Políticas do método: pesquisa entre psicanálise e arte

Autores

Palavras-chave:

Psicanálise, Pesquisa, Arte, Política

Resumo

Esse artigo analisa as aproximações políticas dos métodos psicanalítico e artístico. Destaca os princípios da transferência e da atenção flutuante como centrais do método da psicanálise. Em seus diálogos transferenciais com o campo da arte contemporânea, sublinha suas perspectivas políticas, dimensões discursivas e em atos na pólis. Transitando entre a teoria psicanalítica e o campo da estética, o artigo propõe uma análise das produções da cultura como criações que ultrapassam um tempo e intencionalidades conscientes. Inspirado pela obra Reto do artista contemporâneo Ai Weiwei, também apresenta uma reflexão acerca do ato criativo e da obra, em analogia às formações do inconsciente. Desdobra a concepção de sintoma de um tempo proposta por Georges Didi-Huberman (2008/2010) e sublinha ainda a possibilidade de leitura das obras em analogia ao conceito de Jacques Lacan (2005) de objeto a (objeto causa de desejo). Ambas as ideias permitem sustentar um método de leitura das obras que articule diferentes registros da experiência, assim como destaca os seus enlaces com a pólis.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lucas de Oliveira Alves, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

Psicanalista, psicólogo. Mestre em Psicologia pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).
Doutorando em Psicologia pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).

Ana Lúcia Mandelli de Marsillac , Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

Psicanalista, psicóloga. Doutora em Artes Visuais pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul
(UFRGS). Professora e Pesquisadora do Programa de Pós-graduação de Psicologia da Universidade
Federal de Santa Catarina (UFSC)

Referências

Adorno, T. W. & Horkheimer, M. (2006). Dialética do esclarecimento. Rio de Janeiro (RJ): Zahar. (Original publicado em 1944)

Agamben, G. (2007). Profanações. São Paulo (SP): Boitempo.

Agamben, G. (2009). O que é contemporâneo?e outros ensaios. Chapecó (SC): Argos.

Aguiar, F. (2006). Questões epistemológicas e metodológicas em psicanálise. Jornal de Psicanálise, 39(70), 105-131. http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-58352006000100007&lng=pt&tlng=pt

Albuquerque, C. & DW Cultura (2017). Os 80 anos de Guernica. https://www.dw.com/pt-br/os80-anos-de-guernica/g-38529677

Benjamin, W. (1987). Sobre o conceito de história. In Walter Benjamin, Magia e técnica: arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura, (pp. 222-234). São Paulo (SP): Editora Brasiliense. (Original publicado em 1940)

Benjamin, W. (2000). O conceito de crítica da arte no romantismo alemão. São Paulo (SP): Iluminuras. (Original publicado em 1920)

Chaves, E. (2019). Perder-se em algo que parece plano. In: G. Iannini & P. H. Tavares (Orgs.). O infamiliar [Das Unheimliche]: edição comemorativa bilíngue. (pp. 153-172). São Paulo (SP): Autêntica.

Dantas, M. (2018). Raiz Weiwei. São Paulo (SP): UBU.

Didi-Huberman, G. (2008). Ante el tempo: historia del arte y anacronismo de las imágenes. Buenos Aires, Argentina: Adriana Hidalgo.

Didi-Huberman, G. (2010). O que vemos, o que nos olha, (2ª ed.). São Paulo (SP): Editora 34.

Didi-Huberman, G. (2011). Sobrevivência dos Vaga-Lumes. Belo Horizonte (MG): UFMG.

Dunker, C. I. L. (2015). Mal-estar, sofrimento e sintoma. Uma psicopatologia do Brasil entre muros. São Paulo (SP): Boitempo.

Eco, U. (1968/2016). A definição da arte. Rio de Janeiro (RJ): Record.

Elia, L. (2004). O conceito de sujeito, (3ª ed.). Rio de Janeiro (RJ): Zahar.

Fayal, D., Lhullier, L. A., Marsillac, A. L. M. (2017). Obra e arte na psicose. In Lhullier, L. A. (Org.). Psicanálise, invenção e arte: a obra, o autor, o sinthoma. (pp. 15–24). Curitiba: Ed. CRV.

Freire, C. (2006). Arte conceitual. Rio de Janeiro (RJ): Zahar.

Freud, S. (1996). Sobre a psicopatologia da vida cotidiana. In Freud, S. Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas, (Vol. 6, pp. 1-311). Rio de Janeiro (RJ): Imago. (Original publicado em 1901)

Freud, S. (1996) O inconsciente. In Freud, S. Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas, (Vol. 14, pp. 165-224). Rio de Janeiro (RJ): Imago. (Original publicado em 1915)

Freud, S. (1996) Análise terminável e interminável. In Freud, S. Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas, (Vol. 23, pp. 225-274). Rio de Janeiro (RJ): Imago. (Original publicado em 1937)

Freud, S. (2019). O infamiliar [Das Unheimliche]: edição comemorativa bilíngue. São Paulo (SP): Autêntica. (Original publicado em 1919)

Freud, S. (2020). O mal-estar na cultura. In G. Iannini & P. H. Tavares (Orgs.), Cultura, sociedade, religião: o mal-estar na cultura e outros escritos, (pp. 305-410). São Paulo (SP): Autêntica. (Original publicado em 1930)

Freud, S. (2020). O futuro de uma ilusão. In G. Iannini & P. H. Tavares (Orgs.), Cultura, sociedade, religião: O mal-estar na cultura e outros escritos, (pp. 233-298). São Paulo (SP): Autêntica. (Original publicado em 1927)

Hobsbawm, E. (2007). Era dos extremos: o breve século XX. São Paulo (SP): Companhia das Letras.

