Acesso Livre Acesso Livre  Acesso restrito Acesso Restrito

Adicção ao sofrimento

Helga de S. de S. Machado Quagliatto

Resumo


A partir de uma experiência de violência doméstica narrada na sala de
análise, realiza-se uma tentativa de compreensão psicanalítica da adicção
ao sofrimento baseada nas contribuições de Freud, Fairbairn, Grotstein,
Roussillon e Winnicott. A autora destaca a clínica de situações limites em
que se observam movimentos de desintegração frente à incapacidade de
ligação da psique entre as ordens da realidade interna e externa,
evidenciando-se um paradoxo no qual a paciente não pode parar de se
submeter à violência, pois é através deste expediente que ela crê no alívio do seu sentimento de desamparo, garantindo a condição de se sentir amada. Simultaneamente, esse comportamento que a liga ao objeto é fonte de rejeição por parte deste. A situação de sofrimento, resultante deste paradoxo, tem a culpa como elemento que organiza um sistema defensivo em que a submissão e a devoção colocam a paciente como toxicômana do amor do objeto. Frente à adicção ao sofrimento, depurar e converter o objeto se apresenta como uma saída onipotente para salvarse a si mesma. A intenção da autora é discutir o trabalho analítico dessas configurações paradoxais na estabilidade e previsibilidade do setting, na disponibilidade de escuta e sustentação emocional e no desenvolvimento da confiança, em busca de um amor – transferencial – ainda desconhecido (AU)


Palavras-chave


Sofrimento; Paradoxo; Desamparo; Violência

Texto completo:

PDF

Referências


ABRAM, J. (2000 ). Self. In: A linguagem de Winnicott: dicionário de palavras e expressões

utilizadas por Donald W. Winnicott. Rio de Janeiro: Revinter, p. 220-237.

CELERI, E. H. R. V., OUTERIAL, J., MELLO FILHO, J. de, GOLDSTEIN, R. Z. (2008) Paradoxo,

objeto transicional e fetiche. Rev. Bras. Psicanálise, v. 42, n. 1, p. 60-73.

COIMBRA DE MATOS, A. (2000). O problema da melancolia na obra de Fairbairn. Rev. Bras.

Psicanálise, v. 34, n. 1, p. 25-37.

FAIRBAIRN, W. R. (1944). Las Estructuras endopsíquicas consideradas em términos de relaciones

de objeto. In: Estudio psicoanalítico de la personalidad. Buenos Aires: Paidós, 1978, p. 91-133.

FREUD, S. (1915). Luto e melancolia. In: Edição standard brasileira das obras psicológicas

completas de Sigmund Freud. v. 14. Rio de Janeiro: Imago, 1976, p. 275-292.

. (1923a). As relações dependentes do ego. In: Edição standard brasileira das obras

psicológicas completas de Sigmund Freud. v. 19. Rio de Janeiro: Imago, 1976, p. 64-76.

. (1923b). O ego e o id. In: Edição standard brasileira das obras psicológicas completas

de Sigmund Freud. v. 19. Rio de Janeiro: Imago, 1976, p. 23-284.

. (1924). O problema econômico do masoquismo. In: Edição standard brasileira das obras

psicológicas completas de Sigmund Freud. v. 19. Rio de Janeiro: Imago, 1976, p. 217-228.

FORLENZA NETO, O. (2002). Da realidade do mundo ao sentir-se real. Rev. Bras. Psicanálise, v.

, n. 4, p. 817-826.

GREENBERG, J. R.; MITCHELL, S. A. (1994). W. R. D. Fairbairn. In: Relações objetais na

teoria psicanalítica. Porto Alegre: Artes Médicas, p. 111-169.

GROTSTEIN, J. S. (2000). “O tigre no portão”, reflexões sobre a turbulência emocional, de Bion.

Rev. de Psicanálise da SPPA, v. 7, n. 3, p. 461-472.

OLIVEIRA, A. R. D. (2007). Amor primitivo, amor verdadeiro. Rev. Bras. Psicanálise, v. 41, n. 4,

p. 89-102.

ROUSSILON, R. (1991). Le fait psychanalytique: paradoxes et situations limites de la psychanalise.

Paris: PUF, 1992.

TANIS, B. (2010). Presença do paradoxo na construção de vínculos: clínica, alteridade e cultura.

Jornal de Psicanálise – São Paulo. v. 43, n. 78, p. 57-78.

WINNICOTT, D. W. (1958). Psicanálise do sentimento de culpa. In: O ambiente e os processos de

maturação. Porto Alegre: Artes Médicas, 1983, p. 19-30.

. (1960). Distorção do ego em termos de falso e verdadeiro “self”. In: O ambiente e os

processos de maturação. Porto Alegre: Artes Médicas, 1983, p. 128-139.

. (1968). A comunicação entre o bebê e a mãe e entre a mãe e o bebê: convergências e

divergências. In: Os bebê e as mães. São Paulo: Martins Fontes, 1988, p. 79-92.

. (1971). O lugar em que vivemos. In: O brincar e a realidade. Rio de Janeiro: Imago,

, p. 145-152.




DOI: https://doi.org/10.5281/sppa%20revista.v19i2.560

Direitos autorais 2012 Revista de Psicanálise da SPPA

Revista de Psicanálise da SPPA | Publicada desde 1993 (1988-93 com o nome de Arquivos de Psicanálise da SPPA)

Publicação Quadrimestral | ISSN 1413-4438 (versão impressa) | ISSNe 2674-919X (versão eletrônica) | Qualis: B2 Psicologia
 
INDEXADORAS:
LILACS | Biblioteca Virtual da Saúde (OPAS - BIREME)
CLASE | Citas Latinoamericanas en Ciencias Sociales y Humanidades (Universidad Nacional Autónoma de México - UNAM)
Scholar | Google Acadêmico

Sociedade Psicanalítica de Porto Alegre

Rua General Andrade Neves, 14/402 | 90010-210 | Porto Alegre, RS, Brasil | Fone +55 (51) 3224-3340 | WhatsApp (51) 9 8487-0158 | E-mail: revista@sppa.org.br