Acesso Livre Acesso Livre  Acesso restrito Acesso Restrito ou Pago

As materialidades da comunicação e os desafios midiáticos da psicanálise em quarentena

Cassio de Borba Lucas, Luciane Falcão

Resumo


Diante dos desafios com que a prática psicanalítica se depara no contexto da pandemia atual, um dos mais notáveis diz respeito à comunicação. A mediação das sessões por mídias técnicas tornou-se ubíqua. Este artigo propõe um diálogo entre a psicanálise e a teoria das materialidades da comunicação para esboçar um olhar mídia-psicanalítico sobre alguns destes desafios, que ensejam também renovadas discussões teóricas. Após um breve panorama das teses de alguns autores de destaque no campo das materialidades (McLuhan, Flusser, Kittler), procuramos delimitar a rediscussão – à luz da tese de que o sentido da comunicação emerge sempre no seio de um agenciamento material específico – de alguns pontos teóricos fundamentais da teoria psicanalítica, em especial as noções de setting e cena analítica. Estabelecem-se, assim, linhas iniciais para um debate que já se demonstra frutífero entre a psicanálise e as teorias comunicacionais que desnaturalizam a relação entre homem e técnica (AU)

Palavras-chave


Materialidade da comunicação; Psicanálise; Pandemia; Cena analítica; Setting

Texto completo:

PDF

Referências


Adorno, T., & Horkheimer, M. (1985). Dialética do esclarecimento: fragmentos filosóficos. Rio de Janeiro: Zahar.

Costa Lima, L. (Org.) (2005). Teoria da cultura de massa. Rio de Janeiro: Paz & Terra.

Dilthey, W. (1990). Einleitung in die Geisteswissenschaften: Versuch einer Grundlegung für das Studium der Gesellschaft und der Geschichte (Gesammelte Schriften). Götingen: B.G. Teubner Verlagsgesellschaft.

Flusser, V. (2015). Comunicologia. São Paulo: Martins Fontes.

Freud, S. (1977). A interpretação dos sonhos. In Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (Vols. IV-V). Rio de Janeiro: Imago. (Trabalho original publicado em 1900)

Freud, S. (2007). Projet pour une psychologie scientifique. In Lettres à Flies. Édtion complete. Paris: Puf. (Trabalho original publicado em 1895)

Freud, S. (2009). Recomendações ao médico que pratica a psicanálise. In Obras completas, (Trad. de P.C. de Souza, pp. 147-162). São Paulo: Companhia das Letras. (Trabalho original publicado em 1912a)

Freud, S. (2009). Algumas observações sobre o conceito de inconsciente. In Obras completas, (Trad. de P.C. de Souza, pp. 255-267).São Paulo: Companhia das Letras. (Trabalho original publicado em 1912b)

Freud, S. (2016). Estudos sobre a histeria. In Obras completas. Estudos sobre a histeria, (Vol. 2). São Paulo: Companhia das Letras. (Trabalho original publicado em 1893-1895)

Gumbrecht, H.U. (1994). A farewell to interpretation. In H.U. Gumbrecht, K.L. Pfeiffer, Materialities of communication. Stanford: Stanford University Press.

Gumbrecht, H.U., & Pfeiffer, K.L. (1994). Materialities of communication. Stanford: Stanford University Press.

Innis, H. (1986). Empire and communications. Victoria: Press Porcépic.

Jakobson, R. (2015). Linguística e comunicação. São Paulo: Cultrix.

Kittler, F. (1990). Discourse Networks 1800/1900. Trad. de M. Metteer. Stanford: Stanford University Press. Recuperado de https://monoskop.org/images/1/1f/Kittler_Friedrich_Discourse_Networks_1800_1900.pdf

Kittler, F. (1999). Gramophone, film, typewriter. Stanford: Stanford University Press. Recuperado de https://monoskop.org/images/7/73/Kittler_Friedrich_Gramophone_Film_Typewriter.pdf

Kittler, F. (2016). Mídias ópticas. Rio de Janeiro: Contraponto.