Jameson, F. (1981). The Political unconscious: narrative as a socially symbolic act. Ithaca (NY), United States: Cornell University Press.

Kehl, M. R. (2002). Sobre ética e psicanálise. São Paulo (SP): Editora Schwarcz Levi, P. (2013). É isto um homem? São Paulo (SP): Rocco.

Lacan, J. (1966/1967). Le séminaire de Jacques Lacan. Livre 14: la logique du fantasme. Seminário inédito.

Lacan, J. (1985a). O seminário, livro 2: o Eu na teoria de Freud e na técnica da psicanálise (1954-55). Rio de Janeiro (RJ): Editora Zahar. (Original publicado em 1954/1955)

Lacan, J. (1985b). O seminário, livro 11: os quatro conceitos fundamentais de psicanálise (1964), (2ª ed.). Rio de Janeiro (RJ): Zahar. (Original publicado em 1964)

Lacan, J. (1992). O seminário, livro 17: o avesso da psicanálise (1969-70). Rio de Janeiro (RJ): Zahar. (Original publicado em 1969/1970)

Lacan, J. (1998). Função e campo da fala e da linguagem em psicanálise. In Lacan, J. Escritos. (pp. 238-324). Rio de Janeiro (RJ): Zahar. (Original publicado em 1953). Lacan, J. (1998). A instância da letra no inconsciente ou a razão desde Freud. In Lacan, J, Escritos. (pp. 496-536). Rio de Janeiro (RJ): Zahar. (Original publicado em 1958)

Lacan, J. (1998). A ciência e a verdade. In Lacan, J. Escritos, (pp. 869–892). Rio de Janeiro (RJ): Zahar. (Original publicado em 1965)

Lacan, J. (1999). O Seminário, livro 5: as formações do inconsciente (1957-58). Rio de Janeiro (RJ): Zahar. (Original publicado em 1957/1958)

Lacan, J. (2003). Homenagem a Marguerite Duras pelo arrebatamento de Lol V. Stein. In Lacan, J. Outros escritos, (pp. 198-205). Rio de Janeiro (RJ): Zahar. (Original publicado em 1965)

Lacan, J. (2005). O seminário, livro 10: a angústia (1962-1963). Rio de Janeiro (RJ): Jorge Zahar. (Original publicado em 1962/1963)

Lacan, J. (2007). O seminário, livro 23: o sinthoma (1975-1976). Rio de Janeiro (RJ): Zahar. (Original publicado em 1975/1976)

Marsillac, A. L. M. (2018). Aberturas utópicas: arte, política e psicanálise. Curitiba: Appris.

Marsillac, A. L. M., Bloss, G. M. & Mattiazzi, T. (2019). Da clínica à cultura: desdobramentos da pesquisa entre psicanálise e arte. Estudos e Pesquisas em Psicologia, 19(3), 787-808. http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S180842812019000300014&lng=pt&tlng=pt

Mezan, R. (2017). Sociedade, cultura, psicanálise. São Paulo (SP): Blucher.

PPOW (2019). Exposição “raiz” do artista chinês Weiwei. https://www.ppow.com.br/2019/01/28/exposicao-raiz-do-artista-chines-weiwei/

Quinet, A. (2012). Os outros em Lacan. Rio de Janeiro (RJ): Zahar.

Rancière, J. (2009a). O inconsciente estético. São Paulo (SP): editora 34.

Rancière, J. (2009b). A partilha do sensível: estética e política, (2ª ed.). São Paulo (SP): editora 34.

Rancière, J. (2010). Política da arte. Urdimento: Revista de Estudos em Artes Cênicas, 1(15), 45-60. http://dx.doi.org/10.5965/1414573102152010045

Rivera, T. (2005). Arte e psicanálise, (2ª ed.). Rio de Janeiro (RJ): Zahar.

Rivera, T. (2018). O avesso do imaginário: arte contemporânea e psicanálise. São Paulo (SP): Sesi-SP.

Rosa, M. D. (2004). A pesquisa psicanalítica dos fenômenos sociais e políticos: metodologia e fundamentação teórica. Revista Mal-Estar e Subjetividade, 4(2), 329-348. http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1518-61482004000200008&lng=pt&t

lng=pt

Rosa, M. D., & Domingues, E. (2010). O método na pesquisa psicanalítica de fenômenos sociais e políticos: a utilização da entrevista e da observação. Psicologia & Sociedade, 22(1), 180-188. https://doi.org/10.1590/S0102-71822010000100021

Roudinesco, E. (2000). Por que a psicanálise? Rio de Janeiro (RJ): Zahar.

Veloso, C. (Compositor). (1986). Vaca Profana. (Produção Musical). Brasil: Philips Records.

Publicado

2022-07-27

Como Citar

de Oliveira Alves, L., & Lúcia Mandelli de Marsillac , A. . (2022). Políticas do método: pesquisa entre psicanálise e arte. Revista De Psicanálise Da SPPA, 29(1), 85–105. Recuperado de https://revista.sppa.org.br/RPdaSPPA/article/view/1028