A escuta da violência silenciosa: uma experiência psicanalítica na comunidade

Autores

  • Ana Maria Vieira Rosenzvaig Instituto de Psicanálise da Sociedade Brasileira de Psicanálise de São Paulo
  • Eliane Saslavsky Muszkat Instituto de Psicanálise da Sociedade Brasileira de Psicanálise de São Paulo
  • Silvia Bracco Sociedade Brasileira de Psicanálise de São Paulo
  • Sonia Terepins Sociedade Brasileira de Psicanálise de São Paulo

Palavras-chave:

Violência, Vulnerabilidade social, Grupos, Psicanálise, Clínica extensa

Resumo

O trabalho reflete sobre o fazer psicanalítico na cultura e na comunidade. Com base em uma experiência com grupos, realizada com uma ONG, localizada na periferia da cidade de São Paulo (Brasil), que atende uma população com alto grau de vulnerabilidade social, discutem-se aspectos da escuta e do método psicanalítico nas intervenções em clínica extensa. O texto propõe pensar a escuta analítica em sua potencialidade transformadora ao oferecer um lugar privilegiado para a fala do sujeito, viabilizando ligações e pensamento, legitimando a condição de autonomia e singularização do sujeito na construção de sua história. Ao longo do artigo são trabalhadas ideias de Fabio Herrmann, René Kaës e Luis Cláudio Figueiredo para discutir aspectos fundamentais envolvidos na prática apresentada (AU)

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Maria Vieira Rosenzvaig, Instituto de Psicanálise da Sociedade Brasileira de Psicanálise de São Paulo

Psicóloga, psicanalista. Doutoranda em Psicologia Clínica pela Pontifícia Universidade Católica (PUC-SP). Membro filiado ao Instituto de Psicanálise da Sociedade Brasileira de Psicanálise de São Paulo (SBPSP).

Eliane Saslavsky Muszkat, Instituto de Psicanálise da Sociedade Brasileira de Psicanálise de São Paulo

Psicóloga, psicanalista, membro filiado ao Instituto de Psicanálise da Sociedade Brasileira de Psicanálise de São Paulo (SBPSP).

Silvia Bracco, Sociedade Brasileira de Psicanálise de São Paulo

Psicóloga, psicanalista, membro associado da Sociedade Brasileira de Psicanálise de São Paulo (SBPSP).

Sonia Terepins, Sociedade Brasileira de Psicanálise de São Paulo

Psicóloga, psicanalista, membro associado da Sociedade Brasileira de Psicanálise de São Paulo (SBPSP).

Referências

Camargo, A. C. C. (2004). Entrevista com Fábio Herrmann (dezembro de 2004). Clínica Extensa. Dissertação de mestrado, Departamento de Psicanálise, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo.

Camargo, A. C. C. (2015). Ateliê Acaia e clínica extensa: uma perspectiva psicanalítica na construção de um projeto institucional. Tese de Doutorado, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Castanho, P. (2015). Sobre o conceito de intertransferência. Jornal de Psicanálise, 48(88), 111-120.

Figueiredo, L. C. (2000). Presença, implicação e reserva. In L. C. Figueiredo, & N. Coelho Junior, Ética e técnica em psicanálise. São Paulo: Escuta.

Freud, S. (1930[1929]). O mal-estar na civilização. In Edição standard das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (J. Salomão, trad., Vol. 21, pp. 81-171). Rio de Janeiro: Imago.

Herrmann, F. (2001). Introdução à teoria dos campos. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Herrmann, F. (2002). Andaimes do real: o método da psicanálise. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Herrmann, L. (2014). Intervenções em psicanálise – século XXI. Revista Brasileira de Psicanálise, 48(2), 59-68.

Kaës, R. (1997). O grupo e o sujeito do grupo. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Downloads

Publicado

2020-02-20

Como Citar

Rosenzvaig, A. M. V., Muszkat, E. S., Bracco, S., & Terepins, S. (2020). A escuta da violência silenciosa: uma experiência psicanalítica na comunidade. Revista De Psicanálise Da SPPA, 26(3), 497–506. Recuperado de https://revista.sppa.org.br/RPdaSPPA/article/view/468