Acesso Livre Acesso Livre  Acesso restrito Acesso Restrito

Amor no tratamento analítico: situação total?

Cátia Olivier Mello

Resumo


Alinhando-se a concepções mitológicas sobre o tema, este trabalho busca pensar o amor no tratamento analítico como situação total, à luz da teoria e da técnica psicanalítica atuais e de vinhetas de tratamentos de crianças e adolescentes.

Palavras-chave: amor, situação total, psicanálise de crianças e adolescentes.

 

Abstract

Love in the psychoanalytic treatment: a total situation?

Alying with the mythological conception of the theme, this paper aims to think about love in actual psychoanalytic treatment as a total situation. Child and adolescent clinical vignettes illustrate this point of view.

Keywords: love, total situation, psychoanalysis of children and adolescents.

 

Resumen

Amor en el tratamiento analítico: ¿situación total?

Alineándose a concepciones mitológicas sobre el tema, este trabajo tiene como objetivo pensar el amor en el tratamiento analítico como situación total a la luz de la teoría y la técnica psicoanalíticas actuales y de viñetas de tratamientos de niños y adolescentes.

Palabras clave: amor, situación total, psicoanálisis de niños y adolescentes.


Palavras-chave


amor; situação total; psicanálise de crianças e adolescentes

Texto completo:

PDF

Referências


Aulagnier, P (1975). A violência da interpretação: do pictograma ao enunciado. Rio de Janeiro: Imago, 1979.

Aulagnier, P. (1979). As relações de assimetria e seu protótipo: a paixão. In Os destinos do prazer: alienação, amor e paixão, p. 149-165. Rio de Janeiro: Imago, 1985.

Aulagnier, P. (1984). O aprendiz de historiador e o mestre feiticeiro: do discurso identificante ao discurso delirante. São Paulo: Escuta, 1989.

Baranger, M. & Baranger, W. (1961 e 1962). La situación analítica como campo dinámico. Revista Uruguaya de Psicoanálisis, 4 (1): 3-54.

Baranger, M. (2005). La teoria del campo. In Lewcowicz, S, & Flechner, S (Eds). Verdad, realidad y el psicoanalista: contribuiciones latinoamericanas al psicoanálisis. (pp. 49-71). International Psychoanalysis Library: Londres.

Bion, W. (1973). A memória e o desejo pacificam a mente. In W. R. Bion. Atenção e interpretação: uma aproximação científica à compreensão interna na psicanálise e nos grupos (pp. 51-64). Rio de Janeiro: Imago.

Bion, W. R. (1962). Aprendiendo de la experiencia. Buenos Aires: Paidós.

Bollas C. (1987). The Transformational object. In The Shadow of the objetct: psychoanalysis of the unthought known, p. 13-29. New York: Columbia University Press.

Botella, C. & Botella, S. (2002). Irrepresentável, mais além da representação. Porto Alegre (RS): Editora Criação Humana.

Delleuze, G. (1982). Lógica do sentido. São Paulo: Perspectiva.

Fedida, P. (1996). O interlocutor. In O sítio do estrangeiro: a situação psicanalítica (pp. 99-174). São Paulo: Escuta.

Fernandes da Motta, I. (2005). O gesto espontâneo e a interpretação criativa. Mudanças - Psicologia da Saúde,13(2), jul-dez, 374-388.

Fischer, J. (2008). A experiência emocional de K. Livro Anual de Psicanálise, 22: 203-217.

Freud, S. (1915). Observações sobre o amor de transferência. Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud. Rio de Janeiro: Imago, 1971.

Freud, S. (1919). O estranho. In Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud. Rio de Janeiro: Imago, 1996.

Freud, S. (1924). Análise terminável e intermninável. In Edição standard brasileira das obras psicológicas de Sigmund Freud. Rio de janeiro: Imago: 1971.

Green, A. (2007). Compulsão à repetição e o princípio do prazer. Revista Brasileira de Psicanálise, 41 (4): 131-141.

Guerra, V. (2017). Simbolização e objetos na vida psíquica: objetos tutores. Jornal de Psicanálise, 50 (92).

Guignard, F. (1997). O infantil ao vivo: reflexões sobre a situação psicanalítica. Rio de Janeiro: Imago.

