Pulsão de destruição – o disruptivo em ação – entre o tanático e o criativo: repercussões na pandemia e no racismo do dia a dia de nossas vidas

Autores

  • Ignácio A. Paim Filho Sociedade Brasileira de Psicanálise de Porto Alegre (SBPdePA)

Palavras-chave:

Pandemia, Racismo, Disruptivo, Pulsão de destruição, Tanático, Criativo

Resumo

O presente trabalho parte da ideia de caracterizar o disruptivo no pensamento freudiano. Como ponto de partida, toma o trabalho de 1914, À guisa de introdução ao narcisismo, por reconhecer nele um momento primeiro de ruptura na teoria pulsional vigente: libido do Eu versus libido objetal. Durante o trajeto, sinaliza marcas desse processo e direciona-se para o disruptivo que se instala em termos metapsicológicos, com maior consistência, com o advento da pulsão de morte. A pulsão de destruição, como agente do disruptivo em sua relação com Eros, desenhará caminhos que permitem vislumbrar destinos tanáticos ou criativos. Com essa concepção metapsicológica como indicador, busca-se refletir a respeito da interação entre o disruptivo da pandemia viral e o disruptivo da virulência do racismo e seus desdobramentos criativos na efetivação, pelo coletivo da humanidade, de posturas antirracistas. Tal contexto alberga uma interrogação pontual: como a pandemia, em seu efeito disruptivo, está relacionada com a percepção em toda a sua sensorialidade, em grande escala, de norte a sul, daquilo que mantinha-se parcialmente silencioso e invisível, o racismo?

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ignácio A. Paim Filho, Sociedade Brasileira de Psicanálise de Porto Alegre (SBPdePA)

Psicanalista, membro titular e didata da Sociedade Brasileira de Psicanálise de Porto Alegre (SBPdePA).

Referências

Adichie, C.N. (2009). O perigo de uma história única (pp. 11-48). São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

Crutzen, P.J. & Stoermer, E.F. (2015, 06 de nov.). O antropoceno. Piseagrama, Belo Horizonte, sem número. Recuperado de https://piseagrama.org/o-antropoceno

Freire, J. (1982). Prefácio. In Tornar-se negro: as vicossitudes da identidade do negro brasileiro em ascensão (Neuza Souza). Rio de Janeiro: Edição Graal, 1983.

Freud, S. (2016). Três ensaios sobre a teoria da sexualidade. In Obras completas – Três ensaios sobre a teoria da sexualidade, análise fragmentária de uma histeria e outros, (Vol. 6, pp. 13-172). São Paulo: Companhia das Letras. (Trabalho original publicado em 1905)

Freud, S. (1969). Totem e tabu. In Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud, (Vol. 13, pp 17-191). Rio de Janeiro: Imago. (Trabalho original publicado em 1913)

Freud, S. (2004). À guisa de introdução ao narcisismo. In Escritos sobre a psicologia do inconsciente de Sigmund Freud, (Vol. 1, pp 95-131). Rio de Janeiro: Imago. (Trabalho original publicado em 1914a)

Freud, S. (2004). A história do movimento psicanalítico. In Escritos sobre a psicologia do inconsciente de Sigmund Freud, (Vol. 1, pp 23-93). Rio de Janeiro: Imago. (Trabalho original publicado em 1914b)

Freud, S. (2004). Pulsões e os destinos da pulsão. In Escritos sobre a psicologia do inconsciente de Sigmund Freud, (Vol. 1, pp 145-173). Rio de Janeiro: Imago. (Trabalho original publicado em 1915)

Freud, S. (2006). Luto e melancolia. In Escritos sobre a psicologia do inconsciente de Sigmund Freud, (Vol. 2, pp 99-116). Rio de Janeiro: Imago. (Trabalho original publicado em 1917[1915])

Freud, S. (2014). Transitoriedade. In Artes, literatura e os artistas / Sigmund Freud (pp. 221-224), Obras incompletas. Belo Horizonte: Autêntica Editora. (Trabalho original publicado em 1916)

Freud, S. (1969). Uma dificuldade no caminho da psicanálise. In Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud, (Vol. 17, pp 171-179). Rio de Janeiro: Imago. (Trabalho original publicado em 1917)

Freud, S. (1976). Uma criança é espancada: uma contribuição ao estudo da origem das perversões sexuais. In Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud, (Vol. 12, pp 223-253). Rio de Janeiro: Imago. (Trabalho original publicado em 1919)

Freud, S. (1982a). Carta de Freud a M. Halberstadt, 25/01/1920. In Sigmund Freud, correspondência de amor e outras cartas (1873-1939). Rio de Janeiro: Nova Fronteira. (Trabalho original publicado em 1920)

