Acesso Livre Acesso Livre  Acesso restrito Acesso Restrito

A problemática da simbolização e a clínica psicanalítica

Teresa Olmos de Paz

Resumo


A origem da simbolização, no pensamento freudiano, tem a ver com a vivência de satisfação. A partir dela, constitui-se o primeiro núcleo de simbolização. Aquilo que se encontra gravado na psique a partir da vivência de satisfação e que logo aparece como alucinação não é o reflexo do objeto real, mas a produção de algo novo. É uma marca e, nesse sentido, como marca, tem um caráter simbólico. É uma marca que é a presença de uma ausência. Atualmente, em muitos pacientes, o efeito da angústia da separação, da intrusão e do aniquilamento recai sobre as falhas nos processos de simbolização e produz transtornos que observamos, em primeiro plano, naqueles pacientes cujo funcionamento psíquico se move nas fronteiras da tópica psíquica. Também, em muitos pacientes com um funcionamento psíquico predominantemente neurótico, uma escuta atenta de nossa parte leva-nos a descobrir que sua compulsão à repetição e suas resistências estão ligadas a perturbações nos processos de simbolização. Uma vinheta clínica mostra essas falhas na simbolização.

 

The problematic of symbolization and the psychoanalytic clinic

The origin of symbolization, in the freudian thought, is related to the experience of satisfaction. This experience constitutes the first kernel of symbolization. What is inscribed in the psyche from the experience of satisfaction and which soon appears as hallucination, is not a reflection of the real object, but the production of something new. It is a trace and, accordingly, as a trace, it has a symbolic aspect. It is a trace which is the presence of an absence. Currently, in many patients, the effect of separation anxiety, of intrusion and of annihilation, lies in the flaws of the processes of symbolization and produces disorders we observe specifically, in those patients whose mental functioning moves in the boundaries of the psyche. If we listen carefully to patients who show mainly a neurotic functioning, we will discover as well that their repetition compulsion and their resistances are related to disturbances in the processes of symbolization. These mentioned symbolization flaws are illustrated by a clinical example.

Keywords: trace, representation, experience, sense, meaning, symbolization.

 


Palavras-chave


marca; representação; vivência; experiência; sentido; significação; simbolização

Texto completo:

PDF

Referências


Aulagnier, P. (1986). El aprendiz de historiador y el maestro brujo: del discurso identificante al discurso delirante. Buenos Aires: Amorrortu.

Bion, W. (1963). Aprendiendo de la experiência. Buenos Aires: Paidós.

_____ (1979). Making the best of a bad job. In W. Bion & F. Bion (Ed.) Clinical Seminars and four papers: Brasília and São Paulo (pp. 247-257). Abingdon: Fleetwood, 1987.

Freud, S. (1900). La interpretación de los sueños (segunda parte): sobre el sueño (Vol. 5). Buenos Aires: Amorrortu.

Laplanche, J. (1987). Nuevos fundamentos para el psicoanálisis: la seducción originaria. Buenos Aires: Amorrotu.

_____(1992). La prioridad del otro en psicoanálisis. Buenos Aires: Amorrortu.

Olmos de Paz, T. (2012, Febrero).Una reflexión sobre el Método Psicoanalítico y su Objeto: ¿De qué manera ha cambiado la técnica? Primer Encuentro de Psicoanalistas de Lengua Castellana. Madrid: Casa de América.




DOI: https://doi.org/10.5281/sppa%20revista.v20i3.45

Direitos autorais

Revista de Psicanálise da SPPA | Publicada desde 1993 (1988-93 com o nome de Arquivos de Psicanálise da SPPA)

Publicação Quadrimestral | ISSN 1413-4438 (versão impressa) | ISSNe 2674-919X (versão eletrônica) | Qualis: B2 Psicologia
 
INDEXADORAS:
LILACS | Biblioteca Virtual da Saúde (OPAS - BIREME)
CLASE | Citas Latinoamericanas en Ciencias Sociales y Humanidades (Universidad Nacional Autónoma de México - UNAM)
Scholar | Google Acadêmico

Sociedade Psicanalítica de Porto Alegre

Rua General Andrade Neves, 14/402 | 90010-210 | Porto Alegre, RS, Brasil | Fone +55 (51) 3224-3340 | WhatsApp (51) 9 8487-0158 | E-mail: revista@sppa.org.br