Heimann, P. (1950). Sobre a contratransferência. Revista de Psicanálise da Sociedade Psicanalítica de Porto Alegre, 2(1), 171-176, 1995.

Hesíodo. Teogonia, a origem dos deuses. Estudo e tradução de Jaa Torrano. São Paulo: Iluminuras, 1995.

Kancyper, L. (2007). Adolescencia: el fin de la ingenuidade. Buenos Aires: Lumen.

Kancyper, L. M. (1999). La confrontación generacional como campo dinámico. In Volviendo a pensar con Willy y Madeleine Baranger – nuevos desarollos (pp. 169-216). Buenos Aires: Lúmen.

Klein, M. (1934). Uma contribuição à psicogênese dos estados maníaco-depressivos. In Contribuições à psicanálise. São Paulo: Mestre Jou, 1981.

Knijnik, J.; Rispoli, A., Tofani, A. C. A., Mello, C. O., Rubin, L. C., Pacheco, M. H. R. & Eizirik, C. L. (2012). Baluarte, surpresa e comunicação no campo analítico. Revista Brasileira de Psicanálise, 46 (1): 150-161.

Koffka, K. (1935). Principles of Gestalt theory. London: Routhlege Psychology Presss, 1999.

Kohler, W. (1969). The task of Gestalt psychology. New Jersey: Princeton University Press, 1972.

Lana, L. C. C. & França, R. O. (2008). Do cotidiano ao acontecimento, do acontecimento ao cotidiano. Revista da Associação Nacional dos Programas de Pós-graduação em Comunicação E-compós, vol. 11(3): 1-13.

Lewin, K. (1935). A dynamic theory of personality: selected papers. New York: McGraw Hill Book Company.

Merlau-Ponty, M. (1945). Fenomenologia da percepção. In Os Pensadores, vol. XLI. São Paulo: Abril, 1975.

Morin, E. (2011). A cabeça bem-feita: repensar a reforma, reformar o pensamento. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Ogden T. (1996). O terceiro analítico: trabalhando com fatos clínicos intersubjetivos. In T Ogden, Os sujeitos da psicanálise, p. 57-92. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Platão. O banquete (o amor, o belo). Livro de domínio público. Circa 380 A.C.

Racker, H. (1982). Estudos sobre técnica psicanalítica. Porto Alegre: Artes Médicas.

Ravanello, T. & Martinez, M. C. (2013). Sobre o campo amoroso: um estudo do amor na teoria freudiana. Cadernos de Psicanálise do Rio de Janeiro, 35 (29): 159-183.

Wertheimer, M. (1945). Productive thinking. New York, NY: Harper.

Winnicott, D. W. (1953[1951]). Objetos transicionais e fenômenos transicionais. In D. W. Winnicott (1971), Da pediatria à psicanálise. Rio de Janeiro: Imago, 2000.

Winnicott, D. W. (1968) A interpretação na psicanálise. In C. Winnicott, R. Shepherd, M. Davis (orgs). Explorações psicanalíticas, (p.163-166), Porto Alegre: Artes Médicas, 1994.

Winnicott, D.W. (1965[1963]). Da dependência à independência no desenvolvimento do indivíduo. In D. W. Winnicott (1963), O ambiente e os processos de maturação: estudos sobre a teoria do desenvolvimento emocional, p. 38-54. Porto Alegre: Artes Médicas,1990.




DOI: https://doi.org/10.5281/sppa%20revista.v25i1.337

Direitos autorais 2018 Revista de Psicanálise da SPPA

Revista de Psicanálise da SPPA | Publicada desde 1993 (1988-93 com o nome de Arquivos de Psicanálise da SPPA)

Publicação Quadrimestral | ISSN 1413-4438 (versão impressa) | ISSNe 2674-919X (versão eletrônica) | Qualis: B2 Psicologia
 
INDEXADORAS:
LILACS | Biblioteca Virtual da Saúde (OPAS - BIREME)
CLASE | Citas Latinoamericanas en Ciencias Sociales y Humanidades (Universidad Nacional Autónoma de México - UNAM)
Scholar | Google Acadêmico

Sociedade Psicanalítica de Porto Alegre

Rua General Andrade Neves, 14/402 | 90010-210 | Porto Alegre, RS, Brasil | Fone +55 (51) 3224-3340 | WhatsApp (51) 9 8487-0158 | E-mail: revista@sppa.org.br