Acesso Livre Acesso Livre  Acesso restrito Acesso Restrito

Brincar, verbo intransitivo: a interpretação em análise de crianças

Cátia Olivier Mello

Resumo


Este trabalho procura discutir o tema da interpretação em psicanálise decrianças. Partindo da equivalência entre associação livre e brincar nosprimórdios da psicanálise de crianças, busca pensar a sua evoluçãoutilizando autores psicanalíticos, da psicologia do desenvolvimento e dafilosofia. Ao longo dele problematiza-se a validade da interpretação emanálise de crianças à luz do conhecimento psicanalítico atual.

Palavras-chave


brincar, psicanálise de crianças, associação livre, interpretação lúdica.

Texto completo:

PDF

Referências


Baranger, M. & Baranger, W. (1961-62). La situación analítica como campo dinámico. Revista Uruguaya de Psicoanálisis, 4(1): 3-54.

Bateson, G. (1955). A theory of play and fantasy. In Steps to an ecology of mind: collected essays in anthropology, psychiatry, evolution and epistemology (pp. 177-193). New York: Chandler, 1972.

Dolto, F. (1984). A imagem inconsciente do corpo. São Paulo: Perspectiva, 2004.

Ekstein, R. (1969a). Interpretación dentro de la metáfora: más consideraciones. In R. Ekstein, La psicosis infantil (pp. 209-217). México: Pax.

Ekstein, R. (1969b). La alianza del trabajo con el monstuo. In R. Ekstein, La psicosis infantil (pp. 517-525). México: Pax.

Ferro, A. & Molinari, E. (2011). O quanto ainda é necessário interpretar o brincar na análise infantil? Considerações na esteira das ideias de Bion. Revista de Psicanálise da SPPA, 17(2): 295-314.

Ferro, A. (1995). A técnica na análise infantil. A criança e o analista: da relação ao campo relacional. Rio de janeiro: Imago.

Freud, A. (1926). O tratamento psicanalítico com crianças. Rio de Janeiro: Imago, 1971.

Freud, S. (1908). Escritores criativos e devaneios. In Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (vol. 9). Rio de Janeiro: Imago, 1971.

Freud, S. (1920). Além do princípio do prazer. In Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (Vol. 18, pp. 13-85). Rio de Janeiro: Imago, 1971.

Freud. S. (1909). Análise da fobia de um menino de cinco anos. In Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud. Rio de Janeiro: Imago, 1971.

Göncu, A. & Kessel, F. (1984). Children’s play: a contextual-functional perspective. In A. Göncu & F. Kessel (Eds.), Analyzing children’s play dialogues: new directions for child development, 25 (pp. 5-22). San Francisco: Jossey-Bass.

Haag, G., Tordjman, S., Duprat, A., Urwand, S., Jardin, F., Clément, M. C., et al. (2008). Avaliação psicodinâmica de mudanças em crianças com autismo sob tratamento psicanalítico. Livro Anual de Psicanálise, 21:137-153.

Hartke, R. (2006). A experiência do brincar e o espaço analítico na psicanálise de adultos. Revista de Psicanálise da SPPA, 13(2): 287-306.

Hobbes, T. (1964). Vida e obra. In Os pensadores. São Paulo: Abril Cultural, 1983.

Huizinga, J. (1938). Homo ludens. O jogo como elemento da cultura. São Paulo: Perspectiva.

Iankilevich, E. (2011). É possível a análise de crianças? Revista de Psicanálise da SPPA, 18(2): 397-416.

Imbasciatti, A. (2014). O objeto da psicanálise mudou? Revista de Psicanálise da SPPA, 21(1): 11-28.

Klein, M. (1926). Fundamentos psicológicos da análise de crianças. In A psicanálise de crianças. Obras completas de Melanie Klein (Vol. 2, pp. 23-35), Rio de Janeiro: Imago,1997.

Klein, M. (1927). A neurose na criança. In Psicanálise de crianças. São Paulo: Mestre Jou, 1969.

Klein, M. (1955). A técnica psicanalítica através do brincar: sua história e significado. In Inveja e gratidão e outros trabalhos. Obras completas de Melanie Klein (Vol. 3, pp. 150-168). Rio de Janeiro: Imago, 1991.

Kohut, H. (1971). The analysis of self. New York: International University Press.

