Acesso Livre Acesso Livre  Acesso restrito Acesso Restrito

O luto, a melancolia e o trágico em A terceira margem do rio, de Guimarães Rosa

Adriano Santos Barros

Resumo


O presente artigo tem como objetivo analisar o conto A terceira margem do rio, de João Guimarães Rosa, sobre dois pontos relevantes que secruzam. O primeiro é o luto e a melancolia; o segundo ponto a ser tratadoé o trágico. Utilizaremos como base teórica o conceito de trágiconietzschiano e como ele se manifesta no conto, tendo em vista, em suaconstituição, duas pulsões opostas, a de Apolo e a de Dionísio. Já paranos ancorarmos na análise do luto e melancolia, usaremos o artigo Luto emelancolia, de Sigmund Freud. Não perderemos, porém, de vista que oconto possibilita diversas interpretações; tratando-se de um textoenigmático, como obra aberta que é, permite-nos múltiplas possibilidadesde leitura.

Palavras-chaves: Freud, Nietzsche, João Guimarães Rosa, melancolia,trágico.

 

Abstract

Mourning, melancholia, and the tragic in the The third bank of the river, by Guimarães Rosa

This article aims to analyze the short story The third bank of the river, by João Guimarães Rosa, taking in consideration two relevant intersecting points. Thefirst point is mourning and melancholia; the second point to be discussed is thetragic. We will use as a theoretical basis the concept of nietzschean tragic andhow it manifests itself in the tale, given in its constitution two opposing drives,the Apollo’s and the Dionysus’. The analysis of mourning and melancholia isfounded in the article Mourning and melancholia by Sigmund Freud. It is importantto remember, however, that the tale allows various interpretations, since it is anenigmatic text, which, as an open work, permits multiple possibilities of readings.

Keywords: Freud, Nietzsche, João Guimarães Rosa, melancholia, tragic.

 

Resumen

El duelo, la melancolía y el trágico en A terceira margem do rio, de Guimarães Rosa

El presente artículo tiene por objetivo analizar el cuento A terceira margem do rio, de João Guimarães Rosa, sobre dos puntos relevantes que se cruzan. El primeroes el duelo y la melancolía; el segundo punto a tratar es el trágico. Utilizaremos como base teórica el concepto de trágico nietzschiano y cómo ése se manifiestaen el cuento, teniendo en cuenta, en su constitución, dos pulsiones opuestas, la deApolo y la de Dionisio. Para anclarnos en el análisis del duelo y la melancolía, asu vez, usaremos el artículo Duelo y melancolía, de Sigmund Freud. Sin embargo, no perderemos de vista que el cuento posibilita diversas interpretaciones; se trata de un texto enigmático, como obra abierta que es, nos permite múltiples posibilidades de lectura.

Palabras clave: Freud, Nietzsche, João Guimarães Rosa, melancolía, trágico.


Palavras-chave


Freud, Nietzsche, João Guimarães Rosa, melancolia,trágico.

Texto completo:

PDF

Referências


Agamben, G. (1970). O homem sem conteúdo (pp. 117-201). Tradução, notas e posfácio Cláudio Oliveira. Belo Horizonte: Autêntica, 2012.

Agamben, G. (1979). Estâncias: a palavra e o fantasma na cultura ocidental (pp. 09-56). Tradução de Selvino José Assmann. Belo Horizonte: UFMG, 2007.

Albergaria, C. (1991). O sentido do trágico em “A terceira margem do rio”. In F. E. Coutinho (Org.). Guimarães Rosa (pp. 520-526), Rio de janeiro: Civilização Brasileira.

Aristóteles. ([1895]). A poética. In J. A. M. Pessanha (Org.). Os pensadores (pp. 241-269). Trad. de Vincenzo Cocco et al. São Paulo: Abril Cultural, 1979.

Aristóteles. ([c1998]). O homem de gênio e melancolia: o problema XXX, 1. (pp. 81-105). Tradução do grego de Jackie Pigeaud e Alexei Bueno. Rio de Janeiro: Lacerda.

Benjamin, W. (1928). Origem do drama trágico alemão (pp. 15-166). Tradução de João Barreto. Belo Horizonte: Autêntica, 2011.

Benjamin, W. ([c2012]). O anjo da história (pp. 09-20). Tradução de João Barreto. Belo Horizonte: Autêntica.

Éfeso, Heráclito de. ([c1996]). Os pré-socráticos. In Os pensadores. Trad. de Wilson Regis. São Paulo: Nova Cultural, p. 92 – fragmento 49.

Freud, S. (1917). Luto e melancolia. Tradução de Marilene Carone, introdução e notas de Marilene Carone. São Paulo: Cosac Naify, 2011.

Homero. ([c2003]). A Odisseia (pp. 307-324). Tradução do grego de Frederico Lourenço. Lisboa: Cotovia.

Kehl, M. R. (2009). O tempo e o cão: a atualidade das depressões. São Paulo: Boitempo.

Kehl, M. R. (2011). Melancolia e criação. In Luto e melancolia (pp. 08-31). Tradução, introdução e notas de Marilene Carone. São Paulo: Cosac Naify.

Le Goff, J. (1988). História e memória. Tradução de Bernardo Leitão (4.ed.), Campinas: UNICAMP, 1996.

Machado, R. (1999). A arte trágica e a apologia da aparência. In Nietzsche e a verdade (pp. 24-29). São Paulo: Paz e Terra.

Machado, R. (2001). Zaratustra, tragédia nietzschiana (3 ed.). Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Machado, R. (2006). O nascimento da tragédia: de Schiller a Nietzsche. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Machado, R. (Org.) (2005). Nietzsche e a polêmica sobre o nascimento da tragédia. Trad. de Pedro Süssekind. Rio de janeiro: Jorge Zahar.

Matos, O. C. F. (2010). Benjaminianas: cultura capitalista e fetichismo contemporâneo. São Paulo: UNESP.

Nietzsche, F. (1871). O nascimento da tragédia. Tradução de J. Guinsburg. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

Nietzsche, F. (1873). A filosofia na idade trágica dos gregos. Org. e Trad. Fernando R. de Moraes Barros. São Paulo: Hedra, 2008.

Orione, E. J. M. (2008). O drama barroco em A terceira margem do rio. In Ângulo 115: 66-72. Recuperado de: http://www.fatea.br/seer/index.php/angulo/article/viewFile/99/86.

Otto, W. F. (2006). Teofania: o espírito da religião dos gregos antigos. Tradução de Ordep Trindade Serra. São Paulo, Odysseus.

Rosa, J. G. (1962). Primeiras estórias (14. ed.). São Paulo: Nova Fronteira, 1985.

Shakespeare, W. (1603). Tragédias: Romeu e Julieta, Hamlet e Macbeth. Tradução de Domingos Ramos. Lisboa: editora Mediasat Group, 2004, p. 249-561. Coleção: Os grandes gênios da literatura universal.




Revista de Psicanálise da SPPA  |  ISSN 1413-4438  |  ISSNe 2674-919X  | RPdaSPPA no Google Scholar

Classificação Qualis: B2 Psicologia

Sociedade Psicanalítica de Porto Alegre

Rua General Andrade Neves, 14/802 | 90010-210 | Porto Alegre, RS, Brasil | Fone +55 (51) 3228-7583 | E-mail: revista@sppa.org.br