PROGRAMA EDITORIAL - 2021

Prezado(a) colega,

O ano era 1932. Em meio ao cenário de medo, incertezas e perplexidade do período entre guerras, e logo após a grande crise financeira de 1929, a Liga das Nações propôs que o Instituto Internacional para Cooperação Intelectual estimulasse o debate, por meio de cartas, entre intelectuais de renome. O objetivo era construir sentido para situações que intrigavam e inquietavam a humanidade. Albert Einstein, o pai da física moderna, escolheu Freud para tentar responder à pergunta Por que a Guerra?

O ano é 2020. No transcurso da atual e brusca mudança do cenário mundial, devido à pandemia da Covid-19, fomos levados a conviver com o crescente e assustador número de mortes, mesmo em uma época com alto grau de recursos científicos. A orientação de isolamento social, apesar de nos remeter a práticas primitivas das ciências da saúde, tornou-se o instrumento mais efetivo, tanto na prevenção quanto para evitar uma crise no próprio sistema de saúde. Crises se sucedem na história das sociedades e, após ser ultrapassada a desmentida, são evocados os recursos para a potencial superação e para o retorno ao estado anterior. Como no indivíduo, as sociedades humanas também estabelecem controles auto-reguladores, prevenindo-se de danos estruturais. Mas, e quando estes mecanismos parecem falhar?

Diante de tal realidade, confrontados com esse trauma coletivo que ameaça a vida física e psíquica, somos, como psicanalistas, chamados a pensar, a fim de integrar recursos científicos e fazer trabalhar a teoria psicanalítica. Freud, em O mal-estar da civilização (1929), não se omitiu a enfrentar o desafio de pensar sobre a insuficiência de nossos métodos para regular as relações humanas em família, no Estado e na sociedade,buscando compreender as causas do difícil trabalho do homem em ser feliz e interrogando o quanto de nossa natureza psíquica se encontra infiltrado nas instituições sociais.

Frente a todo esse complexo cenário, a Revista de Psicanálise da SPPA propõe, para o ano de 2021, a publicação de uma série de reflexões sobre este mal-estar epidêmico e sobre a crise da civilização por meio de um ano temático a ser constituído por uma trilogia, nomeada O NOVO MAL-ESTAR NA CIVILIZAÇÃO.

Um conjunto de manifestações intra e inter psíquicas, relacionadas com este processo, seriam pesquisados e descritos no primeiro número, denominado DISRUPÇÕES (prazo limite para envio 31/12/20).

O segundo número, intitulado REPERCUSSÕES na TÉCNICA (prazo limite para envio 30/04/21), trataria de estudos acerca do impacto deste contexto na técnica psicanalítica a partir da necessidade de estabelecer novas fronteiras e interfaces da psicanálise.

Completa a trilogia o número ELABORAÇÕES (prazo limite para envio 30/07/21), que oferecerá espaço para textos sobre aspectos ligados à necessidade e à importância de, no tempo possível, pensarmos limites e buscarmos recursos para os encaminhamentos psíquicos e transformações possíveis advindos destas vivências.

Assim, nossa Revista, seguindo seu papel de promover um espaço de reflexão e desenvolvimento científico com a escrita em psicanálise, convida os colegas a submeter para publicação as suas produções, contribuições e outras indagações provocadas a partir da crise que estamos vivendo.

Renato Moraes Lucas
Editor Chefe

Ana Cristina Pandolfo
Elena Beatriz Tomasel
Editoras Associadas