Acesso Livre Acesso Livre  Acesso restrito Acesso Restrito

O sonhar do analista: fruto e artesão de rêveries

Martha Maria de Moraes Ribeiro, Ana Regina Morandini Caldeira

Resumo


Este trabalho versa sobre a condição sonhante que acontece dentro da experiência intersubjetiva da dupla analítica. No primeiro momento, o leitor irá deparar-se com o relato clínico de uma vivência sonhante do analista a partir de um fragmento de sessão narrado por um eu-lírico. Seguidamente, são tecidos conceitos teóricos que embasam o contexto clínico. Este texto constitui-se numa evidência de o quanto duas mentes podem construir na parceria, de o quanto teoria e vivência entrelaçam-se, trazendo profundidade e sentido possível à existência humana.

Palavras-chave


pensamento onírico, intersubjetividade, rêverie.

Texto completo:

PDF

Referências


Abbagnano, N. (2007). Sobre heraclitismo. In ______. Dicionário de filosofía. São Paulo: Martins Fontes.

Baranger, M. & Baranger, W. (1969). La situación analítica como campo dinámico. In M. Baranger & W. Baranger, Problemas del campo psicanalítico. Buenos Aires: Kargienam.

Barros, E. M. da R. & Barros, E. L. da R. (2012). Reflexões críticas sobre os processos intersubjetivos: contratransferência, rêverie e o processo de simbolização. Revista Brasileira de Psicanálise, 46 (1), 135-149.

Barros, M. (1996). Livro sobre nada. Rio de Janeiro: Record.

Bion, W. R. (1962). Learning from experience. London: Heinemann.

______. (1963). Elements of psycho-analysis. New York: Basic Books.

______. (1970). Atenção e interpretação. Rio de Janeiro: Imago, 2006.

______. (1974). Seminarios de psicoanálisis. Buenos Aires: Paidós, 1978.

______. (1977). Two papers: the grid and caesura [1964]. Rio de Janeiro: Imago.

______. (1991). A memoir of the future. London: Karnac.

______. (1992). Cogitations. London; New York: Karnac.

Caldeira, A. R. M. (2011). Sobre um certo velejar da alma: observações clínicas sobre o trânsito mental através das cesuras. Berggasse19, 2 (2), 45-61.

Ferro, A. (1995). A técnica da psicanálise infantil: a criança e o analista da relação ao campo emocional. Rio de Janeiro: Imago, 1995.

______. (1999). Psychoanalysis as storytelling. London; New York: Routledge.

Meltzer, D. (1987). Vida onírica: una revisión de la teoría y de la técnica psicoanalítica. Madrid: Tecnopublicaciones S. A.

______. (1997). Rêverie and interpretation. In . Reverie and interpretation sensing something human. Londres: Aronson.

______. (2010). Esta arte da psicanálise: sonhando sonhos não sonhados e gritos interrompidos. Porto Alegre: Artmed.

Proust, M. (1988). O tempo redescoberto. Rio de Janeiro: Globo.

Quinodoz, D. (2011). Envelhecer, uma viagem para a descoberta de si mesmo. Revista Brasileira de Psicanálise, 45 (3), 97-108.

Ribeiro, M. M. M. (1999). Rêverie hostil e rêverie benigna. Revista Brasileira de Psicanálise, 33 (3), 431-447.

Ribeiro, M. M. de M.; Wierman, M. L.; Corrêa, M. L. P.; Ribeiro, P. de M. M.; Delboni, S. de F. S. & Marques, T. H. T. (2007). Microtraumas na sessão de análise. Revista Brasileira de Psicanálise, 41 (2), 125-139.

Ribeiro, P. M. M. (2011). Para aquém do princípio do prazer: o umbral. Trabalho apresentado na SBPRP, em 15 de junho. No prelo.

Winnicott, W. D. (1975). O brincar e a realidade. Rio de Janeiro: Imago.




Revista de Psicanálise da SPPA  |  ISSN 1413-4438  |  ISSNe 2674-919X  | RPdaSPPA no Google Scholar

Classificação Qualis: B2 Psicologia

Sociedade Psicanalítica de Porto Alegre

Rua General Andrade Neves, 14/802 | 90010-210 | Porto Alegre, RS, Brasil | Fone +55 (51) 3228-7583 | E-mail: revista@sppa.org.br