Acesso Livre Acesso Livre  Acesso restrito Acesso Restrito

O impacto da defesa perversa no campo analítico

Mauro Gus, Ida Ioschpe Gus, Ana Cristina Pandolfo, Angela Plass, Maria Regina Ortiz, Martha Magalhães Bellora, Sandra Machado Wolffenbüttel

Resumo


Resumo

Este trabalho aborda o impacto da defesa perversa no campo psicanalítico, considerando as diferenças de defesas e estrutura perversas. Através da discussão de uma vinheta clínica, busca-se a compreensão metapsicológica que melhor define e distingue ambas as situações. Destacamos que, do ponto de vista técnico, tais situações clínicas podem ser abordadas predominantemente via enactment, enfatizando a importância da mobilização e implicação da mente do analista na configuração do campo analítico como recursos terapêuticos.

Palavras-chave: defesa perversa, campo analítico, enactment, recursos técnicos.


Palavras-chave


defesa perversa; campo analítico; enactment; recursos técnicos

Texto completo:

PDF

Referências


Aulagnier, P. (1975). La violencia de la interpretación: del pictograma al enunciado (5 ed). Buenos Aires: Amarrotu, 2001.

Baranger, W. & Baranger, M. (1982). Processo y no processo en el trabalho analítico. Revista de Psicoanálisis APA, 39 (4): 527-549.

Bion, W. R. (1962a). Aprendiendo de la experiencia. Barcelona: Paidós, 1980.

Bion, W. R. (1962b). Sobre uma teoria do pensar. In Estudos psicanalíticos revisados. Rio de Janeiro: Imago, 1994.

Bion, W. R. (1962c). Ataques aos elos de ligação. In Estudos psicanalíticos revisados. Rio de Janeiro: Imago, 1994.

Bleichmar, H. (1984). Introdução ao estudo das perversões: teoria do Édipo em Freud e Lacan. Porto Alegre: Artes Médicas, 1991.

Bonasia, E. (2003). Contratransferência: erótico, erotizada, perversa. Livro Anual de Psicanálise, 17: 41-53.

Botella, C. & Botella, S. (1997). Mas allá de la representación. Valencia: Promolibro.

Cassorla, R. M. S. (2001). Acute enactment as a ‘resource’ in disclosing a collusion between the analytical dyad. International Journal of Psychoanalysis, 82 (6):1155-1170.

Cassorla, R. M. S. (2004). Desenvolvimento do conceito de enactment ("colocação em cena da dupla") a partir do estudo de configuração borderline. Revista Brasileira de Psicanálise, 38 (3): 521-540.

Chasseguet-Smirgel, J. (1984). O universo sádico-anal e a perversão. In Ética e estética da perversão. Porto Alegre: Artes Médicas, 1991.

Etchegoyen, H. (2002). Perversión de transferencia. Aspectos teóricos y técnicos. Buenos Aires: Lumen.

Freud, S. (1905). Três ensaios sobre a teoria da sexualidade. In Edição Standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (Vol.7). Rio de Janeiro: Imago, 1972.

Freud, S. (1914). Recordar, repetir e elaborar. In Edição Standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (Vol.12). Rio de Janeiro: Imago, 1972.

Freud, S. (1927). Fetichismo. In Obras psicológicas de Sigmund Freud (Vol.3). Rio de Janeiro: Imago, 2007.

Green, A. (1975). Sobre a loucura pessoal. Rio de Janeiro: Imago, 1988.

Green, A. (2002). Orientações para uma psicanálise contemporânea. Rio de Janeiro: Imago, 2008.

Gus, M. (2007). Acting, enactment e a realidade psíquica em cena no tratamento analítico das estruturas borderline. Revista Brasileira de Psicanálise, 41(2): 45-53.

Johan, M. & McLaughlin, J. T. (1992). Panel report: Enactments in psychoanalysis. J. Amer. Psychoanal. Assn., 40 (3): 827-841.

Joseph, B. (1971). Uma contribuição clínica para a análise de uma perversão. In M. Feldman & E.B. Spillius. (Orgs.) Equilíbrio psíquico e mudança psíquica: artigos selecionados de Betty Joseph. Rio de Janeiro: Imago, 1992.

Kernberg, O. (1992). Agression. In Personality disorders and perverse. New York: Yale University.

Mahler, M. S., Pine, F.& Bergman, A. (1977). O nascimento psicológico da criança: simbiose e individualização. Rio de Janeiro: Zahar.

Rocha, N. J. N. (2009). Enactment: modelo para pensar o processo psicanalítico. Revista Brasileira de Psicanálise, 43 (2): 173-82.

Roudinesco, E. (1997). Perversão. In Dicionário de psicanálise. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998.

Rupprecht-Schampera, U. (1995). The concept of ‘early triangulation’ as key to a unified model of hysteria. Int. J. Psycho-Anal., 76: 457-473.




Sociedade Psicanalítica de Porto Alegre
Rua General Andrade Neves, 14/802
Porto Alegre - RS - Brasil
90010-210

Fone: 55 (51) 3228 7583 / 3224 3340 
revista@sppa.org.br