Acesso Livre Acesso Livre  Acesso restrito Acesso Restrito

Um analista pensa sobre histórias em quadrinhos: relato de uma experiência em um contexto de difusão da psicanálise

Eneida Iankilevich

Resumo


A partir do relato de uma participação em atividade de difusão da psicanálise, a autora sugere que essas podem ser oportunidades de aprender sobre nossa profissão desde um outro vértice. Nessas tarefas o psicanalista precisa encontrar uma forma de comunicar-se com a audiência que é, necessariamente, diferente da que utiliza em seu consultório ou em discussões com colegas. Esse esforço pode iluminar a escuta analítica, identificando nossas premissas de observação e nossa avaliação dos resultados obtidos. Nessa experiência específica, a autora constata como especificamente analítica a busca por entender além do já compreendido, do já conhecido. A experiência relatada diz respeito à proposta a alguns pais de filhos em diferentes idades a que lessem para eles (e com eles) três histórias em quadrinhos e depois relatassem o que acontecera, fosse qual fosse o resultado. Desse rico material, a autora destaca a interação como essencial à possibilidade do acontecer da experiência.  E ainda o investimento afetivo como determinante da qualidade dos resultados; a história nunca tomada literalmente, sempre construída, construída como pessoal e intransferível, mas significativa apenas se compartilhada, o encantamento da interação (crianças/pais, autora/crianças, pais e relatos), a abertura de significados e possibilidades que resultou da experiência, a fala como recurso essencial à comunicação, à construção de símbolos, à individualidade. Achado talvez principal foi a busca por entendimento enquanto característica comum a todos os entrevistados, sinalizando ser essa busca intrinsecamente uma necessidade humana. A verdade da história encontrada mostrou-se menos importante que o encontro de uma história entendida, essa sim verdadeira. A autora sugere que o estudo de nossas mentes na atividade de difusão da psicanálise pode ser útil também para nossa própria convicção do valor do instrumento psicanalítico (AU)


Palavras-chave


Psicanálise; Narração; Difusão da psicanálise; História; Historização; Mente do psicanalista

Texto completo:

PDF

Referências


BION, W. R. (1970). Attention and interpretation. London: Karnac.

FERRO, A. (2000). A psicanálise como literatura e terapia. Rio de Janeiro: Imago.

FIGUEIRA, S. A. (1994). Freud e a difusão da psicanálise. Porto Alegre: Artes Médicas.

FREUD, S. (1922). Dois verbetes de enciclopédia. In: Edição Standard Brasileira das Obras

Psicológicas completas de Sigmund Freud. v. 18. Rio de Janeiro: Imago, 1969. p. 284-312.

OGDEN, T. H. (2005). Do que eu não abriria mão. Revista de Psicanálise da SPPA. v. 12, n.3,

p. 403-415.

OUTCAULT, R. (1896). The yellow kid. In: ARCO E FLEXA, R. Problemas Brasileiros, maio/

jun. 2003. Disponível em:

file/prb0305357_07.pdf >Acesso em: 20 jan. 2007.

QUINTANA, M. (1986). Baú de espantos. Porto Alegre: Globo.

REZENDE, A. M. (1999). A identidade do analista: função e fatores. Revista Latino-Americana

de Psicanálise. v. 3, n.1, p. 161-177.

WINNICOTT, D. W. (1971). O Brincar e a realidade. Rio de Janeiro: Imago, 1975




DOI: https://doi.org/10.5281/sppa%20revista.v15i2.579

Direitos autorais 2017 Eneida Iankilevich

Revista de Psicanálise da SPPA | Publicada desde 1993 (1988-93 com o nome de Arquivos de Psicanálise da SPPA)

Publicação Quadrimestral | ISSN 1413-4438 (versão impressa) | ISSNe 2674-919X (versão eletrônica) | Qualis: B2 Psicologia
 
INDEXADORAS:
LILACS | Biblioteca Virtual da Saúde (OPAS - BIREME)
CLASE | Citas Latinoamericanas en Ciencias Sociales y Humanidades (Universidad Nacional Autónoma de México - UNAM)
Scholar | Google Acadêmico

Sociedade Psicanalítica de Porto Alegre

Rua General Andrade Neves, 14/402 | 90010-210 | Porto Alegre, RS, Brasil | Fone +55 (51) 3224-3340 | WhatsApp (51) 9 8487-0158 | E-mail: revista@sppa.org.br