Acesso Livre Acesso Livre  Acesso restrito Acesso Restrito

O amor, um pássaro rebelde

Marisa Faermann Eizirik

Resumo


O amor tem história, e deixa marcas: o amor platônico, o amor cortês, o amor romântico, o amor líquido.  Cada época tem uma paisagem, um cenário,formas de amareser amado. O amor muda no tempo, e com o tempo. Sempre rebelde a ser aprisionado, é fluxo e intensidade. Ao percorrer alguns momentos da história do pensamento no que tange ao tema do amor, encontramos rastrosem nosso imaginário.  Platão, por exemplo, nos deixou textos antológicos sobre o amor. Marcou a cultura ocidental profundamente, com a divisão corpo-alma, mundos dionisíaco e apolíneo. Somente a revolução sexual da metade do século XX conseguiu fraturar esse modelo, produzindo mudanças que chegaram ao século XXI como um redemoinho, absorvidas por uma contemporaneidade irremediavelmente afetada pela velocidade e pelo dilúvio da informação, o culto da imagem, a internet, os sites de relacionamento, que atingem o corpo, o erotismo, a busca de prazer, as relações amorosas. Esses são alguns tópicos de que trata esse artigo.

Palavras-chave: amor, corpo, tempo, intimidade, contemporaneidade.


Palavras-chave


amor; corpo; tempo; intimidade; contemporaneidade

Texto completo:

PDF

Referências


Agamben, G. (2013). O que é o contemporâneo? Chapecó, SC: Argos.

Ariès, P. (1987). O amor no casamento. In P. Ariés; A. Béjin. Sexualidades ocidentais: contribuições para a história e para a sociologia da sexualidade. São Paulo: Brasiliense.

Badiou, A. & Truong, N. (2013). Elogio ao amor. São Paulo: Martins Fontes.

Bauman, Z. (2011). A ética é possível em um mundo de consumidores? Rio de Janeiro: Zahar.

Chul-Han, B. (2012). A agonia de Eros. Petrópolis: Vozes.

Corbin, Alain, Courtine J. J., & Vigarello, G. (2008). História do corpo: as mutações do olhar: o século XX. Petrópolis: Vozes.

Costa, J. F. (1998). Sem fraude nem favor – estudos sobre o amor romântico. Rio de Janeiro: Rocco.

Deleuze, G. (1994). Désir et plaisir. Magazine Littéraire. Paris, 325 : 57-65.

Duby, G. (1989). Idade média, idade dos homens: do amor e outros ensaios. São Paulo: Companhia das Letras.

Eizirik, M. F. (2005). Michel Foucault, um pensador do presente. 2. ed. Ijuí: UNIJUÍ.

Ferry, L. (2012). A revolução do amor. Rio de Janeiro: Objetiva.

Foucault, M. (1988a). A vontade de saber. In História da sexualidade (Vol. 1). Rio de Janeiro: Graal.

Foucault, M. (1988b). O uso dos prazeres. In História da sexualidade (Vol. 2). Rio de Janeiro: Graal.

Foucault, M. (1988c). O cuidado de si. In História da sexualidade (Vol. 3). Rio de Janeiro: Graal.

Galeano, E. (2005). O livro dos abraços. Porto Alegre: L&PM.

Holanda, C. B. (1987). Todo o sentimento. Recuperado de https://www.ouvirmusicajunto.com.br/chico_buarque.

Illouz, E. (2012). Why love hurts: a sociological explanation. Cambridge: Polity.

Lauretis, D. (2011). Sexualité: biopouvoir ou Trieb?, tr. Myriam Dennehy. In M. Foucault, Cahier de l’Herne, (pp. 364-371). Eds. Philippe Artières, Jean-François Bert, Frédéric Gros, Judith Revel. Paris: Éditions de l’Herne.

Lázaro, A. (1996). Amor do mito ao mercado. Rio de Janeiro: Vozes.

Maffessoli, M. (2014). Homo eroticus: des communions émotionnelles. Paris: CNRS.

Nietzsche, F. (1978). Sobre a verdade e a mentira no sentido extra-moral. In F. Nietzsche, Obras incompletas (pp. 43-52), São Paulo: Abril Cultural.

Nietzsche, F. (2003). Ecce homo. Porto Alegre: L&PM.

Nietzsche, F. (2008). Fragmentos póstumos IV (1885-1879) (2ª ed.). Madrid: Tecnos.

Pessoa, F. (1982). O livro do desassossego. Lisboa: Brasiliense.

Platão (1983). O banquete. In Platão, Diálogos, 1. São Paulo: Abril Cultural (Col. Os Pensadores)

Roos, R. & Eizirik, M. F. (2004). O amor e as práticas de si. Porto Alegre (texto não publicado)

Rougemont, D. (2003). História do amor no ocidente. São Paulo: Ediouro.

Spinoza, B. (2016, 15 de abril). Voir le monde autremant. Philosophie Magazine, Hors-Série, 29.

Spinoza, B. (Décembre 2017/ Janvier 2018). Traité de la réforme de l`entendement (redigé vers 1660) – la décision de soi. Philosophie Magazine, 115 (68).

Tisseron, S. (2011). L’intimité surexposée. Communications, 1 (88) : 83-91.

Vernant, J. P. (1998). Las orígenes del pensamiento griego. Barcelona: Paidós.

Wolf, C. (1996). Medeia: vozes. Lisboa: Cotovia.




Revista de Psicanálise da SPPA  |  ISSN 1413-4438  |  ISSNe 2674-919X  | RPdaSPPA no Google Scholar

Classificação Qualis: B2 Psicologia

Sociedade Psicanalítica de Porto Alegre

Rua General Andrade Neves, 14/802 | 90010-210 | Porto Alegre, RS, Brasil | Fone +55 (51) 3228-7583 | E-mail: revista@sppa.org.br