Acesso Livre Acesso Livre  Acesso restrito Acesso Restrito ou Pago

Experiências de analistas didatas com o atendimento psicanalítico on-line em tempos de pandemia

Lívia Fração Sanchez

Resumo


A psicanálise é um método de tratamento aplicado mediante o estabelecimento e manutenção de um setting estruturado, que possibilite o desenvolvimento do processo analítico. Em tempos atípicos frente ao surto da Pandemia de Covid-19, reflexões sobre a mudança de setting e os desdobramentos do atendimento psicanalítico on-line tornam-se necessárias. O objetivo do presente estudo foi identificar as experiências e percepções de analistas sobre a prática analítica virtual. Para isso, foi realizado um estudo de levantamento de experiências com oito analistas didatas membros de uma Sociedade Psicanalítica filiada à International Psychoanalytical Association (IPA), mediante a aplicação de um questionário sobre suas experiências clínicas com o atendimento on-line. Os achados sugerem que a modalidade de atendimento à distância é considerada uma ferramenta de trabalho possível, embora possa apresentar alguns desafios à prática analítica. Os desafios mais evidenciados pelos profissionais foram: instabilidades das plataformas digitais, manutenção do setting, ausência da presença física, dificuldades com a neutralidade e com a atenção flutuante. Alerta-se para a necessidade de mais estudos clínicos e empíricos sobre tal temática, a fim de que se possa compreender profundamente os potenciais benefícios e/ou eventuais desafios dessa modalidade de atendimento, assim como possíveis indicações e contraindicações destas análises (AU)


Palavras-chave


Psicanálise on-line; Técnica psicanalítica; Psicanálise contemporânea

Texto completo:

PDF

Referências


Barros, G. (2013). O setting analítico na clínica cotidiana. Estudos de Psicanálise, 40, 71-78.

Békés, V., & Aafjes-van Doorn, K. (2020). Psychotherapists’ attitudes toward online therapy during the Covid-19 pandemic. Journal of Psychotherapy Integration, 30(2), 238-247. doi.org/10.1037/int0000214

Bennet-Levy, J. (2003). Reflection: a blind spot in psychology? Clinical Psychologist, 27, 16-19.

Carlino, R. (2011). Distance psychoanalysis: The theory and practice of using communication technology in the clinic (J. Nuss, Trans.). London: Karnac.

Carlino, R. (2012). Psicoanálisis a distancia: teléfono, videoconferencia, chat, e-mail. Buenos Aires: Lumen.

Cassorla, R.M.S. (2016). O campo analítico como campo do sonhar. Revista de Psicanálise da SPPA, 23(3), 447-476.

Dettbarn, I. (2013). Skype as the uncanny third. In J. Scharff, Psychoanalysis online. London: Karnac.

Eizirik, C.L. & Hauck, S. (2008). Psicanálise e psicoterapia de orientação psicanalítica. In A.C. Cordioli (Org.), Psicoterapias: abordagens atuais. Porto Alegre: Artmed.

Eizirik, C.L., Aguiar, R.W., & Schestatsky. S. (2015). Psicoterapia de orientação analítica: Fundamentos teóricos e clínicos. Porto Alegre: Artmed.

Eizirik, C.L., Libermann, Z. & Costa, F. (2008). A relação terapêutica: transferência, contratransferência e aliança terapêutica. In A.C. Cordioli (Org.), Psicoterapias: abordagens atuais. Porto Alegre: Artmed.

Freud S. (1988). Estudos sobre histeria. In: Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (Vol. 1, pp. 17-319). Rio de Janeiro: Imago. (Trabalho original publicado em 1895).

Freud, S. (1978). Recomendações aos médicos que exercem a psicanálise. In: Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (Vol. 12, pp. 149-163). Rio de Janeiro: Imago. (Trabalho original publicado em 1912b).

Freud, S. (1989). Sobre o início do tratamento (novas recomendações sobre a técnica da psicanálise). In: Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (Vol. 12, pp. 163 - 187). Rio de Janeiro: Imago. (Trabalho original publicado em 1924).

Freud, S. (1996). Dois Verbetes de Enciclopédia. In: Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (Vol. 18, pp.253-274). Rio de Janeiro: Imago. (Trabalho original publicado em1923b [1922]).

Gabbard, G. (2001). Cyberpassion: e-rotic transference on the internet. Psychoanalytic Quarterly, 70 (4), 719-737. doi.org/10.1002/j.2167-4086.2001.tb00618.x

Giovannetti, M. F. (2004). La hospitalidad hoy, en la cínica psicoanalítica. Trabalho apresentado no XXV Congresso Latino-Americano de Psicanálise da Fepal, Guadalajara, 2004.

Giovannetti, M.F. (2012). Psicanálise em uma megalópole. Caliban Revista Latinoamericana de Psicoanálisis, 10 (1), 208-221.

Gordon, A.R., Cabral, L.A., Susehmil, E.V.K, Nery, G.C., Lima, C.B. de, Schwartz, L.S., Semmer, N.L., Milani, E. & Lima, C.S. (2014). Realidade virtual e setting: de costas para o futuro? Revista Brasileira de Psicanálise, 48(1), 93-104.

