W. (1965[1962]). A criança de cinco anos. In A família e o desenvolvimento individual. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

Winnicott, D. W. (1968). A comunicação entre o bebê e a mãe e entre a mãe e o bebê: convergências e divergências. In Os bebês e suas mães. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

Winnicott, D. W. (1969). A experiência mãe-bebê de mutualidade. In Explorações psicanalíticas. Porto Alegre: Artmed, 1994.

Winnicott, D. W. (1971). Introdução. In Consultas terapêuticas em psiquiatria infantil. Rio de Janeiro: Imago, 1984.

Winnicott, D.W. (1990). Natureza humana. Rio de Janeiro: Imago.




DOI: https://doi.org/10.5281/sppa%20revista.v24i2.218

Direitos autorais

Revista de Psicanálise da SPPA | Publicada desde 1993 (1988-93 com o nome de Arquivos de Psicanálise da SPPA)

Publicação Quadrimestral | ISSN 1413-4438 (versão impressa) | ISSNe 2674-919X (versão eletrônica) | Qualis: B2 Psicologia
 
INDEXADORAS:
LILACS | Biblioteca Virtual da Saúde (OPAS - BIREME)
CLASE | Citas Latinoamericanas en Ciencias Sociales y Humanidades (Universidad Nacional Autónoma de México - UNAM)
Scholar | Google Acadêmico

Sociedade Psicanalítica de Porto Alegre

Rua General Andrade Neves, 14/402 | 90010-210 | Porto Alegre, RS, Brasil | Fone +55 (51) 3224-3340 | WhatsApp (51) 9 8487-0158 | E-mail: revista@sppa.org.br