Acesso Livre Acesso Livre  Acesso restrito Acesso Restrito

Revisitando o campo psicanalítico

Paulo Henrique Favalli

Resumo


O tema central deste trabalho é a mudança paradigmática nos fundamentos teóricos e técnicos da observação psicanalítica, representada pela exposição feita pelo casal Madeleine e Willy Baranger, em 1961, do conceito de campo psicanalítico. O texto propõe uma linha evolutiva apresentando, inicialmente, as ideias precursoras que contribuem à formulação do conceito. Após uma síntese do artigo dos Baranger, seguem-se as ampliações que o pensamento de W. Bion trouxe ao tema. Complementa o trabalho a narrativa de uma experiência clínica.

Palavras-chave: campo psicanalítico, transferência, contratransferência, intersubjetividade.

 

Abstract

Revisiting the psychoanalytic field

The main topic of this work is the paradigmatic change in the theoretical and technical foundations of psychoanalytic observation, represented by the description of the psychoanalytic field made by the Madeleine and Willy Baranger couple in 1961. The paper follows a temporal line: first, it presents the early ideas contributing to the concept’s formulation. Secondly, after summarizing Baranger’s paper, it explores the expansion brought about by W. Bion’s thinking to the topic.  A clinical experience report complements the work.

Keywords: psychoanalytical field, transference, countertransference, intersubjectivity.

Resumen

Revisando el campo psicoanalítico

El tema central de este trabajo es el cambio paradigmático en los fundamentos teóricos y técnicos de la observación psicoanalítica que representó la exposición realizada por la pareja Madeleine y Willy Baranger, en 1961, del concepto de campo psicoanalítico. En el texto se propone una línea evolutiva presentándose, inicialmente, las ideas precursoras que contribuyeron a la formulación del concepto. Después de una síntesis del artículo de los Baranger, se exponen las ampliaciones que el pensamiento de W. Bion aportó al tema. Complementa el trabajo el relato de una experiencia clínica.

Palabras clave: campo psicoanalítico, transferencia, contratransferencia, intersubjetividad.

campo psicanalítico, transferência, contratransferência,

intersubjetividade.


Palavras-chave


campo psicanalítico; transferência; contratransferência; intersubjetividade

Texto completo:

PDF

Referências


Baranger, M. (1992). A mente do analista: da escuta à interpretação. Rev. Bras. Psicanálise, 26 (4): 573-586.

Baranger, W. & Baranger, M. (1961-62). La situación analítica como campo dinámico. In Problemas del campo psicoanalítico (pp. 129-164). Buenos Aires: Kargieman, 1969. (Trabalho original publicado na Revista Uruguaya de Psicoanálisis)

Barros, E. M. R. (1991). O conceito de transferência: uma síntese do ponto de vista kleiniano. In A. Slavutzky, (Org.). Transferências. São Paulo: Escuta, (pp. 125-150).

Bergstein, A. (2013). Transpor a cesura: reverie, sonhar e sonhar na contratransferência. Livro Anual de Psicanálise, 29: 129-151.

Bion, W. (1959). Ataques ao elo de ligação. In Estudos psicanalíticos revisados (Second thoughts, pp. 81-86). São Paulo: Imago, 1988.

Bion, W. (1961). Experiências com grupos. Rio de Janeiro: Imago, 1970.

Bion, W. (1962a). Uma teoria sobre o processo de pensar. In Estudos psicanalíticos revisados (Second thoughts, pp. 101-109). São Paulo: Imago, 1988.

Bion, W. (1962b). Aprendiendo de la experiencia. Buenos Aires: Paidós, 1975.

Bion, W. (1963). Os elementos da psicanálise. Rio de Janeiro: Zahar.

Bion, W. (1967). Estudos psicanalíticos revisados (Second thoughts). Rio de Janeiro: Imago, 1988.

Bion, W. (1970). Atenção e interpretação. Rio de Janeiro: Imago, 2007. (Tradução de Paulo C. Sandler)

Bion, W. (1976). Sobre uma citação de Freud. Revista de Psicanálise da SPPA, 7 (2): 291-296.

Bion, W. (1977). Two papers: the grid and caesura. Rio de Janeiro: Imago.

Civitarese, G. (2010). ‘Cesura’ como o discurso do método de Bion. Livro Anual de Psicanálise, 24: 145-163.

Civitarese, G. (2015). O inconsciente inacessível e a reverie como um caminho para a figurabilidade. Porto Alegre: Sociedade Psicanalítica de Porto Alegre.

De Leon Bernardi, B. (2010). Conferência. Introdução ao artigo de Madeleine e Willy Baranger: ‘A situação analítica como campo dinâmico’. Livro Anual de Psicanálise, 24: 165-176.

Favalli, P. H. (1998). O campo psicanalítico (Considerações sobre a evolução do conceito). Porto alegre: Sociedade Psicanalítica de Porto Alegre. Dissertação

Favalli, P. H. (2015). Campo e intersubjetividade. In C. Eizirik, R. Aguiar, & S. Schestatsky, Psicoterapia de orientação analítica – fundamentos teóricos e clínicos (pp. 128-149). Porto Alegre: Artmed.

Ferro, A. (1991). Dois autores em busca de personagens: a relação, o campo, a história. Revista de Psicanálise da SPPA, 2 (1): 9-28.

Ferro, A. (1995). A técnica na psicanálise infantil. Rio de Janeiro: Imago.