International Psychoanalytic Association (2020). IPA policy on remote analysis in training and shuttle analysis in training. Recuperado de www.https:// ipa.world/Fr/IPA1/Procedural_Code/IPA_Policy_on_Remote_Analysis_in_Training.asp

International Psychoanalytic Association. (2020). Webinar new trends in psychoanalysis in times of Covid-19. Recuperado de www.https://ipa.world/IPA/en/IPA1/Webinars/newtrendscovid19.aspx

Kowacs, C. (2014). Prática psicanalítica, tecnologia e hipermodernidade. Revista de Psicanálise da SPPA, 21(3), 629-643. doi.org/10.5281/sppa%20revista.v2li3.135.

Labarthe, C. (2012). El encuadre interno del analista. Revista Psicoanálisis - Sociedad Peruana de Psicoanálisis, 10, 89-104.

Lisondo, A.B.D. (2015). Psicanálise a distância. Revista Brasileira de Psicanálise, 49(1), 136-150.

Migone, P. (2013). Psychoanalysis on the Internet: A discussion of its theoretical implications for both online and offline therapeutic technique. Psychoanalytic Psychology, 30(2), 281-299. doi.org/10.1037/a0031507

Mirkin, M. (2011). Telephone Analysis: Compromised Treatment or an Interesting Opportunity? The Psychoanalytic Quarterly, 80(3), 643–670. doi: 10.1002/j.2167-4086.2011.tb00100.x

Oliveira, P.C.S. (2009). O divã virtual e a linguagem do atendimento psicanalítico on-line no ciberespaço. Dissertação de mestrado, Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro, Campos dos Goitacazes, RJ, Brasil.

Pieta, M.A.M., & Gomes, W.B. (2014). Online therapy: viable or unviable? Psicologia: Ciência e Profissão, 34(1), 18-31. doi.org/10.1590/S1414-98932014000100003.

Roesler, C. (2017). Tele-analysis: the use of media technology in psychotherapy and its impact on the therapeutic relationship. Journal of Analytical Psychology, 62(3), 372-394. doi.org/10.1111/1468-5922.12317

Sabbadini, A. (2013). New technologies and the psychoanalytic setting. In A Lemma & Caparrota (Eds). Psychoanalysis in the technoculture era. London: Routledge.

Saul, L.J. (1951). A note on the telephone as a technical aid. Psychoanalytic Quarterly, 20(2), 287-290. doi.org/10.1080/21674086.1951.11925845

Scharff, J.S. (2012). Clinical issues in analyses over the telephone and the internet. The International Journal of Psychoanalysis, 93(1), 81-95. doi.org/10.1111/j.1745-8315.2011.00548.x

Scharff, J.S. (2013). Teletherapy and teleanalysis in training psychotherapies and psychoanalysis. In Psychoanalysis online. London: Karnac.

Serralta, F.B. (2016). Uncovering Interaction Structures in a Brief Psychodynamic Psychotherapy. Paidéia, 26(64), 255-63. doi.org/10.1590/1982-43272664201613

Simpson, S. (2009). Psychotherapy via videoconferencing: a review. British Journal of Guidance & Counselling, 37(3), 271-286. doi.org/10.1080/03069880902957007

Simpson, S.G., & Reid, C.L. (2014). Therapeutic alliance in videoconferencing psychotherapy: A review. Australian Journal of Rural Health, 22(6), 280-299. doi.org/10.1111/ajr.12149

Svenson, K. (2020). Teleanalytic therapy in the era of covid-19: dissociation in the countertransference. Journal of the American Psychoanalytic Association, 68(3), 447-454. doi.org/10.1177/0003065120938772

Zalusky, S. (1998). Telephone analysis: out of sight, but not out of mind. Journal of the American Psychoanalytic Association, 46(4), 1221-1242. doi.org/10.1177/00030651980460041601

Zimerman, D. (2004). Manual de técnica psicanalítica. Porto Alegre: Artmed.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2021 Revista de Psicanálise da SPPA

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

Revista de Psicanálise da SPPA | Publicada desde 1993 (1988-93 com o nome de Arquivos de Psicanálise da SPPA)

Publicação em fluxo contínuo | ISSNe 2674-919X (versão eletrônica) | ISSN 1413-4438 (versão impressa) | Qualis B1 (Psicologia)


INDEXADORAS

BiViPsi | Biblioteca Virtual de Psicanálise (FEPAL)
CLASE | Citas Latinoamericanas en Ciencias Sociales y Humanidades (Universidad Nacional Autónoma de México - UNAM)
EBSCO | Academic Search Ultimate (EBSCO Industries, Inc. USA)
Latindex (Diretório) | Sistema Regional de Información en Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal (Universidad Nacional Autónoma de México - UNAM)
LILACS | Biblioteca Virtual da Saúde (OPAS - BIREME)
PsycINFO | American Psychoanalytical Association (APA)
Scholar | Google Acadêmico

 
Rua General Andrade Neves, 14/402 | Centro Histórico | 90010-210 | Porto Alegre, RS | Brasil-| +55 51 98487 0158 | revista@sppa.org.br