Verdade / Hipótese

Autores

  • Romualdo Romanowski Sociedade Psicanalítica de Porto Alegre (SPPA)

Palavras-chave:

Verdade, Hipótese, Paradoxos, Conhecimento, Castração cognitiva, Interpretação psicanalítica, Pluralismo teórico, Princípio da indução, Questionamento, Liberdade

Resumo

É discutida a importância de ser admitido o caráter provisório do que muitas vezes é apresentado como “a verdade”. O pensamento de Popper serve de base para raciocínios em torno do assunto, sendo também sumariadas as teorias filosóficas sobre a verdade, bem como ideias de Freud, Bion e Lacan a respeito. Na prática clinica é afirmado que a aceitação da relatividade do conhecimento é o que evita a estagnação do processo e conduz a descobertas. Para encarar como mera hipótese o que se queria considerar como verdade alcançada impõe-se admitir uma castração cognitiva, a onipresença de paradoxos e a coexistência dos opostos no Ics. A conscientização da relatividade (e transitoriedade) do conhecimento obtido permite o progresso e a tolerância para com as ideias dos demais e o pluralismo de teorias surge como inevitável e desejado. É lembrado o problema de indução e a vagueza e dubiedade dos argumentos para defender a indução. É chamada a atenção para o risco de generalizações na clínica, bem como o respeito à autoridade. A autoria, os acertos de uma teoria e a repetição de determinadas crenças, baseados na combinação autoracertos, acabam sendo determinantes para não ser questionada a sua aceitação e facilitam o seu uso como dogma. O que é chamado de verdade é, antes que uma descoberta, uma criação humana. Deve ser encarada como uma hipótese, o que abre a possibilidade de ser efetuada uma crítica, um questionamento. Há, portanto, um direito de submeter-se todas as verdades estabelecidas a uma refutação, que seria a condição básica para o conhecimento. A crítica  só pode ser feita se existir liberdade para pensar. Sem liberdade não é possível o progresso nas diversas áreas: intelectual (conhecimento), social (tolerância) e psicanalítica (pluralismo) (AU)

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Romualdo Romanowski, Sociedade Psicanalítica de Porto Alegre (SPPA)

Psicanalista. Membro efetivo da Sociedade Psicanalítica de Porto Alegre (SPPA)

Referências

BION, W. (1963). Elementos de Psicoanálisis. Buenos Aires: Hormé. 1966.

CHALMERS, A.F. (1993). O que é ciência, afinal? (What is this thing called science?). São

Paulo: Brasiliense.

DE BIANCHEDI, E. T. (2005). Whose Bion? Who is Bion? Int. J. Psychoanal., 86: 1529-1534.

FERRO, A. (2005). Bion: theoretical and clinical observations. Int. J. Psychoanal., 86: 1535-1542.

FRAZER, J. (1890). The golden bough: a study in magic and religion. New York: MacMillan,

FREUD, S. (1915). Trabajos sobre técnica. Buenos Aires: Amorrortu. v. 10.

HANLY, C. (1990). The concept of truth in psychoanalysis. Int. J. Psychoanal., 71: 375-383.

LACAN, J (1966). La ciencia y la verdad. Escritos 2, Mexico: Siglo XXI, 1976.

LANDER, R. (2004). Experiencia subjetiva y lógica del otro. Caracas: Editorial psicoanalítica.

MATTE-BLANCO, I. (1975). The unconscious as infinite sets. Londres: Karnac, 1998.

NAJMANOVICH, D. (1994). De “El Tiempo” a las temporalidades. In: Bleichmar, S. (comp.)

Temporalidad, determinación, azar: lo reversible y lo irreversible. Buenos Aires, Paidós. p. 183-206.

O’SHAUGHNESSY (2005). Whose Bion? Int. J. Psychoanal. 86: 1523-1528

POPPER, K. R. (1994). En busca de un mundo mejor (In search of a better world). Barcelona:

Paidós.

RUSSELL, B. (2001). História do pensamento ocidental (Wisdom of the west). Rio de Janeiro:

Ediouro.

SARAMAGO, J. (2008). A viagem do elefante. São Paulo: Cia. das Letras.

VARGAS LLOSA, M. (1993,1994). Mi deuda con Karl Popper. In: Schwartz, P. (ed.) et alii.

Encuentro con Karl Popper. Madrid, Alianza, p. 224-237.

Publicado

2020-11-08

Como Citar

Romanowski, R. (2020). Verdade / Hipótese. Revista De Psicanálise Da SPPA, 16(1), 13–27. Recuperado de https://revista.sppa.org.br/RPdaSPPA/article/view/719