Lacan, J. (1986). O seminário: Livro 1: os escritos técnicos de Freud, 1953-1954 / Jacques Lacan; texto estabelecido por Jacques-Alain Miller; versão brasileira de Betty Milan. Rio de Janeiro: Jorge Zahar. (Trabalho original publicado em 1953-1954)

Lazarsfeld, P., & Merton, R.K. (1957). Mass Communication, Popular Taste and Organized Social Action. InB. Rosenberg, & D. White, Mass Culture. The popular arts in America. New York: The Free Press.

Lucas, C.B. (2017). Pressupostos para uma anarqueologia do barulho: ruídos da música e das mídias. In J.G. Mello & M.B. Conter. (Orgs.). A(na)rqueologias das mídias (pp. 265-278). Curitiba: Appris.

Marcondes Filho, C. (2010). Até que ponto, de fato, nos comunicamos? São Paulo: Paulus.

Mattelart, A., & Mattelart, M. (1995). História das teorias da comunicação. São Paulo: Loyola, 2016.

McLuhan, M. (1962). The Guttenberg Galaxy: the making of the typographic man. Toronto: University of Toronto Press.

McLuhan, M. (1964). Os meios de comunicação como extensões do homem. São Paulo: Cultrix.

Mead, G.H. (1972). Mind, self and society. Chicago: The University of Chicago Press.

Müller, A. (2012). O media turn alemão: introduções à teoria da mídia. In Linhas imaginárias: poesia, mídia, cinema. Porto Alegre: Sulina.

Oliveira, E.F.& Müller, A. (2008). Medialidade: encontro entre os estudos literários e os estudos de mídia. Revista Contracampo, 19(2º semestre): Jornalismo e Narrativas.

Oliveira, E.F. (2011). Da teoria da comunicação às teorias da mídia. Ou, temperando a epistemologia com uma dose de cibercultura. Revista Eco-Pós, 14(1).

Quinodoz, D. (1992). The psychoanalytic setting as the instrument of the container function. The International Journal of Psychoanalysis, 73(4), 627-635.

Rancière, J. (2015). A partilha do sensível. São Paulo: Ed. 34.

Rüdiger, F. (2011). As teorias da comunicação. São Paulo: Artmed.

Saussure, F. (1995). Cours de linguistique générale. Paris: Payot & Rivages.

Schreber, D.P. (1984). Memórias de um doente dos nervos. Trad. de Marilene Carone. Rio de Janeiro: Ed. Graal. (Trabalho original publicado em 1903)

Sfez, L. (1994). Crítica da comunicação. São Paulo: Loyola.

Shannon, C.E. (1949). A mathematical theory of comunication. The Bell System Technical Journal, 27, 379-423.

Weaver, W. (1949). Recent contributions to the mathematical theory of communication. ETC: A Review of General Semantics, 10(4).


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2021 Revista de Psicanálise da SPPA

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

Revista de Psicanálise da SPPA | Publicada desde 1993 (1988-93 com o nome de Arquivos de Psicanálise da SPPA)

Publicação em fluxo contínuo | ISSNe 2674-919X (versão eletrônica) | ISSN 1413-4438 (versão impressa) | Qualis B1 (Psicologia)


INDEXADORAS

BiViPsi | Biblioteca Virtual de Psicanálise (FEPAL)
CLASE | Citas Latinoamericanas en Ciencias Sociales y Humanidades (Universidad Nacional Autónoma de México - UNAM)
EBSCO | Academic Search Ultimate (EBSCO Industries, Inc. USA)
Latindex (Diretório) | Sistema Regional de Información en Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal (Universidad Nacional Autónoma de México - UNAM)
LILACS | Biblioteca Virtual da Saúde (OPAS - BIREME)
PsycINFO | American Psychoanalytical Association (APA)
Scholar | Google Acadêmico

 
Rua General Andrade Neves, 14/402 | Centro Histórico | 90010-210 | Porto Alegre, RS | Brasil-| +55 51 98487 0158 | revista@sppa.org.br