Avaliação de resultados dos tratamentos psicanalíticos: instrumentos da metodologia qualitativa como recursos possíveis

Autores

  • Egberto Ribeiro Turato Universidade de Campinas (UNICAMP)
  • Ronis Magdaleno Júnior Sociedade Brasileira de Psicanálise de São Paulo (SBPSP)
  • Lia Keuchguerian Silveira Campos Sociedade Psicanalítica de Campinas (SPC)

Palavras-chave:

Pesquisa qualitativa, Psicanálise, Avaliação de processos e resultados (Cuidados de Saúde)

Resumo

Nas últimas décadas a psicanálise tem sido cada vez mais cobrada no sentido de apresentar resultados e evidências de sua eficácia. As ferramentas para avaliação dos resultados das ciências naturais são insuficientes e inadequadas para este fim. Propomos que, utilizando instrumentos das metodologias qualitativas, será possível criar novos recursos para a avaliação dos resultados dos processos psicanalíticos que se focariam principalmente no sentido que tem (ou teve) determinada análise para o paciente que se submeter ao processo (AU)

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Egberto Ribeiro Turato, Universidade de Campinas (UNICAMP)

Livre Docente do Departamento de Psicologia Médica e Psiquiatria da Faculdade de Ciências Médicas da UNICAMP

Ronis Magdaleno Júnior, Sociedade Brasileira de Psicanálise de São Paulo (SBPSP)

Membro Associado da Sociedade Brasileira de Psicanálise de São Paulo.

Lia Keuchguerian Silveira Campos, Sociedade Psicanalítica de Campinas (SPC)

Psicanalista pela Sociedade Psicanalítica de Campinas

Referências

ABBAGNANO, N. (1998). Dicionário de filosofia. São Paulo: Martins Fontes. p. 816.

BARDIN, L. (1979). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

CHAUÍ, M. S. (1995). Convite à filosofia. São Paulo: Ática.

FONTANELLA, B. J. B. (2000). Procura de tratamento por dependentes de substâncias psicoativas: um estudo clínico: qualitativo. 2000. Tese (Mestrado). Campinas: Universidade de Campinas, 2000. p. 83.

FREUD, S. (1905 [1904]). Sobre a psicoterapia. In: Obras completas. v. 7. Rio de Janeiro: Imago, 1972. p. 263-278.

. (1915). O inconsciente. In: Obras completas. v. 14. Rio de Janeiro: Imago, 1974. p. 185-245.

. (1921). Psicologia de grupo e a análise do ego. In: Obras completas. v. 18. Rio de Janeiro: Imago, 1976. p. 89-179.

GALILEI, G. (1983). O ensaiador: e textos de outros autores. São Paulo: Abril Cultural. p. 46, 99-238. (Coleção Os pensadores). INTERNATION PSYCHOANALITYCAL ASSOCIATION [home page na internet]. Disponível em: . Acesso em 05 set. 2010.

JAPIASSU, H. (1997). A revolução científica moderna: de Galileu a Newton. São Paulo: Letras & Letras. p. 57.

LAWDER, G. et al. (2008). The enduring significance of psychoanalytic theory and pratice. Disponível em: . Acesso em: 5 set. 2010.

MINAYO, M. C. S. (2007). O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo: Hucitec. p. 22, 24, 31, 204.

MORSE, J. M.; FIELD, P. A. (1995). Qualitative research methods for health professionals. London: Sage. p. 243.

TURATO, E. R. (2010). Tratado da metodologia da pesquisa clínico-qualitativa: construção teóricoepistemológica, discussão comparada e aplicação às áreas da saúde e humanas. Petrópolis: Vozes,

WESTERN, D. (1998). The scientific legacy of Sigmund Freud. Toward a psychodinamicallyinformed psichologicalscience. Psichological Bulletin, v. 124, n. 3, p. 333-371.

Downloads

Como Citar

Turato, E. R., Magdaleno Júnior, R., & Campos, L. K. S. (2010). Avaliação de resultados dos tratamentos psicanalíticos: instrumentos da metodologia qualitativa como recursos possíveis. Revista De Psicanálise Da SPPA, 17(2), 281–297. Recuperado de https://revista.sppa.org.br/RPdaSPPA/article/view/848