Acesso Livre Acesso Livre  Acesso restrito Acesso Restrito ou Pago

Shakespeare: transformações em imagens

Germano Vollmer Filho, Aldo Luiz Coelho Borges Duarte, Alice Milman Bugin, Denise Vivian Lahude, Flávia Friedman Maltz, Guilherme Galant Vollmer, Suzana Deppermann Fortes

Resumo


No presente trabalho os autores procuram compreender a atividade criativa de Shakespeare à luz da teoria das transformações, de Bion. Atribuem a criatividade e atualidade da obra do poeta e dramaturgo às transformações de emoções e sensações humanas em imagens, representadas por seus personagens, que enfrentam as questões da vida e da morte. Buscando as raízes desta capacidade, creem ser a principal delas o fato de, cedo na vida, ter-se defrontado com a morte devido à peste que assolou a Europa e com a vida graças ao amor extremo de sua mãe. Algumas passagens da obra de Shakespeare são citadas para ilustrar os pontos de vista dos autores.

 

Shakespeare: transformations into images

In this paper the authors try to understand Shakespeare’s creative activity utilizing Bion’s transformation theory. They attribute the creativity and current content of the work poet and playwright’s to the transformations of human emotions and sensations into images, represented by his characters, which face the issues of life and death. Searching the roots of such capacity, they believe that the main fact was that, early in life, Shakespeare was confronted with death due to the pest which devastated Europe, and with life due to the extreme love from his mother. Some passages of Shakespeare’s work are mentioned to illustrate the authors’ vantage points.


Palavras-chave


Shakespeare; transformações; humano; imaginação; origem da capacidade transformacional

Texto completo:

PDF

Referências


Bion, W. R. (1965). Transformaciones. Valencia: Promolibro, 2001.

Bloom, H. (1998). Shakespeare: a invenção do humano. Rio de Janeiro: Objetiva.

Grinberg, L., Sor, D., Tabak de Bianchedi, E. (1973). Introducción a las ideas de Bion. Buenos Aires: Nueva Visión.

Grotstein, J. S. (2000). Quem é o sonhador que sonha o sonho? um estudo de presenças psíquicas. São Paulo: Imago, 2003.

Honan, P. (1998). Shakespeare: uma vida. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

Shakespeare, W. (1995). Hamlet; Macbeth. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

_____. (2000). Henrique IV: segunda parte. Rio de Janeiro: Lacerda.

_____. (2006). Ricardo III. Rio de Janeiro: Lacerda.

_____. ([1597]). Sonho de uma noite de verão; o mercador de Veneza. São Paulo: Melhoramentos, 2000.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2013 Revista de Psicanálise da SPPA

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

Revista de Psicanálise da SPPA | Publicada desde 1993 (1988-93 com o nome de Arquivos de Psicanálise da SPPA)

Publicação em fluxo contínuo | ISSNe 2674-919X (versão eletrônica) | ISSN 1413-4438 (versão impressa) | Qualis B1 (Psicologia)


INDEXADORAS

BiViPsi | Biblioteca Virtual de Psicanálise (FEPAL)
CLASE | Citas Latinoamericanas en Ciencias Sociales y Humanidades (Universidad Nacional Autónoma de México - UNAM)
EBSCO | Academic Search Ultimate (EBSCO Industries, Inc. USA)
Latindex (Diretório) | Sistema Regional de Información en Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal (Universidad Nacional Autónoma de México - UNAM)
LILACS | Biblioteca Virtual da Saúde (OPAS - BIREME)
PsycINFO | American Psychoanalytical Association (APA)
Scholar | Google Acadêmico

 
Rua General Andrade Neves, 14/402 | Centro Histórico | 90010-210 | Porto Alegre, RS | Brasil-| +55 51 98487 0158 | revista@sppa.org.br