Ferro, A. (1996). O diálogo analítico: constituição e transformação de mundos possíveis. Revista de Psicanálise da SPPA, 3 (1):47-63.

Ferro, A. (2014) Realidade e ficção. Pessoas (história), objetos internos (fantasias inconscientes), personagens (escolha do elenco). Calibán, Revista Latino-Americana de Psicanálise, 12 (1): 55-97.

Freud, S. (1910). As perspectivas futuras da técnica analítica. In Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud. (Vol. 11, pp. 125-136), Rio de Janeiro: Imago, 1970.

Freud, S. (1912a). A dinâmica da transferência. In Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud. (Vol. 12, pp. 131-143), Rio de Janeiro: Imago, 1972.

Freud, S. (1912b). Recomendações aos médicos que exercem a psicanálise. In Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud. (Vol. 12, Rio de Janeiro: Imago, 1972, 147-159.

Freud, S. (1913). Sobre o início do tratamento. In Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud. (Vol. 12, pp. 163-187), Rio de Janeiro: Imago, 1972.

Freud, S. (1914). Recordar, repetir, elaborar. In Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud. (Vol. 12, pp. 191-203), Rio de Janeiro: Imago, 1972.

Freud, S. (1915). Observações sobre o amor transferencial. In Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud. (Vol. 12, pp. 207-221, Rio de Janeiro: Imago, 1972.

Freud, S. (1918). História de uma neurose infantil. In Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud. (Vol. 17, pp. 13-153), Rio de Janeiro: Imago, 1976.

Freud, S. (1926). Inibição, sintoma e ansiedade. In Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud. (Vol. 20, pp. 95-201), Rio de Janeiro: Imago,1976, 95-201.

Freud, S. (1937). Análise terminável e interminável. In Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud. (Vol. 23, pp. 239-287), Rio de Janeiro, Imago, 1975.

Freud, S. (1950). Extrato dos documentos dirigidos a Fliess, Carta 69. In Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud. (Vol. 1, pp. 350-352). Rio de Janeiro: Imago, 1977.

Green, A. (1975). The analyst, symbolization and absence in the analytic setting (on changes in analytic practice and analytic experience). Int. J. Psycho-anal., 56, (1): 1-22.

Heimann, P. (1950). On counter-transference. Int. J. Psycho-anal., 31: 81-84. Trad. Português: Sobre a contratransferência. Revista de Psicanálise da SPPA, 2 (1): 171-176.

Isaacs, S. (1952). A natureza e a função da fantasia. In M. Klein, et al., Os progressos da psicanálise. Rio de Janeiro: Zahar, 1969.

Joseph, B. (2013). Aqui-e-agora: meu ponto de vista. Livro Anual de Psicanálise, 29: 43-47.

Klein, M. (1946). Notas sobre alguns mecanismos esquizoides. In M. Klein, Inveja e gratidão e outros trabalhos. Obras completas de M. Klein (Vol. 3, pp. 17-43), Rio de Janeiro: Imago, 1991.

Klein, M. (1952). As origens da transferência. In M. Klein, Inveja e gratidão e outros trabalhos. Obras completas de M. Klein (Vol. 3, pp. 70-79), Rio de Janeiro: Imago, 1991.

Ogden, T. (1994). The analytic third: working with intersubjective clinical facts. Int. J. Psycho-anal., 75 (3): 3-19. Trad. Português: O terceiro analítico: trabalhando com fatos clínicos intersubjetivos. In T. Ogden, Os sujeitos da psicanálise (pp. 57-91). São Paulo: Casa do Psicólogo, 1996.

Ogden, T. (1997a). Reverie and interpretation: sensing something human. Northvale, N.J.: Aronson.

Ogden, T. (1997b). O sujeito perverso da análise. Revista de Psicanálise da SPPA, 4 (3): 487-509.

Ogden, T. (2002). Lendo Winnicott. Revista Brasileira de Psicanálise, 36 (4): 737-755.

Ogden, T. (2003). O que é verdadeiro e de quem foi a ideia?. In T. Ogden, Esta arte da psicanálise. Porto Alegre: Artmed, 2010.

Ogden, T. (2004a). Lendo Bion. In T. Ogden, Esta arte da psicanálise. Porto Alegre: Artmed, 2010.

Ogden, T. (2004b). Sobre sustentar e conter, ser e sonhar. In T. Ogden, Esta arte da psicanálise. Porto Alegre: Artmed, 2010.

Racker, H. (1948). A neurose de contratransferência. In Estudos sobre técnica psicanalítica, Porto Alegre: Artes Médicas, 1982, 100-119.

Sandler, P. C. (2000). Comentário sobre o artigo ‘Sobre uma citação de Freud de W. Bion’. Revista de Psicanálise da SPPA, 7 (2): 299-309.

Winnicott, D. W. (1960). Teoria do relacionamento paterno-infantil. In O ambiente e os processos de maturação (pp.38-54). Porto Alegre: Artmed, 1983.




Revista de Psicanálise da SPPA  |  ISSN 1413-4438  |  ISSNe 2674-919X  | RPdaSPPA no Google Scholar

Classificação Qualis: B2 Psicologia

Sociedade Psicanalítica de Porto Alegre

Rua General Andrade Neves, 14/802 | 90010-210 | Porto Alegre, RS, Brasil | Fone +55 (51) 3228-7583 | E-mail: revista@sppa.org.br