Editorial

Autores

  • Renato Moraes Lucas Sociedade Psicanalítica de Porto Alegre (SPPA)

Palavras-chave:

Editorial, Disrupções, Mal-estar na civilização, Pandemia, Covid-19, Psicanálise

Resumo

Prezado(a) Leitor(a),
Temos a satisfação de apresentar esse número da Revista de Psicanálise da SPPA, que inaugura o ano temático O novo mal-estar da civilização e será completado pelos números Repercussões na técnica e Elaborações, em breve publicados. O fluxo contínuo de publicações, adotado por nosso periódico, permitiu que os artigos fossem disponibilizados de forma on-line tão logo ficassem prontos. Dessa forma, ao longo do ano antecipadamente temos ofertado ao leitor os trabalhos que virão a compor os três números. Em O mal-estar da civilização (1929), Freud ressalta que, conjuntamente à supremacia da natureza e à caducidade de nosso corpo, a insuficiência de nossos métodos para regular as relações humanas em família, no Estado e na sociedade determinam o contínuo, e talvez inalcançável, trabalho do homem para ser feliz.

Acima de tudo, ele interroga o quanto de nossa natureza psíquica encontra-se infiltrada nas instituições sociais, influenciando na sua estruturação. Freud não se furtou ao trabalho de tentar integrar os recursos científicos e fazer trabalhar a teoria psicanalítica no auxílio às incertezas, medos e perplexidades frente às transformações sociais e psíquicas nas quais a humanidade constitui agente tanto ativo quanto passivo.

O mundo contemporâneo brinda-nos com avanços tecnológicos surpreendentes e, em contraste, com retrocessos sociais e relacionais igualmente impactantes. Nunca dispomos de tantos recursos científicos para a abordagem de problemas em qualquer área do habitar humano, ao passo que os mecanismos de cisão são reinantes. Eles nutrem o fanatismo nas mais variadas instâncias do viver relacional, tendo a violência como regra.

Parece existir uma robusta perda de referenciais em uma parcela considerável do socius, enquanto outra, vencida a desmentida, assiste atônita às notícias dos sintomas: ideologias primitivas e duras que se reforçam; ação desenfreada do homem levando à crescente e assustadora mudança climática; migrações em massa; intensificação do racismo e da misoginia; a aceleração da vida; a maximização de recursos e processos virtuais, etc. Além de precisarmos nos perguntar para onde caminhamos, teríamos que saber o que motiva esta perigosa caminhada. São ameaças reais, mas, ao serem descartáveis e substituíveis, parecem ser apenas fruto de um corriqueiro excesso. Percebe-se uma insegurança constante acompanhada de vazio de significado, quando a imaginação 

Cimenti, que revisita o texto O mal-estar na cultura de Freud, ressaltando a sua profundidade metapsicológica, assim como a sua atualidade e diferenças quanto à realidade vigente em uma possível percepção de Freud em relação ao irrepresentável. A seguir, são apresentados artigos que buscam entender os múltiplos mal-estares presentes na atualidade. Ruggero Levy tece aproximações entre a psicanálise e a filosofia, em especial as ideias de Byung-Chul Han, destacando aspectos da cultura atual e as exigências sobre o sujeito contemporâneo. Mostra o efeito potencialmente traumático do excesso de positividade e do fenômeno da pós-verdade presentes na cultura atual. Em seguimento, José Carlos Calich, após estudar elementos da organização sociocultural na modernidade e pós-modernidade, argumenta sobre o crescente recurso ao uso da pulsão de dominação como uma estratégia narcísica de sobrevivência do sujeito. Nilton Bianchi busca entender a condição do sujeito fragmentado pela lógica da pós-modernidade e as questões decorrentes da condição de um sujeito narcisista atravessado pelos ditames da cultura atual. Apresentando e detalhando metapsicologicamente o conceito de des-existir, Carlos Gari Faria aborda-o como um processo transitório, de duração variada, no qual o sujeito entra em um processo de falência como sujeito psíquico por desinvestimento. Em seguida, Ignácio A. Paim Filho apresenta-nos um detalhamento do disruptivo em Freud, da teoria do narcisismo ao advento da pulsão de morte. Como agente disruptivo à Eros, poderá trazer destinos tanáticos ou criativos. Traça um paralelo temporal entre o disruptivo da pandemia viral e o disruptivo da virulência do racismo, mostrando como a situação de pandemia da Covid-19 trouxe à tona o racismo até então silencioso e invisível.

Viviane Sprinz Mondrzak centra o seu estudo no preconceito e no pensamento fanático como fenômenos decorrentes de distúrbios nos processos do pensamento, cujas causas são difíceis de estabelecer, ressaltando, contudo, a importância de fatores socioculturais. Carlos Augusto Ferrari Filho, a partir do papel civilizatório do discurso como elemento facilitador de acesso à realidade e à construção do conhecimento, discute como a força do pensamento mágico ou a potência do desejo podem, em situações de crise, desconstruir a força reveladora da palavra pelo falseamento da verdade. Celso Halperin estuda o ressentimento em suas raízes psíquicas e sociais. Apresenta-o como um mal-estar individual, oriundo de uma ameaça à integração narcísica, para então relacionar esta compreensão com o ressentimento social. A seguir, Cláudio Laks Eizirik e colegas buscam estudar o fenômeno de mundos sobrepostos, partindo dos acontecimentos decorrentes da situação da pandemia da Covid-19, onde teriam sido atualizadas as três fontes de sofrimento do homem, já descritas por Freud em 1929. Assim, situações comuns à vida do paciente e do analista são exemplificadas em várias situações clínicas  do presente de suas vidas, sustentando o articulador incerteza – aquilo que se apresenta como o novo, o imprevisível – de forma central no campo analítico e como elemento para o desenvolvimento da teoria psicanalítica.

Por fim, Carlos Marcírio Naumann Machado e colegas realizam uma leitura psicanalítica do personagem Coringa (Joker, 2019), apresentando-o como a manifestação caricata das dimensões mais profundas do sujeito humano, quando a ideia de vingança surge como retribuição e compensação por traumas precoces sobre o narcisismo. É possível que o filme e suas múltiplas concepções psicanalíticas, como aquela apresentada nesse artigo, possam auxiliar no encontro entre a cena psíquica, e sua história, e a cena social, no jogo dialético necessário para o estudo do mal-estar civilizatório.

Na esperança de que nossa tarefa tenha sido bem-sucedida, desejamos uma boa leitura.

Renato Moraes Lucas
Editor Chefe da Revista de Psicanálise da SPPA

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Renato Moraes Lucas, Sociedade Psicanalítica de Porto Alegre (SPPA)

Membro da Sociedade Psicanalítica de Porto Alegre (SPPA)

Downloads

Publicado

2021-10-05

Como Citar

Lucas, R. M. (2021). Editorial. Revista De Psicanálise Da SPPA, 28(1), 7–10. Recuperado de https://revista.sppa.org.br/RPdaSPPA/article/view/923