Freud, S. (1982b). Carta de Freud a Pfister, 17/01/1920. In Sigmund Freud, correspondência de amor e outras cartas (1873-1939). Rio de Janeiro: Nova Fronteira. (Trabalho original publicado em 1920)

Freud, S. (2006). O além do princípio de prazer. In Escritos sobre a psicologia do inconsciente de Sigmund Freud (Vol. 2, pp 135-198). Rio de Janeiro: Imago. (Trabalho original publicado em 1920)

Freud, S. (2020). Psicologia das massas e análise da Eu. In Cultura, sociedade, religião: O mal-estar na cultura e outros escritos / Sigmund Freud (pp. 137-225), Obras incompletas.

Belo Horizonte: Autêntica Editora. (Trabalho original publicado em 1921)

Freud, S. (2007). O Eu e o Id. In Escritos sobre a psicologia do inconsciente de Sigmund Freud (Vol. 3, pp 27-71). Rio de Janeiro: Imago. (Trabalho original publicado em 1923)

Freud, S. (1976). A dissolução do complexo de Édipo. In Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud, (Vol. 19, pp 215-224). Rio de Janeiro: Imago. (Trabalho original publicado em 1924)

Freud, S. (2020). O mal-estar na cultura. In Cultura, sociedade, religião: O mal-estar na cultura e outros escritos / Sigmund Freud (pp.305-405), Obras incompletas. Belo Horizonte: Autêntica Editora. (Trabalho original publicado em 1930)

Freud, S. (2020). Por que da guerra? In Cultura, sociedade, religião: O mal-estar na cultura e outros escritos / Sigmund Freud (pp.421-441), Obras incompletas. Belo Horizonte: Autêntica Editora. (Trabalho original publicado em 1933)

Freud, S. (1969). Moisés e o monoteísmo: três ensaios. In Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud, (vol. 23, pp. 19-161). Rio de Janeiro: Imago. (Trabalho original publicado em 1939 [1934-1938])

Freud, S. (2014). Compêndio de Psicanálise. In Compêndio de psicanálise e outros escritos inacabados / Sigmund Freud (pp. 11- 177), Obras incompletas. Belo Horizonte: Autêntica Editora. (Trabalho original publicado em 1940)

Harari, Y.N. (2016). Homo Deus; uma breve história do amanhã. São Paulo: Companhia das Letras, 2018.

Kilomba, G. (2008). Memórias de plantação – Episódios de racismo cotidiano. Rio de Janeiro: Cobogó, 2019.

Mbembe, A. (2018). Necropolítica: biopoder, soberania, estado de exceção, política de morte. São Paulo: n-1 edições.

Mbembe, A. (2020, 30 de março). Pandemia democratizou poder de matar, diz autor da teoria da ‘necropolítica’. Entrevista a Folha de São Paulo. Recuperado de https://www1.folha.uol.com.br/mundo/2020/03/pandemia-democratizou-poder-de-matar-diz-autor-da-teoriada-necropolitica.shtml

Paim Filho, I.A. (2010). Shibboleth, Freud e o fundamental na psicanálise e no devir analista. In

Formação psicanalítica: fatos e versões. Porto Alegre: Letra & Vida.

Paim Filho, I.A. (2016). Silêncio: uma escuta metapsicológica. In Inconfidências metapsicológicas: das Unheimliche (Paim Filho). Porto Alegre: Sulina, 2019.

Paim Filho, I.A. (2020). Freud o inconfidente e seus estranhos pensamentos, In Revista da Associação Sigmund Freud. Porto Alegre.

Paim Filho, I.A. & Degani, R. (2021). Racismo – a inegável existência da crueldade – no mundo conceitual branco. In Racismo: por uma psicanálise implicada. Porto Alegre: Artes & Ecos (no prelo).

Wiesel, E. (1986). Acceptance speech. Les Prix Nobel. The Nobel Prizes 1986, Editor Wilhelm Odelberg, [Nobel Foundation], Stockholm, 1987. Recuperado de https://www.nobelprize.org/prizes/peace/1986/wiesel/26054-elie-wiesel-acceptance-speech-1986/

Publicado

2021-07-07

Como Citar

Paim Filho, I. A. (2021). Pulsão de destruição – o disruptivo em ação – entre o tanático e o criativo: repercussões na pandemia e no racismo do dia a dia de nossas vidas. Revista De Psicanálise Da SPPA, 28(1), 103–120. Recuperado de https://revista.sppa.org.br/RPdaSPPA/article/view/773