Acesso Livre Acesso Livre  Acesso restrito Acesso Restrito

Histórias Contadas - Histórias Construídas

Bernardo Tanis

Resumo


O objetivo deste trabalho é revisitar o clássico e polemico tema do cruzamento clínico-conceitual entre história, memória e temporalidade. O autor ilustra clinicamente sua perspectiva e propõe algumas ideias em torno da atualidade e valor das construções no processo analítico e das tramas que constituem nossa subjetividade. Dialoga com psicanalistas e pensadores da história que aprofundaram o assunto concluindo que o esforço em direção à história aponta para o reconhecimento do lugar da história traumática, diferente de uma história factual, como será explicitado ao longo do texto, e das condições e possibilidades de sua simbolização.


Palavras-chave


memória; temporalidade; história; construções em análise; simbolização.

Texto completo:

PDF

Referências


Benjamin, W. (1940). Teses de filosofia da história. “Sobre o conceito de história”. Paulo, Bom tempo, 2005.

Bion, W. (1962). Learning from experience. London: Karnac, 1991.

______. (1965). Transformations. London: Karnac, 1991.

Botella, C.; Botella, S. (2002). Irrepresentável, mais além da representação. Porto Alegre: Criação Humana.

Bleichmar, S. (1993). La fundación de lo inconsciente. Buenos Aires: Amorrortu.

Dayan, M. (1985). Inconscient et realité. Paris: PUF.

Didi-Huberman, G. (2011 [2010]). Ante el tiempo. Buenos Aires: Adriana Hidalgo. Título original: Devant le temp.

Ferro, A. (1995). A técnica na psicanálise infantil. Rio de Janeiro: Imago.

______. (1910). Leonardo da Vinci e uma lembrança de sua infância. In S. Freud, Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud. (Vol. 11, pp. 59-126), Rio de Janeiro: Imago.

______. (1914 [1918]). De la historia de una neurosis infantil (caso del “Hombre de los lobos”). Buenos Aires/Madrid: Amorrortu.

______. (1937). Construcciones en el análisis. In S. Freud, Obras completas. (Vol. 23, pp. 255-270). Buenos Aires: Amorrortu.

______. (1895). Proyecto de una piscología para neurólogos. In S. Freud, Obras completas. (Tomo 22), Buenos Aires: Santiago Rueda, 1956.

______. (1939). Moisés e o monoteísmo. In S. Freud, Edição standard brasileira de obras completas de Sigmund Freud. (Vol. 23, pp. 117-150), Rio de Janeiro: Imago, 1996.

Gangnebin, J. M. (2006). Verdade e memória do passado. In J. M. Gangnebin, Lembrar escrever esquecer. São Paulo: Editora 34.

______. (2002). Tiempo y memoria. In A. Green, La diacronía en psicoanálisis. Buenos Aires: Amorrortu.

Loraux, N. (1992). Elogio ao anacronismo. In A. Novaes (Org.), Tempo e história. São Paulo, Companhia das Letras.

Löwy, M. (2005/2001). Walter Benjamin: aviso de incêndio. São Paulo: Boitempo.

SPENCE, D. (1982). Narrative truth and historical truth: Meaning and interpretation in psychoanalysis. Nova York: Norton & Company.

TANIS, B. (1995a). Memória e temporalidade: sobre o infantil na psicanálise. São Paulo: Casa do Psicólogo.

______. (2009a). Especificidade no processo de elaboração do luto na adolescência. Revista Brasileira de Psicanálise, 43(3), 39-50.

Viderman, S. (1970). A construção do espaço analítico. São Paulo: Escuta, 1990.

Winnicott, D. W. (1971). O brincar e a realidade. Rio de Janeiro: Imago, 1975.




Revista de Psicanálise da SPPA  |  ISSN 1413-4438  |  ISSNe 2674-919X  | RPdaSPPA no Google Scholar

Classificação Qualis: B2 Psicologia

Sociedade Psicanalítica de Porto Alegre

Rua General Andrade Neves, 14/802 | 90010-210 | Porto Alegre, RS, Brasil | Fone +55 (51) 3224-3340 | WhatsApp (51) 9 8487-0158 | E-mail: revista@sppa.org.br