Locke, J. (1690). Ensaio acerca do entendimento humano. In Os pensadores. São Paulo: Abril Cultural, 1983.

Luz, A. B. (1994). Para além das controvérsias científicas. Revista de Psicanálise da SPPA, 1 (3): 9-20.

Meltzer, D. (1975). La dimensionalidad como un parámetro del funcionamento mental: su relación con la organización narcísita. In D. Meltzer (Org.), Exploración del autismo: un estudio psicoanalítico (pp. 197-210). Buenos Aires: Paidós, 1984.

Mello, C. O. (2003). Brincar e associação livre: semelhanças e diferenças no tratamento psicanalítico da criança e do adulto. Revista de Psicanálise da SPPA, 10(2): 235,248.

Mello, C. O., Fachel, J. M. G. & Sperb, T. M. (1997). A interação social na brincadeira de fazde-conta: uma análise da dimensão metacomunicativa. Psicologia: teoria e pesquisa, 13(1): 119-130.

Mrech, L. M. (1998). Além do sentido e do significado: a concepção psicanalítica do brinquedo e do brincar. In T. M. Kishimoto (Org.), O brincar e suas teorias (pp. 155-172). São Paulo: Pioneira.

Neri, C. (2009). The enlarged notion of field in psychoanalysis. In A. Ferro & R. Basile, The analytic field: a clinical concept (pp. 45-80). London: Karnac.

Parsons, M. (1999). The logic of play in psychoanalysis. Int. J. Psychoanal., 80: 871-884.

Pedrosa, M. I. P. C. (1989). Interação criança-criança: um lugar de construção do sujeito. Tese de doutorado, Universidade de São Paulo (USP).

Piaget, J. (1945). A formação do símbolo na criança: imitação, jogo e sonho - imagem e representação (3. ed.) Rio de Janeiro: Zahar, 1978.

Rodrigué, E. (1963). La interpretación lúdica: una actitud hacia el juego. Revista de Psicoanálisis, 3: 129-147.

Sager, F. & Sperb, T. (1998). O brincar e os brinquedos nos conflitos entre crianças. Psicologia: Reflexão e Crítica, 11, 309-326.

Santa Roza, E. (1999). Quando brincar é dizer: a experiência psicanalítica na infância. Rio de Janeiro: Contra Capa Livraria.

Souza, L. K. & Hutz, C. S. (2012). Amizade em contexto: desenvolvimento e cultura. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Spacal, S. (1990). Free association as a method of self-observation in relation to other methodological principles of Psychoanalysis. Psychoanal. Quarterly, 59: 420-436.

Takhvar, M. (1988). Play and theories of play: a review of the literature. Early child development and care, 39, 221-224.

Vygotsky, L. S. (1933). O papel do brinquedo no desenvolvimento. In A formação social da mente (pp.105-118). São Paulo: Martins Fontes, 1984.

Winnicott, D. W. (1951). Objetos transicionais e fenômenos transicionais. In D. W. Winnicott, Textos selecionados da Pediatria à Psicanálise (pp. 389-408). Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1978.

Winnicott, D.W. (1942). Por que as crianças brincam. In D.W. Winnicott, A criança e seu mundo. Rio de Janeiro: Zahar, 1985.

Winnicott, D.W. (1971a). Playing and reality. New York: Routledge.

Winnicott, D.W. (1971b). Consultas terapêuticas em psiquiatria infantil. Rio de janeiro: Imago, 1984.




DOI: https://doi.org/10.5281/sppa%20revista.v21i3.146

Direitos autorais 2014

Revista de Psicanálise da SPPA | Publicada desde 1993 (1988-93 com o nome de Arquivos de Psicanálise da SPPA)

Publicação Quadrimestral | ISSN 1413-4438 (versão impressa) | ISSNe 2674-919X (versão eletrônica) | Qualis: B2 Psicologia
 
INDEXADORAS:
LILACS | Biblioteca Virtual da Saúde (OPAS - BIREME)
CLASE | Citas Latinoamericanas en Ciencias Sociales y Humanidades (Universidad Nacional Autónoma de México - UNAM)
Scholar | Google Acadêmico

Sociedade Psicanalítica de Porto Alegre

Rua General Andrade Neves, 14/402 | 90010-210 | Porto Alegre, RS, Brasil | Fone +55 (51) 3224-3340 | WhatsApp (51) 9 8487-0158 | E-mail: revista@sppa.org.br